Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Lula ganharia no 1o turno com 56% de votos válidos em nova pesquisa Ipec

Por Miguel do Rosário

22 de setembro de 2021 : 22h18

Uma nova pesquisa Ipec, instituto que abriga os pesquisadores do antigo Ibope, traz o ex-presidente Lula com 56% dos votos válidos para as eleições presidenciais de 2022, o que lhe garantiria uma vitória folgada no primeiro turno.

Bolsonaro, por sua vez, teria 27% dos votos válidos.

A terceira via ainda não decolou. Ciro tem 9,4% dos válidos, quase um terço dos votos de Bolsonaro. Doria e Mandetta tem 3% cada, sempre em votos válidos.

Em votos totais, Lula tem 48% e oscilou 1 ponto para baixo em relação à última pesquisa, de junho. Bolsonaro ficou parado em 23% dos votos totais. 

Ciro oscilou 1 ponto para cima, de 7% para 8%. Doria caiu 2 pontos, de 5% para 3%.

No cenário 2, expandido com mais candidatos, Lula teria 45% dos votos totais, e 53% dos votos válidos, o que igualmente lhe daria vitória no primeiro turno.

Bolsonaro teria 22% dos votos totais neste cenário, Ciro 6%,  Moro 5% e Datena 3%.

Segundo o Ibope, as intenções de voto no ex-presidente Lula são mais expressivas entre:

  • aqueles que residem no Nordeste (oscila de 63% para 65%);
  • os que têm ensino fundamental I (cresce de 52% para 61%) e o ensino fundamental II (varia de 59% para 58%);
  • os que residem em municípios com até 50 mil habitantes (oscila de 54% para 53%);
  • os católicos (passa de 52% para 54%);
  • O instituto diz ainda que as intenções de voto em Lula são maiores quanto menor a renda familiar mensal: varia de 29% entre quem tem renda familiar mensal acima de 5 salários mínimos para 59% entre quem tem renda familiar até 1 salário mínimo.

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, tem maiores intenções de voto entre:

  • os moradores da região Norte/Centro-Oeste (oscila de 28% para 31%);
  • os homens (28%, mesmo percentual da pesquisa anterior);
  • os evangélicos (oscila de 32% para 31%);
  • quem se autodeclara branco (varia de 29% para 28%);
  • De acordo com o Ibope, as menções ao presidente aumentam quanto maior a renda familiar mensal do entrevistado, passando de 16% entre quem tem renda até 1 salário mínimo para 40% entre quem tem renda acima de 5 salários mínimos.

Ciro Gomes tem a preferência dos eleitores com ensino superior (13%). Os demais candidatos apresentam intenções de voto distribuídas de maneira homogênea nos segmentos analisados.

Avaliação do governo Bolsonaro

O Ipec também divulgou a avaliação do governo Bolsonaro e apontou os seguintes percentuais:

Ótimo/bom: 22%
Regular: 23%
Ruim/péssimo: 53%
Não sabe/não respondeu: 1%
A pergunta feita pelo instituto foi “Na sua avaliação, o governo do presidente Jair Bolsonaro está sendo”, com as opções “Ótimo”, “bom”, “regular”, “ruim” ou “péssimo”.

Somados, os itens “ótimo” e “bom” correspondem ao percentual de aprovação da administração; e os itens “ruim” e péssimo”, ao de reprovação.

Forma de governar
Um dos aspectos pesquisados diz respeito à aprovação da maneira de governar do presidente. Nesse caso, a pergunta feita foi: “E o(a) senhor(a) aprova ou desaprova a maneira como o presidente Jair Bolsonaro está governando o Brasil?” Sobre este quesito, os resultados foram:

Aprova: 28%
Desaprova: 68%
Não sabe ou não respondeu: 4%

Confiança no presidente
A pesquisa também fez a pergunta: “E o(a) senhor(a) confia ou não confia no presidente Jair Bolsonaro?” Os percentuais foram:

Confia: 28%
Não confia: 69%
Não sabe/não respondeu: 3%

***

Análise: É mais uma pesquisa a confirmar a acomodação do cenário. A polarização se cristalizou e aparentemente será muito difícil rompê-la.

A pesquisa indica uma consolidação sólida de Lula entre as classes populares, cuja força inercial é maior do que nas camadas médias, ou seja, são menos voláteis às ondas de opinião pública e a notícias de rede social.

Bolsonaro, por sua vez, parece ter recuperado terreno junto à classe média, fechando os caminhos para a terceira via. 

