Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Pesquisa Ipec joga mais terra sobre o túmulo da terceira via

Por Miguel do Rosário

24 de setembro de 2021 : 15h37

A última pesquisa IPEC mostrou que os caminhos da terceira via estão ainda mais estreitos do que se pensava.

Se ela já estava com um pé na cova, hoje o corpo inteiro parece estar dentro do buraco, recebendo substanciais quantidade de terra a cada novo levantamento.

E não são apenas as pesquisas que dificultam a sua vida.

Se o bolsonarismo organiza uma manifestação popular e mostra força, como se viu no dia 7 de setembro, isso é mais uma pá de terra na cova da terceira via.

Se a esquerda faz uma manifestação bem sucedida, e se observa a hegemonia do lulopetismo nas ruas, isso é outra pá de terra na cova da terceira via.

E quando a própria terceira via ocupa as ruas, como vimos no dia 12, a sua debilidade fica tão evidente que é… mais terra na cova da terceira via.

A terceira via está sendo enterrada viva.

Vamos analisar porque ela enfrenta tantas dificuldades.

Os setores dispostos a quebrar a polarização tem hoje dois nomes pontuando nas pesquisas, Ciro e Doria.

JOÃO DÓRIA

O governador de São Paulo, João Dória (PSDB), conseguiu a proeza de perder o pouco que tinha. Em junho, Doria pontuava 5% na pesquisa estimulada do Ipec.

Hoje tem apenas 3%, no cenário mais enxuto, com cinco candidatos.

No cenário expandido do Ipec, com dez candidatos (e que começa a aparecer o cenário mais provável), Doria tem 2%.

Na espontânea, Doria tem zero em quatro regiões do país: Nordeste, Norte, Centro-Oeste e Sul. Seus votos parecem se concentrar exclusivamente em São Paulo, o que corresponde aos 2% que ele tem no Sudeste.

No total nacional da pesquisa espontânea, Doria tem 1%.

CIRO GOMES

Ciro Gomes (PDT) oscilou 1 ponto para cima no cenário mais enxuto do Ipec, chegando a 8%.

No cenário expandido, ficou com 6%.

Apesar de não ter caído, a pontuação de Ciro ainda é muito baixa. Na pesquisa espontânea, tem apenas 2%.

Sob alguns aspectos políticos e partidários, a candidatura de Ciro encontra ainda mais dificuldades do que a de João Dória ou de outro candidato filiado a um partido conservador.

Explico.

Existem, grosso modo, dois grandes pólos políticos no Brasil, como de resto em qualquer lugar do mundo, desde tempos imemoriais.

É uma polarização que não nasceu no Brasil recente, mas existe desde que a política foi inventada, há dezenas de milhares de anos.

De um lado, as forças políticas ligadas ao mundo do trabalho.

De outro, aquelas vinculadas ao capital.

Lula é o representante do mundo do trabalho. Alguns tentam pintar Lula como “liberal”, ou “amigo dos banqueiros”, por causa das generosas concessões feitas pelos governos petistas ao sistema financeiro.

O próprio Ciro tem procurado emplacar a narrativa de que nem Lula nem o PT sejam de “esquerda”.

Isso é pueril.

Na percepção hegemônica da política brasileira, Lula é visto como representante do trabalho. Por isso tem apoio da maioria dos sindicatos, movimentos sociais e intelectuais progressistas.

As pesquisas reforçam a imagem de Lula como representante dos setores mais vulneráveis da população.

Na espontânea do Ipec, a votação de Lula entre eleitores com renda familiar até 1 salário é de 46%, contra 14% de Bolsonaro e 0% de Ciro.

A outra vaga da polarização, a de representante do capital, está hoje ocupada por Jair Bolsonaro, como igualmente sinalizam as pesquisas: segundo os números espontâneos do Ipec, o atual presidente lidera entre famílias com renda acima de 5 salários.

Pela lógica da política nacional, um candidato com pretensões de tirar Bolsonaro do segundo turno precisaria se converter igualmente em representante do capital.

