Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Maia: Moro é de extrema-direita, não subo no palanque dele

Por Redação

09 de novembro de 2020 : 11h40

Nesta segunda-feira, 9, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rechaçou a hipótese de apoiar uma possível candidatura de Sérgio Moro para Presidência da República em 2022.

“Não posso apoiar uma chapa integrada por alguém de extrema direita”

Para justificar sua posição, Maia lembrou que enquanto Ministro da Justiça, Sérgio Moro defendeu excludente de ilicitude para policiais que cometeram algum crime durante ação.

“Moro já defendeu ideias e divide a parte do eleitorado de extrema direita com Bolsonaro. Por isso ele cai nas pesquisas quando disputa com o presidente”

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Antonio J Alves Jr

09 de novembro de 2020 às 23h02

Moro é o homem das medidas de exceçao num pais que precisa de respeito às Leis. Tô fora.

Responder

Paulo

09 de novembro de 2020 às 19h55

Eu não sei exatamente o que Moro é. Mas tenho certeza que corrupto ele não é. Mas dizer-se liberal e se associar a Huck é decepcionante…

Responder

    Alexandre Neres

    10 de novembro de 2020 às 12h29

    Meu amigo Paulo, várias pessoas pensam diferente de você. Vou citar mais um. Aludindo ao fato de Moro ter ido para o governo Bolsonaro após ter condenado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Ciro Gomes disse: “Isso é uma lesão ética que transforma o Moro para mim num grande malandro, num corrupto que durante o governo Bolsonaro tudo o que pôde fazer fez para acobertar os filhos ladrões do Bolsonaro”.

    Responder

      Paulo

      10 de novembro de 2020 às 22h34

      Alexandre, não sei se somos amigos, mas pelo menos há um diálogo respeitoso entre nós, quero crer. Os filhotes do Capetão só mostraram suas garras mais recentemente. De certa forma, pode-se dizer o mesmo do pai. De fato, Bolsonaro era um ser cercado de obscurantismo (no sentido de incertezas) até 2018. Um sujeito inexpressivo. Mas ninguém, ao que me lembre, o questionava sob o prisma da honestidade. A Val do açaí só surgiu no curso da campanha eleitoral e, confesso, não produziu efeitos sobre mim, inicialmente (só mais tarde viria a entender), parecendo mais “denunciação caluniosa”, típica de campanhas, se é que me entende. Assim, não havia como Moro antever o que representava aquela família. Tanto que foi ludibriado pela “criatura do pântano”, abrindo mão de uma carreira pública de sucesso, ao aceitar convite para um Governo que, hoje fica claro, estava condenado a primar pelo patrimonialismo e todo o tipo de sinecuras e ilegalidades. Achar que ele fez isso “só” pelo STF é ingenuidade…Ele foi enganado, claramente…

      Responder

        Alexandre Neres

        11 de novembro de 2020 às 00h50

        Meu caro Paulo, como já te disse, o pior cego é aquele que não quer ver. Abaixo as matérias comprovando que as acusações contra Flavio Bolsonaro começaram em 2018, quando Bolsonaro nem tinha tomado posse. Talvez Moro não sabia, dada a sua ignorância não lê livros, pode alegar que não lia jornais. Bolsonero é translúcido, nunca procurou disfarçar quem sempre foi. Ele é isso aí cuspido e escarrado, tal qual as besteiras que disse nessa terça-feira. Ninguém tem o direito de alegar que não sabia. Era membro do baixo clero, nunca teve a menor representatividade. Você acha que alguém da Odebrecht, por exemplo, cujo dinheiro irrigava todos os principais partidos, do governo e da oposição, iria oferecer algum dinheiro para aquele doidivanas que só sabia vociferar como um louco? O esquema dele é a la Severino Cavalcanti, rachadinha, dinheiro vivo oriundo da mílicia para comprar imóveis. Um ladrãozinho chinfrim. Enfim…

        https://brasil.elpais.com/brasil/2018/12/06/politica/1544100282_130192.html
        https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/12/06/coaf-aponta-que-ex-motorista-de-flavio-bolsonaro-movimentou-mais-de-r-12-milhao-em-operacoes-suspeitas.ghtml

        Responder

          Paulo

          11 de novembro de 2020 às 19h23

          Alexandre, Moro não ficou nem um ano e 1/2 no Governo. Deveria ter recusado o convite pra ser Ministro? Não sei, sinceramente. Jogou a carreira de juiz no lixo, mas, àquelas alturas, quem sabe sua pretensão não fosse mesmo seguir uma carreira política. E a “capivara” do filho, àquelas alturas, ainda não seria fator impeditivo, na minha visão. Mas creio que se ele tivesse vislumbrado quem era o Capetão, em sua integralidade, teria recusado. Palpite…Agora, impressiona a demonização de Moro que vocês de esquerda fazem, unidos ao Centrão! O pior cego…

jurandir

09 de novembro de 2020 às 19h23

A velha politica treme na base com o “risco” de Sergio Moro se atracar como candidato.

Responder

Justiceiro

09 de novembro de 2020 às 14h53

Só li verdades.

Responder

Alexandre Neres

09 de novembro de 2020 às 14h37

A fala de Maia está correta, pois Moro é de extrema-direita. O problema é a prática de Maia. Maia votou em Bolsonaro. Maia é o representante-mor do neoliberalismo do Brasil, o ungido do deus-mercado. Enquanto Bolsonero age como um bufão e desgoverna, Maia toca o barco adiante, aprovando uma reforma atrás da outra, no afã de cortar direitos dos cidadãos. Fora isso, para Maia pedalada fiscal é crime gravíssimo, ao passo que passa pano para retrocessos civilizatórios inomináveis.

Responder

carlos

09 de novembro de 2020 às 12h40

Eu sei que o blog é político, mas eu aproveito a oportunidade para mandar um recado para o presidente da Câmara e do senado de pautarem uma CPI para investigar a arbitragem brasileira, pois já rumores de que tem árbitro apitando pra bolsa de aposta, junto a isso criar um projeto de lei para proficionalizar a arbitragem e criar uma liga independente de árbitro, em tempo nós já levamos de 7 x 1 daqui a pouco vamos levar de 14. Futebol é coisa séria

Responder

H. Hupmann

09 de novembro de 2020 às 12h25

Falta pouco mais de um més para que esse cretino saia da presidencia da camara.

Com os votos do centrao serà possivél tentar eleger alguem que leve adiante as reformas pelas quais esse governo foi eleito pelos Brasileiros.

Responder

Hilario

09 de novembro de 2020 às 11h47

Grande Nhonho…cada vez que abre boca é uma satisfaçào atràs da outra para nòs esquerdistas raiz !! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Deixe um comentário para Paulo