Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Foto: Divulgação

Ciro Gomes, o general do front

Por Gabriel Barbosa

18 de julho de 2022 : 16h44

Há de se passar um tempo, até alguém puxar o debate que o erro na estratégia do PDT na escolha do nome do partido para a disputa ao Governo do Ceará foi a presença do general na linha de frente da batalha. Por certo, os quatro nomes pedetistas – Izolda Cela, Roberto Cláudio, Evandro Leitão e Mauro Filho – nunca teriam formado batalhões se o general Ciro Gomes não tivesse ido para o front e defendido o nome de Roberto Cláudio.

Cabe a um general se posicionar na linha de tiro quando bombas já tiverem estourado, munições praticamente se exaurido e mortos e feridos puderem ser contados.

É o caso da oportuna entrada do general Cid Gomes, que, infelizmente, encontra em ferimento o general Ciro Gomes, atingido por um processo até então desconhecido a qualquer líder e estrategista.

Também há baixas nos batalhões, que sequer deveriam ter sido formados.

Difícil convencer aos componentes das tropas que agora todos são aliados, que sempre foram aliados. Que as baixas e suas dores fazem parte de um… sei lá!.. fortalecimento da aliança.

Difícil, ainda, conter as guerrilhas internas que se estenderão ao longo da grande e única batalha verdadeiramente a ser combatida.

Talvez, nesse “há de se passar um tempo”, ninguém atentará por qual motivo o general Ciro Gomes se colocou no front. Até porque novas batalhas estarão em curso e provavelmente novas patentes terão surgido.

Mas essa discussão poderá evitar a repetição de erros estratégicos gritantes. Como a omissão do prefeito Sarto. Sim, sem reconhecer a importância do cargo de prefeito de Fortaleza e da sua fundamental missão política, diante de 1,8 milhão de eleitores (cerca de 30% do eleitorado do Estado), Sarto jogou Ciro Gomes no front.

Era de Sarto a missão de conduzir ou direcionar o processo das pré-candidaturas, até mesmo com a legitimidade pela defesa do nome de Roberto Cláudio, diante do apoio recebido pelo ex-prefeito de Fortaleza na eleição ao Palácio do Bispo.

Na forma correta, Roberto Cláudio conduziu todo o processo na última eleição em Fortaleza, até ter a sua preferência por Sarto confirmada pelos generais Ciro e Cid Gomes, sem desgaste para as duas maiores lideranças políticas no Ceará.

Tivesse Sarto à frente do atual processo, caberia neste instante a entrada dos dois generais para confirmar a preferência do atual prefeito de Fortaleza. Ou negá-la, novamente sem desgaste para as duas maiores lideranças políticas no Ceará.

Luiz Cláudio Ferreira Barbosa é sociólogo e gerente-executivo da Consultoria LCFB

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Pós-graduando em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Roan

20 de julho de 2022 às 05h38

O ex-prefeito Roberto Cláudio teve dois mandatos consecutivos de prefeito em Fortaleza por conta de sua boa gestão. O seu nome aparecia na frente do opositor Capitão Wagner, enquanto o de Izolda ficava cerca de 20 pontos abaixo. Erro seria colocar Izolda para perder a eleição, para um apoiador de Bolsonaro, só por conta de mais um capricho do PT que queria ela.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina