Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Foto: Bruno Todeschini / Agencia RBS

Ciro critica pacote de “bondades” aprovada às vésperas da eleição

Por Redação

02 de julho de 2022 : 14h44

O ex-ministro e pré-candidato do PDT a presidência, Ciro Gomes, criticou a PEC que destina R$41 bilhões para alavancar programas sociais às vésperas das eleições presidenciais.

Para o pedetista, a chamada PEC kamikaze trata-se de um “estelionato eleitoral gravíssimo” e disse que o STF precisa tornar a medida inconstitucional. A declaração foi dada neste sábado, 2, durante sua participação nas comemorações do Dia da Independência da Bahia.

“É uma emenda que permite a população acreditar que vai ser salva por um socorro, mas que só vale até dezembro. O que significa um estelionato eleitoral gravíssimo e uma violação da própria Constituição que não pode ser emendada com tal vileza. Espero que o STF ponha um reparo a este absurdo“.

Vale lembrar que além de Ciro, também participam das comemorações o ex-presidente Lula, Jair Bolsonaro e a pré-candidata a presidência, Simone Tebet (MDB).

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

05 de julho de 2022 às 00h10

Só mesmo um rematado imbecil para tentar estabelecer termos de comparação entre o grande jornalista Janio de Freitas e a imprensa dita profissional.

A oposição desde a PEC dos Precatórios e daí por diante tem votado junto com o desgoverno, adulterando a Constituição Federal e avalizando um tal estado de emergência, medidas absurdas impostas goela abaixo pelo trator Lira com vistas a ressuscitar defunto à custa do próximo governo eleito, as quais não só interferem no jogo eleitoral como podem vir a beneficiar Bolsonero, além de caracterizar um atraso irreversível por essas plagas ao se permitir a volta de tal prática arcaica, enquanto nobres deputados e senadores da esquerda ganham polpudas verbas do orçamento secreto, óbvio que não comparáveis às dos Lira, dos Nogueira e que tais.

Ingênuo, eu?

Responder

Marcus

04 de julho de 2022 às 13h40

A imprensa ficou “de cara” com a oposição por esta não ter deitado na cama de gato que o bozo armou. Aprovariam a PEC com ou sem os votos da oposição, mas se tivessem aprovado sem, usariam esse argumento (esquerda é contra os pobres, caminhneiros, etc) para desgastar os adversários. E tem inocente que caia no conto da imprensa bandida!

Responder

Alexandre Neres

03 de julho de 2022 às 13h40

Não adianta Ciro nem Lula criticarem a PEC kamikase.

A postura da oposição e das esquerdas é vexatória no caso em questão e em vários outros ocorridos anteriormente neste desgoverno, que vem promovendo uma gastança desenfreada para a bomba estourar no próximo governo e até alterando a Constituição para tanto, com medidas eleitoreiras e inconstitucionais.

Fico com as palavras do decano Janio de Freitas, exímio jornalista: “É injustificável e vergonhoso que a oposição, incluída a chamada esquerda, tenha votado e vote outra vez a favor desse golpe parlamentar-eleitoral, que cria até o perigoso estado de emergência. A alegação oposicionista, de que não poderia opor-se aos auxílios sociais infiltrados nessa mudança constitucional, é oportunista ou, em eventual sinceridade, obtusa. A mistura ardilosa e má-fé são explícitas”.

Responder

Deixe um comentário para Alexandre Neres