Live do Cafezinho: como trazer a classe média de volta para campo progressista?

Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Inimputável

Por Pedro Breier

28 de julho de 2020 : 17h22

Reunião de emergência no Planalto:

— Presidente, a história de mostrar a cloroquina pra ema tá pegando mal. Estão dizendo na internet que o senhor pirou de vez.

— Como assim, porra? Aquele bicho vagabundo me atacou, não me atacou? Tô mentindo?

— Não, senhor.

— Cala a boca! Era uma pergunta retórqui… Fosfóric… Ah, essa palavra aí, talkey? Não era pra responder, porra. Tô falando ainda.

(Assessor aquiesce com a cabeça.)

— Pois então, a porra da ema me bicou. Doeu pra cacete! E aí você vê como é esse pessoal dos direitos humanos: ninguém deu um pio! Ninguém falou nada! Aposto que tão, como sempre, do lado do bandido, que, no caso, é a ema. Mas enfim, o certo seria o que?

— …

— Uns tiros de três oitão bem dados no animal, porra! Um perigo pra sociedade um bicho desse daí solto. Mas eu, como sou um estadista, e já prevendo a gritaria que ia dar se eu fizesse o certo, que que eu faço? Estendo a mão pra ema! Ou melhor, a cloroquina! Esse remédio é milagroso, cacete. Cura até ema raivosa, vai por mim.

— Mas, presidente…

— Não acabei, porra! Pois eu estendo a mão, ofereço a cura pro animal, e esse bando de comunista faz o que? Critica, é claro. Esse pessoal só sabe falar mal, só sabe torcer contra. É de estourar a hemorroida!

— Posso falar, presidente?

— Agora pode. Porra.

— É que a cena é mesmo estranha, presidente. O senhor está mostrando uma caixa de remédio pra uma ema. Até descrever a cena é esquisito, presidente. O ideal seria o senhor evitar esse tipo de coisa, realmente não está nos ajudando.

— Evitar é o cacete. Azar dos esquerdistas, eu sou o presidente, eles vão ter que me aturar. E azar da ema também que não quis tomar a cloroquina, esse presente de Deus aos homens de bem.

— Mas isso pode dar merda, presidente. Tem a denúncia no Tribunal de Haia agora, e…

— Ah, quanto a isso, tá tranquilo! Inclusive o Wassef… quer dizer, aquele outro advogado meu, que não é o Wassef, falou que essa história da ema pode ser útil no meu julgamento.

— Como, presidente?

— A ideia é dizer que eu sou imprestáv… Não, inimig… Não, também. Ah, “inim alguma coisa” nisso daí, entendeu?

— Entendi sim, presidente, entendi. Faz sentido.

O tom sério e a voz grave do apresentador. O texto. A imagem do nosso presidente. O roteirista da realidade em que estamos é, no mínimo, criativo.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

28 de julho de 2020 às 19h22

Acima de inimputável, extremamente ignorante e incompetente…Uma vergonha! Nem Dutra era tão ruim…

Responder

Gaspar

28 de julho de 2020 às 18h02

Pobre esquerdalha falida…chega a dar dó.

Responder

Deixe uma resposta