Esse papel seria representado com muito mais facilidade por um candidato vinculado a um projeto explicitamente liberal-conservador, como Doria, Moro, Leite, Mandetta, Tebet ou Alessandro Vieira, do que por Ciro Gomes.

Quando Ciro usa uma abordagem antiliberal para atacar o projeto petista, ele pode até chamar a atenção de um eleitor mais culto da cidade grande (as pesquisas mostram que Ciro tem sua melhor pontuação entre eleitores com ensino superior), mas ao mesmo tempo perde pontos junto às forças liberais-conservadoras.

Tanto isso é verdade que o debate sobre união da terceira via parece ter sido completamente esquecido. Em entrevista recente, o presidente nacional do PSD, Gilberto Kasssab, resumiu como agirão os partidos interessados na terceira via: “será cada um por si”. E foi esquecido porque os dois pólos, Ciro de um lado, e Doria de outro, são absolutamente inconciliáveis.

As circunstâncias geram ainda outra dificuldade para a terceira via: como a vaga a ser ocupada é a do representante do capital, os candidatos precisam focar seus ataques exclusivamente na personalidade de Jair Bolsonaro, e menos em seu projeto econômico.

No caso de João Doria, ou de outro candidato conservador, o seu projeto econômico é o mesmo de Bolsonaro. Isso ajuda, por um lado, porque é um projeto que pode agradar as forças políticas que hoje apoiam Bolsonaro. No caso de Bolsonaro sumir do mapa, essas forças migrariam automaticamente para uma candidatura com o mesmo projeto.

Mas isso gera confusão na cabeça do eleitor: o PSDB é governista ou oposição? Essa ambiguidade enfraquece Doria, e explica o seu desempenho absolutamente pífio e pouco promissor nas pesquisas.

Ciro Gomes, por sua vez, tem um projeto radicalmente diferente de Bolsonaro, mas ambiciona o mesmo eleitorado. A conta não fecha.

Se Ciro quer roubar o eleitorado de Bolsonaro, precisaria atender a demanda política dos… eleitores de Bolsonaro, que são conservadores nos costumes e liberais na economia.

Sem a marca sedutora de “liberal-conservador”, a campanha de Ciro encontra dificuldade para atrair o eleitorado de Bolsonaro. Sem querer “espantar” esse eleitorado, sua campanha tende a evitar um ataque mais agressivo, direto, ao projeto econômico do governo. Daí seus vídeos esotéricos, fora da política, abordando a história da Guerra de Canudos e importância da… religião.

Essa situação explica o foco de Ciro no discurso moralista, contra Lula e Bolsonaro.

Isso também gera confusão na cabeça do eleitor, e igualmente explica o baixo desempenho do candidato nas pesquisas.

Além disso, e isso é o mais irônico, Ciro tem ajudado Lula.

Quando Ciro “acusa” Lula de ser, no fundo, um liberal, como se isso fosse um xingamento, ele afasta de si essas forças liberais, além de ajudar o ex-presidente a reduzir sua rejeição junto ao eleitorado… liberal, que é justamente o setor que Lula precisa atrair para si, para aumentar o isolamento de Bolsonaro.

Quando Ciro tenta atacar o projeto econômico de Paulo Guedes, ele perde eleitores e partidos liberais, cuja parcela menos conservadora então prefere  migrar para… Lula.

Outra ajuda de Ciro à campanha de Lula é que ele construiu uma espécie de “cinturão cirista” ao redor das candidaturas principais, bloqueando a entrada de concorrentes que poderiam oferecer mais perigo.

Em tese, um candidato de centro-direita um pouco mais educado poderia receber um monte de apoios e votos de setores liberais-conservadores frustrados com a truculência e pouca disposição ao trabalho de Bolsonaro.

Mas esse candidato precisaria exibir uma pontuação mínima nas pesquisas, penetrar no nordeste, e herdar igualmente o voto de progressistas insatisfeitos com o PT. A presença de Ciro, no entanto, congestiona esse espaço. Entre um Doria e um Ciro, o progressista insatisfeito com o PT sempre vai preferir Ciro, e isso dificulta o crescimento de qualquer candidato alternativo mais à direita. Além disso, Ciro tem uma pontuação razoável no Ceará, que lhe dá os pontos no Nordeste que outros candidatos da terceira via não tem.