Além de pouco voto, a terceira via encontra-se profundamente dividida em dois campos: o pólo mais à esquerda, de Ciro Gomes, e o mais à direita, com vários candidatos (Doria, Mandetta, Moro, etc). Até poucos meses atrás, ainda havia um debate sobre a possibilidade da terceira via encontrar um nome único. Essa possibilidade, no entanto, é cada vez mais remota, em virtude do fosso ideológico entre os dois campos. 

Segundo Kassab, presidente nacional do PSD, a lógica da terceira via será “cada um por si”, o que significa que pode haver uma grande fragmentação entre os candidatos alternativos. O objetivo desses partidos seria demarcar território, visando obter bons acordos no segundo turno, aumentar sua bancada, e ampliar o poder de barganha no próximo governo. 

Ciro está numa situação particularmente difícil. Seus insultos a Lula, ao PT, ao PSOL, ao PCdoB, ao MST,  destruíram pontes à esquerda. Os arroubos bolcheviques, prometendo reestatizar tudo que foi privatizado e pôr fim ao teto de gastos (ambas boas ideias, mas expressas com excesso de voluntarismo), além da maneira truculenta com que lidou com a dissidência de Tábata Amaral, frustraram setores liberais.  

Lula, por sua vez, parece até “jogar parado”, mas isso é apenas aparente. O petista tem preferido dar entrevistas a rádios e jornais regionais, ou internacionais, evitando os órgãos tradicionais, com os quais ainda tem relações muito estremecidas.

Essa pesquisa confirma uma tendência já vista em outras, de uma polarização eleitoral classista, com os pobres votando em Lula e os setores mais abastados em Bolsonaro. 

`

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

O Demolidor

24 de setembro de 2021 às 08h02

Tá aí um cirista que não lê o cafezinho….

Responder

PAULO

23 de setembro de 2021 às 14h31

inflar Lula para desidratar bonsonaro e viabilizar terceira via (PSDB/MBL)

Responder

paulo

23 de setembro de 2021 às 14h29

Até 2022 lula chegará a 3.271.970% KKK

Responder

Alexandre Neres

23 de setembro de 2021 às 13h10

Mais uma análise perspicaz de quem está cada vez mais desvela acuidade ao proceder à leitura do cenário eleitoral. O fino da bossa. Apesar da volatilidade que caracteriza o tema, Miguel está se tornando um virtuose, de modo que suas pinceladas cirúrgicas contribuem para desanuviar os pontos obscuros e para aclarar as tendências.

Gostaria de ler a crítica do Netho. Deve estar cuspindo marimbondo.

Merece comentário a votação irrisória dos lavajatistas. Traço. É a volta do cipó de aroeira. O povo sempre manda o recado, conquanto não raro não seja captado pelos supostos detentores dos argumentos racionais.

Responder

Francisco*

23 de setembro de 2021 às 12h20

Explicando a Pesquisa:

“A desgraça de quem conta a primeira mentira é que passa o resto da vida mentindo para justificar a primeira. E eles construíram a mentira do Dallagnol, do PowePoint. O Moro construía a mentira do contexto. Com base nisso, nada valia” (Lula)

(UOL – Sakamoto – hoje) – A Lava Jato e sua prisão mudaram sua visão sobre a vulnerabilidade do Brasil a interferências estrangeiras?

(Lula) – “Não mudou. O mais grave na Lava Jato são alguns funcionários públicos brasileiros com poder de autoridade se submeterem aos interesses estrangeiros, e atuarem, fora da lei nacional inclusive, sem pensar nos danos que iam causar.

Funcionários públicos com emprego garantido não se importarem em quebrar empresas destruindo milhões de empregos, em nome de uma luta política que acabou corrompendo o próprio combate à corrupção.

No final a lava jato fechou ACORDO COM OS EMPRESÁRIOS CORRUPTOS, DESTRUIU MILHÕES DE EMPREGOS DE PESSOAS HONESTAS E LEVOU BOLSONARO AO PODER.”

Responder

Querlon

23 de setembro de 2021 às 09h41

Ganharia…kkkk

Responder

Gilmar Tranquilão

23 de setembro de 2021 às 09h06

O GADO PIRAA!!! kkkkkkkk

Responder

Stalingrado

23 de setembro de 2021 às 07h47

Lula Magno voltando para fazer os brasileiros felizes de novo!

Responder

Josue Neto

23 de setembro de 2021 às 06h15

Moguel, quando foi mesmo que Ciro agiu com truculência em relação à Tabata? É uma acusação grave.

Responder

Deixe um comentário para Stalingrado

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?