Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Duas irmãs foram mortas na cidade de Pacatuba, na Grande Fortaleza, na noite desta sexta-feira (21). Crime acontece em meio à paralisação de policiais. — Foto: Rafaela Duarte/SVM

Motim miliciano no Ceará faz bandidagem tocar o terror no estado (e parte da esquerda continua em silêncio)

Por Redação

22 de fevereiro de 2020 : 13h14

Não é preciso muita imaginação para se conceber o nível de terror da população, em periferias com grande histórico de criminalidade e violência, durante um “motim” da polícia. A bandidagem aproveita para intensificar suas “ações”. O número de homicídios, estupros, assaltos crescem vertiginosamente durante o período.

O motim no Ceará não acabou. Já em seu quinto dia, ainda há pelo menos quatro batalhões na Grande Fortaleza e no interior fechados e com pessoas amotinadas.

É lamentável que lideranças e partidos progressistas não tenham compreensão, empatia e sensibilidade para entender o drama de milhões de brasileiros diante da crise de segurança pública. Ao invés disso, as redes sociais de vários partidos se concentram em denunciar a perseguição ao ex-presidente Lula. O caso Lula precisa ser denunciado, mas não ao custo do silêncio em relação ao problema de segurança pública que produz mortes, estupros e roubos no Ceará, um estado governado pelo PT.

Pior ainda é ver os partidos progressistas gastando maior parte do espaço de suas redes sociais com propagandas identitárias e festivas sobre o Carnaval, igualmente sem entender a crise de segurança pública vivida no estado do Ceará, que ameaça engolfar outras unidades da federação.

Depois tomam uma surra nas urnas e não entendem porque.

***

Número de assassinatos durante motim da PM no Ceará chega a 88; batalhões seguem ocupados

Ao menos 15 desses casos ocorreram na Grande Fortaleza, que é patrulhada pelo Exército desde a tarde de sexta-feira. Paralisação chega ao 5º dia.

No G1 CE

22/02/2020 12h22 Atualizado há 2 minutos

Com mais 37 mortes em um intervalo de 24 horas, sobe para 88 o número de assassinatos durante o motim da Polícia Militar do Ceará, informou o governo do estado. Os dados são referentes ao período entre a meia noite de quarta-feira (19) e 23h59 deste sábado (22), mas a paralisação teve início na noite de terça (18). Esse é o período mais violento registrado em meio à crise na segurança no Ceará. Neste quinto dia de motim, pelo menos quatro batalhões na Grande Fortaleza e no interior seguem fechados e com pessoas amotinadas.

Desde terça, homens encapuzados que se identificam como agentes de segurança do Ceará invadiram quarteis e depredaram e esvaziaram pneus de veículos da polícia. Policiais militares reivindicam aumento salarial acima do proposto pelo governador Camilo Santana.

(…)

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Wallabi

24 de fevereiro de 2020 às 11h20

Com os 60.000 homicidos/ano dos governos petistas sem mexer um dedos os cabulosos se interessaram hoje com a segurança publica…?? kkkkkkkkkkkk

Nào tem vergonha na cara mesmo essa gente.

Responder

Francisco

23 de fevereiro de 2020 às 19h30

Redação, deixe de ser manipulador ou ingênuo, ‘está na cara’ que os bandidos dessa vez são outros, interessados em mortes e não roubos.

Essa tua oportunista mania de querer fazer do limão, limonada para o Ciro, ainda vai acabar de azedar de vez o Cafezinho.

Responder

wendel arruda campos

23 de fevereiro de 2020 às 14h09

Mas o que é que você quer que o governo faça? o aumento já foi dado as suspensões também, por que e tão difícil entender que o verdadeiro poder se estabelece através da força. Nesse momento o governador e nada é a mesma coisa.

Responder

NeoTupi

23 de fevereiro de 2020 às 02h21

E o PDT? Se o próprio partido do Cid e Ciro não dá um pio e não lidera uma ação política, como cobrar os outros?
Hoje é dia 23 e o twitter oficial do PDT Nacional nada diz sobre Cid e o motim no Ceará desde o dia 20. Está falando nessa ordem: 1) Carnaval sem assédio; 2) lembrando que Jamelão da Mangueira cantou o jingle de Brizola em 1990; 3) Discurso do dep. André Figueiredo sobre distribuição de renda (ele que é do Ceará); 4) Ciro falando da alta do dólar; 5) Defesa do bolsa-família; 6) Contra a privatização da CEDAE no RJ; 7) Elogio ao prefeito Rodrigo Neves de Niterói pelos bons indicadores de saneamento (que já eram bons antes de sua gestão); 8) Enfim Lupi falando do atentado a Cid em publicação do dia 20.

Responder

Valdeci

22 de fevereiro de 2020 às 14h16

Desde de 2015 a Esquerda, só faz perder. O motim da PM cearense não é um acontecimento isolado da História, más sim uma continuação da derrubada de Dilma e prisão de Lula.
Pior do que a Lei se usada pra fins políticos, e ser comprovado que a Lei foi usada pra fins políticos , isso não fazer diferença alguma, e Moro continuar ministro e Bolsonaro presidente. Um país onde depois da Vaza Jato, metade da populaão ainda apoia Moro, não vai ter um bom futuro.

Responder

Deixe uma resposta para NeoTupi