CONCLUSÃO

A única chance da terceira via, conforme tem admitido o próprio Ciro em entrevistas recentes, seria a eliminação de Jair Bolsonaro do segundo turno.

Essa possiblidade, todavia, ficou mais distante. As últimas pesquisas mostram a recuperação de Bolsonaro em setores sociais estratégicos.

Segundo o Datafolha, Bolsonaro tem hoje 41% entre eleitores com renda média de 5 a 10 salários, e 43% entre aqueles com renda acima de 10 salários. O presidente subiu 11 pontos no primeiro grupo, e quase 20 pontos no segundo.

Na pesquisa espontânea do Ipec, Bolsonaro cresceu de 30% (junho) para 38% (setembro) entre eleitores com renda acima de 5 salários.

A classe média é um setor “estratégico” por razões óbvias: é um eleitorado com maior poder de comunicação e mobilização.

Classe média enche rua e domina as redes sociais.

O sucesso das manifestações bolsonaristas no 7 de setembro, que reuniu cerca de 125 mil pessoas na Paulista, segundo cálculo da PM de São Paulo, é outro fator que afasta a possibilidade da candidatura Bolsonaro esvaziar e ficar fora do segundo turno.

Outro importante obstáculo a uma candidatura alternativa é que, em todas as simulações de segundo turno feitas até aqui, o ex-presidente Lula vence os candidatos da terceira via com vantagem numérica ainda maior do que a registrada contra Bolsonaro.

A explicação para isso seria que o bolsonarismo conseguiu se enraizar nas camadas populares. Bolsonaro não é páreo para Lula entre famílias de baixa renda, mas vai muito melhor do que os candidatos alternativos.

Entre eleitores com renda familiar até 1 salário, por exemplo, todos os nomes da terceira via pontuam zero.

Temos ainda o fator tempo.

O primeiro turno das eleições de 2022 será realizado no dia 2 de outubro, ou seja, daqui a exatamente 12 meses.

Há tempo hábil para se construir uma candidatura alternativa?

Como ocorreu em eleições anteriores?

Fiz uma tabela para comparar as intenções de voto de candidatos “alternativos” um ano antes das eleições presidenciais.

Em setembro de 2017, um ano antes das eleições de 2018, Bolsonaro era a “terceira via”, ou seja, um candidato alternativo entre a polarização PT x PSDB que caracterizou os embates presidencias desde pelo menos 1994.

Qual era então a força de Bolsonaro?

Segundo pesquisa Datafolha de setembro de 2017, Bolsonaro tinha 9% de votos espontâneos, mas uma observação mais detalhada podia antever o potencial do candidato. Entre homens, Bolsonaro tinha 14% de espontânea. Na região Norte, Bolsonaro tinha 19%, no Centro Oeste 12%, no Sudeste 11%. Nas regiões Sul e Nordeste, Bolsonaro tinha 5%. Entre eleitores com renda familiar de 5 a 10 salários, Bolsonaro já pontuava 18%, e chegava a 20% entre aqueles com mais de 10 salários. Era o campeão da classe média.

Nas eleições presidenciais de 2014, a terceira via era Marina Silva. Numa pesquisa Datafolha de outubro de 2013, a ex-ministra aparecia com 4% dos votos espontâneos, mas se destacava em alguns segmentos: tinha 5% entre homens, 10% entre eleitores com ensino superior e 10% entre eleitores de classe média.

Ciro Gomes, por sua vez, a um ano da eleição de 2022, tem hoje apenas 2% na espontânea, sem se destacar em nenhum segmento.

Por fim, um outro fator merece ser analisado: o percentual de eleitores indecisos a um ano antes das eleições.

Vamos continuar comparando percentuais da pesquisa espontânea – que é aquela onde o entrevistador não dá os nomes dos candidatos.

