Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

A deputada alemã Beatrix von Storch, vice-líder do partido de ultradireita AfD durante encontro com o presidente Jair Bolsonaro.

Instituto Brasil – Israel diz que encontro de Bolsonaro com deputada nazista é “afronta à letra a ao espírito da Constituição democrática do Brasil”

Por Redação

27 de julho de 2021 : 11h01

Desde que se elegeu, umas das extravagâncias do “núcleo ideológico” do governo Bolsonaro, centralizado no próprio presidente, e que constitui a ala mais extremista e reacionária de sua adminsitração, tem sido suas demonstrações de proximidade (um tanto forçada) com o Estado de Israel.

É uma coisa puramente simbólica, como que um constraste artificial, forçado, com movimentos de solidariedade de organizações, comunidades ou partidos “progressistas”, em relação aos problemas vividos pelo povo palestino.

O binarismo é a marca mais evidente do bolsonarismo tosco: se a esquerda é pró-palestina, então a direita tem de ser pró-Israel.

Sutileza ou nuance não é o forte de extremistas.

Essa postura é tanto mais burra porque ignora solenemente que Israel não pode ser confundido com seus movimentos e partidos de direita. Isso seria o mesmo erro que enxergar, no Brasil, apenas o bolsonarismo.

Israel tem uma esquerda historicamente ativa, pró-direitos humanos, e que apesar de estar marginalizada do poder há alguns anos, tem uma participação importante na vida social do país, hoje e no passado. Não podemos esquecer que Israel foi construída sobre pilares socialistas, dos quais os kibutzs, ou fazendas agrícolas coletivas, foram a iniciativa mais conhecida.

Até hoje, Israel é um dos países desenvolvidos com melhores índices de distribuição de renda, e isso se deve a um Estado de bem estar social, que inclui tributação progressista, educação pública de qualidade e, sobretudo, uma cultura de igualdade e solidariedade (ao menos entre os seus compatriotas) profundamente enraizada no país.

A prova de que a proximidade entre o bolsonarismo e Israel tem sido a falta de cuidado com que o presidente e seu entorno se relacionam com movimentos e partidos acusados de neonazismo.

Confira a nota do Instituto Brasil – Israel, divulgada há pouco, em protesto ao encontro de Bolsonaro e uma deputada alemã investigada por suas ligações com movimentos extremistas alemães.

Todas essas patacoadas de Bolsonaro vão isolando o Brasil cada vez mais, reduzindo investimentos em nosso país e, com isso, destruindo os empregos e a esperança dos brasileiros.

***

Encontro entre Bolsonaro e Beatrix von Storch é afronta ao espírito da Constituição democrática do Brasil, diz Coordenador Executivo do IBI

Beatrix von Storch, vice-líder do partido AfD (Alternativa para Alemanha), esteve com o presidente Jair Bolsonaro na quinta-feira (22). O Coordenador Executivo do IBI, Rafael Kruchin, assinou uma nota sobre o encontro, que foi destaque em diversos meios de comunicação, como a Coluna da Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, e a agência Poder 360.

Confira a nota na íntegra:

O presidente Jair Bolsonaro recebeu Beatrix von Storch, líder do partido de extrema-direita AfD da Alemanha, para uma reunião no palácio presidencial. Antes, os deputados Eduardo Bolsonaro e Bia Kicis, do PSL, haviam recebido a parlamentar alemã.

A AfD, fundada em 2013, cultiva tendências racistas, sexistas, islamofóbicas, antissemitas, xenófobas e forte discurso anti-imigração. Em março deste ano, a agência de inteligência da Alemanha colocou o partido em vigilância depois que o serviço secreto identificou uma série de violações da democracia e dos valores constitucionais do país.

O sentido sectário do encontro fica mais claro pelo fato de tanto o Brasil quanto a Alemanha estarem enfrentando tragédias e nenhum dos lados ter sequer se referido a isso.

O fato de Beatrix von Storch se ausentar da Alemanha quando se contam as vítimas das enchentes e viajar por um país isolado internacionalmente a esta altura, como o Brasil, mostra a irrelevância de seu partido e a busca desesperada por qualquer legitimação internacional.

Ao contrário de uma união dos conservadores do mundo para defender os valores cristãos e a família, como sugeriu Bia Kicis, esses encontros estão mais para união de políticos de extrema-direita irrelevantes no cenário global. Um abraço de náufragos.

O Instituto Brasil Israel (IBI) repudia veementemente estes encontros, que representam um revés nos esforços de construção de uma memória coletiva do Holocausto e uma afronta à letra a ao espírito da Constituição democrática do Brasil.

Rafael Kruchin, coordenador-executivo do IBI

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marco Vitis

27 de julho de 2021 às 15h33

Perguntinhas incômodas: esse Instituto emitiu uma nota quando Bolsonaro foi aplaudido no Clube Hebraica ? Naquele evento, os judeus presentes riram efusivamente das falas racistas, fascistas do então candidato. E quanto ao dinheiro de judeus estrangeiros entregues à campanha de Bolsonaro para ajudar a elegê-lo ? Existem notas de repúdio do Instituto em todas essas situações ?

Responder

Paulo

27 de julho de 2021 às 12h08

A aproximação com Israel se deve à agenda evangélica, que confunde a Israel bíblica com o atual Estado de Israel. Já o encontro com grupos de ultradireita se deve à agenda política do bolsonarismo. Como eles se entendem entre eles – os bolsonaristas -, diante de tanto incongruência, é um caso de estudo. Eu arriscaria que se deve à ignorância que grassa nessas hostes…Mas lembrando que um ponto de contato é o fato do Governo israelense ser de direita, também…

Responder

Valeriana

27 de julho de 2021 às 11h13

“O fato de Beatrix von Storch se ausentar da Alemanha quando se contam as vítimas das enchentes e viajar por um país isolado internacionalmente a esta altura, como o Brasil, mostra a irrelevância de seu partido e a busca desesperada por qualquer legitimação internacional.”

Que presunçào hein, que arrogancia e que educaçào de primeira ordem…até os israelenses se tornam imbécis quando colocam os pès no Brasil…?

Responder

Deixe um comentário para Paulo

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?