Em outubro de 2013, um ano antes das eleições de 2014, o total de indecisos, segundo o Datafolha, era de 53%. Em setembro de 2017, um ano antes do pleito de 2018, o número total de indecisos era de 48%.

Hoje, faltando um ano para as eleições de 2022, o percentual de indecisos é de apenas 22%.

O baixo número de indecisos tem várias explicações, mas todas as elas convergem para uma conclusão comum: o eleitor brasileiro já começou a consolidar sua opinião para 2022. Os candidatos disponíveis são todos muito conhecidos, e absorvem quase que integralmente a atenção política dos eleitores.

Naturalmente seria muito mais fácil, para uma candidatura alternativa disposta a quebrar uma determinada polarização, convencer o eleitor indeciso. Se há poucos indecisos, porém, a campanha alternativa terá que mudar um voto já consolidado. Ou seja, Ciro ou Doria terão que “roubar” votos de Lula ou Bolsonaro, dois candidatos extremamente fortes em seus respectivos campos ideológicos.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marco Vitis

26 de setembro de 2021 às 13h15

Um brasileiro cujo nome próprio é uma homenagem ao colonizador yankee, tem a arrogância de caluniar um político brasileiro honesto chamando-o de “coronel”. A subserviência é deplorável.

Responder

Batista

26 de setembro de 2021 às 10h53

No desvario em que se perderam, insanos, nefelibatas e sonhadores de todas as rezas, times e calibres políticos, à moda, continuam a sonhar virtualmente e em paralelo com a terceira lua, amanhã, sem darem-se conta estarem rumo a via do fundo do mar, hoje.

Muito triste, porém não se pode negar que também muito divertido, lamentavelmente, em tempo que a lógica, a realidade e a razão perdem o sentido para esses, como se fosse razoável e possível, sem sentido, não tê-las.

Enquanto no Cafezinho devoto contumaz de Ciro Kid, adverte:
“Quero ver a cara desses “analistas” quando iniciar os debates entre os candidatos e o povo ter sua percepção alterada”.

Outro devoto, surtando ora na realidade, ora, como agora, na paralela, incorpora uma hiena rápida para satisfazer-se e solta:
“Ok cafezinho, todos vão renunciar as candidaturas, só vai ficar o Lula rsrsrs”

E para fechar a quadradura do círculo do tratado dos ‘cegos’ que enxergam, chega o inconsolável sebastianista viúvo e manda a indefectível ‘marrecada in love’, tardia:
“Só Moro pode reverter esse triste quadro, de disputa entre dois incapazes. Se terá coragem ou não, é outra história…”

Que nada, é a mesma história de sempre em que, pelo mesmo jeito, à moda Ricupero, o primeiro avestruz, convenientemente esquece dos ‘intensos debates ocorridos entre os candidatos e o candidato eleito em 2018’, principalmente no segundo turno, com o ‘esforço inestimável e democrata’ da mídia dominante para que ocorressem e insiste em não enxergar que o santo de devoção é, inacreditavelmente, candidato a candidato da terceira via, como se crível pudesse ser escolhido à via que a golpista classe dominante inventou, tentando consertar a cagada de 2018, para tirar do caminho o ‘tragédia anunciada’ por eles eleito e que, como paga, ‘surrupiou-lhes’ substancial naco da direita até então única, sobretudo à extrema, dividindo-os, e o terceiro avestruz, pela undécima vez e hora, tenta baixar o ex intocável marreco, mostrando não ter aceito ainda o passamento do desmascarado, revelado como ‘Russo’, comprovado chefão da ‘máfia lavajateira’.

Responder

Marco Vitis

25 de setembro de 2021 às 12h13

Não merece crédito o analista político que procura CRISTALIZAR uma conjuntura política como inevitável (o determinismo marxista foi enterrado pelo próprio Karl Marx). Ulisses Guimarães dizia que a Política é como as nuvens no céu. Você olha e está de um jeito. Num momento seguinte, está de outro jeito. Quero ver a cara desses “analistas” quando iniciar os debates entre os candidatos e o povo ter sua percepção alterada

Responder

John Jahnes

25 de setembro de 2021 às 11h52

Quem e o que é Ciro Gomes?
Um político do nordeste que hoje representa o coronelismo politico.
Ele não é da Esquerda, nem do Centro nem da Direita.
PELO QUE ELE SEMPRE DIZ E EM CADA ENTREVISTA MOSTRA UM DE SEUS VÁRIOS LADOS,
ELE É UM ESQUERDISTA DA CENTRO DIREITA.
ALGUÉM PODE COPNFIAR EM UM POLÍTICO ASSIM?

Responder

Alan C

25 de setembro de 2021 às 08h12

Ok cafezinho, todos vão renunciar as candidaturas, só vai ficar o Lula rsrsrs

Responder

Paulo

24 de setembro de 2021 às 22h53

Só Moro pode reverter esse triste quadro, de disputa entre dois incapazes. Se terá coragem ou não, é outra história…

Responder

dcruz

24 de setembro de 2021 às 22h24

Essa babaquice de terceira via, vai acabar dando chance ao bozo de entrar novamente pela primeira via e nós ficarmos como sempre com a velha pergunta: “onde foi que erramos:”

Responder

Tiago Silva

24 de setembro de 2021 às 19h30

Kkkk e por último apenas uma anedota… Como sei que o ex-Marketeiro do PT (João Santana) ganha muito e muito mais ainda na época de eleição…. Não seria nada mal contratarem o Miguel do Rosário e até alguns comentadores daqui do blog (que eu me incluo) para repartir melhor esse pão e até para dar mais rumo para o PDT que ainda parece que ainda é guiado por Biruta de Aeroporto!!! Kkkk

Responder

Tiago Silva

24 de setembro de 2021 às 19h26

Parabéns pelo esforço de análise, Miguel!

Até 2020 eu discordava de suas análise sobre a conjuntura eleitoral de cada momento de então, mas parece que estamos em maior concordância após 2021!!! Kkkkk

Concordo que estamos ainda mais polarizados, como ocorreu em 1989, 2002, 2014 e 2018…

Porém com algumas nuances diferentes. Enquanto nos anos passados era algo que polarizava Norte (N e NE) e Sul (SE, S, CO)… Hoje parece que estamos em uma polarização geográfica Leste (Litoral e metrópoles) x Oeste (ou Faroeste que ouve sertanejo e o Agro é pop kkk).

Se havia uma polarização mais intensa entre Pobres x Ricos…. Desde 2014, a polarização é maior entre Trabalho x Capital (principalmente pela muito maior radicalização do Capital e a penetração de igrejas neopetencostais em camadas humildes que incutem o Empreendedorismo a qualquer custo, pois lucram com o Estado Mínimo onde eles penetram). Alías, falei disso em um comentário anterior e pelo visto também concordou com minha opinião.

Já a classe média que se radicalizou nesse processo de radicalização do capital (principalmente pq a classe média tem como base uma decisão atualmente mais financeirizadas pelos empresários e profissionais liberais terem seus ganhos muito em proveniente dessa seara que foi alavancada em muito após o Golpe)…

Além de outras nuances culturais que modificaram após 2014… mas parece que estão retroagindo (mas sobre esse assunto é difícil discorrer aqui, talvez em uma mesa de bar após a pandemia)…

Porém, vc não incluiu três hipóteses bem factíveis:

1) Haver outro golpe (que hoje não tem muita força pela divisão do PSDB, DEM e Centrão em relação ao Bolsonarismo, mas que o movimento de expurgo dos bolsonaristas da fusão do DEM/PSL e retomada de força do PSDB podem conduzir a um outro Golpe para excluir tanto Lula como até Bolsonaro se acharem que não poderiam controlar o Bozo/Guedes)

2) A outra hipótese é aparecimento de um Bolsonarista mais Bolsonarista (leia-se mais Neoliberal e mais Neonazifascista) que Bolsonaro… E se foi tentado através de Gentilli, Datena e, principalmente, Moro que pode querer ser outro Mito ao não ir a nenhum debate, mas ter votos a partir do que o PIG pinta dele (apesar de o ex-juiz também saber que não pode aparecer muito devido às suas desqualificações culturais e da ganância de sua “Conja”)

3) Aparecimento de um candidato com simbologismo para superar esses tempos de guerra para tempos de paz… E tentam fazer isso com Eduardo Leite para ser uma repaginação do golpismo do PSDB, mas essa hipótese teria muito mais força através de Luiza Trajano que representaria ao mesmo tempo a onda de valorização da mulher, identitarismo, além de estar no altar dos financistas… Porém essa hipótese acho ainda mais remota devido ao receito de Magalu sair das sombras para demonstrar como conseguiu ser bilionária ou ainda receio de perder parte desses milhões ao politizar sua atividade mercantil que lhe gera lucros (e o sr. da Havan é um exemplo que ela não quer, apesar de ter aspirações políticas).

Sobre o Ciro, já falei que ele não cansa em cometer tantos erros para quem se diz inteligente… e muitos desses erros ainda assessorado com o ex-Marketeiro do PT (João Santana, que não custa barato). E o pior dos erros, além de ter perdido sua janela de opoertunidade em 2018, foi a de querer surfar num antipetismo, mas ser a quinquagésima opção para antipetistas (apenas radicaliza e fanatiza sua bolha de estudantes ou recém formados em faculdades particulares de sapatênis). Porém, assim como o Bozo, essa fanatização/radicalização faz com que ele mantenha seu percentual histórico, mas não avance nem para a esquerda e nem para a direita, muito menos no povão que já pode desconfiar que ele utiliza da mesma linguagem que construiu o Bozo e não quer outro Bozo, mesmo que de esquerda.

Lula tende a cair perto das eleições, pois a ofensiva de antipetismo nas redes sociais e no PIG devem se acentuar em muito, mas se não sofrer outro Golpe ou nenhum erro absurdo… tem um lugar no segundo turno por ser maior que o PT, mas também tem que entender que ele mais precisa é do PT (e de seus economistas e intelectuais) para lhe dar um programa coletivo e solidário para que a população solidifique sobre a retomada social democrata de bem estar social (que deveria estar mais consolifcada para não ser tão facilmente desmoronada em tão poucos anos – daí fazer reformas solidárias previdenciárias, reformas solidárias tributária, reformas solidárias de educação/saúde, etc até para não criar novamente o público que iria lhe derrubar como aconteceu com a maioira dos formados em faculdades particulares pelo Prouni e na lógica da dívida se radicalizaram em favor das elites).

E, por fim, acho que o jogo está sendo jogado para os que querem entrar em campo, mas só se terá uma maior nitidez após o carnaval de 2022 ou após outro golpe/fakeada.

Responder

José Carlos

24 de setembro de 2021 às 19h14

Caro Miguel. Uma observação: Dória encontra dificuldades no próprio PSDB. O site Poder 360 apontou que o Diretório do PSDB do Paraná fechou com Leite, que já tem o apoio de Aécio Neves.
Lauro Jardim informou que o Diretório de Alagoas vai com Eduardo Leite.

Responder

José Carlos

24 de setembro de 2021 às 19h10

Caro Miguel. Uma observação: Dória começa encontrar dificuldades no próprio PSDB. Analistas apontam que Leite teria mais condições de unir o partido. Aécio apóia Leite e segundo o site Poder 360, o PSDB do Paraná fechou com Leite. Lauro Jardim também aponta que o Diretório de Alagoas fechou com Leite.

Responder

Alexandre Neres

24 de setembro de 2021 às 18h04

Artigo irretocável!

Eu sempre desconfiei que a tchurma da terceira via está infestada de quinta-coluna.

Exceto os ciristas raiz, o restante é formado por liberais–conservadores de cunho moralista.

Vão acabar marchando unidos com o mitômano de mãos dadas, em nome de Deus e da família, tentando ressuscitar Sergio Morto.

Responder

Deixe um comentário para Batista

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?