Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Agnelo, Orlando e as prisões em Rondônia

Por Miguel do Rosário

19 de novembro de 2011 : 12h36

A hierarquia das notícias num jornal é sempre reveladora. A página principal do caderno de política do Globo deste sábado dedica-se à decisão do ministro Asfor Rocha, do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), de determinar a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Agnelo Queiroz e Orlando Silva, ambos ex-ministros do Esporte.

Era uma medida esperada, pois se trata de um padrão nesse tipo de inquérito, proposto pelo Ministério Público Federal. Orlando Silva já havia, desde o início de seu martírio, posto seus sigilos à disposição da Justiça, então acredito que ele não deve ter receio de que seja encontrado alguma movimentação ilícita em sua conta. Agnelo também apoiou a quebra de seu próprio sigilo e avisou que não recorrerá da decisão do tribunal.

De qualquer forma, tanto Orlando quanto Agnelo, mesmo que tenham culpa no cartório, provavelmente não seriam tão idiotas a ponto de operarem dinheiro sujo a partir de suas próprias contas.

O que achei curioso é que essa medida, algo padrão e que não oferece emoção ou novidade nenhuma ao leitor, ocupe um espaço tão grande no jornal, enquanto a prisão do chefe da Assembléia Legislativa de Rondônia se restrinja a quase uma nota ao pé de página, sem fotos, sem históricos dos personagens, sem desdobramentos editoriais. Trata-se aqui de um verdadeiro e autêntico escândalo de corrupção, onde a PF recolheu, por bom período, provas documentais, gravações, vídeos, escutas telefônicas, enfim tem elementos concretos para prender e pedir a condenação dos acusados.

Pondo de lado as escolhas midiáticas, o caso em Rondônia pode ser lido de duas maneiras:

  • Revela a podridão do sistema político brasileiro, onde constantemente vemos as autoridades máximas de estados e municípios envolvidas diretamente com o crime organizado e esquemas milionários de desvios.
  • O próprio sistema está criando anticorpos contra a doença da corrupção. O primeiro anticorpo, naturalmente, é o voto, mas temos também instituições de controle e investigação bastante eficazes, como os tribunais de conta, o Ministério Público, e a Polícia Federal.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Lucia

19 de novembro de 2011 às 19h08

E mais Miguel, a operação de Rondônia é num governo do PSDB (governador) e PTB o presidente da ALERO, portanto, jamais sairia uma noticia como a de Orlando e Agnelo, afinal está começando a aparecer os podres do PSDB de SP, juntando duas noticias sobre o PSDB, como ficaria o discurso de serem contra a corrupção. Assim o povão iam dizer falam do PT, mais no governo deles também são presos por corrupção e o discurso dos caciques do PSDB cairia no vazio. E isso não pode, pois é a unica bandeira do partido.

Responder

Mônica Santos

19 de novembro de 2011 às 13h05

Pois é Miguel,enquanto Orlando e Agnelo ocupam as manchetes de vários jornais,eis que na Folha o governador de SP aparece em destaque acompanhando uma blitz antiálcool,tudo isso depois da justiça pedir o afastamento do presidente do Metrô de SP e mandar parar as obras.Agora o que eu achei mais ridículo foi o comentarista da Band criticar a decisão da justiça.Será que se a obra fosse do governo Federal o comentarista tb criticaria a juíza?E no Jornal Nacional ao falar sobre o acontecido fizeram questão de falar que a iniciativa da investigação partiu do governo,mas a nota que a secretaria de transportes de SP que foi divulgada pelo jornal em que dizia que iria recorrer da decisão da justiça e que deixaria o presidente do Metrô no cargo e não pararia as obras, acabou deixando o governo em uma saia justa,pois se queriam passar a imagem de que eles mesmo mandam apurar as irregularidades,a nota do governo acabou mostrando que eles são coniventes com a corrupção.

Responder

Deixe um comentário

Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro Janela Partidária 2022: Quem ganhou, quem perdeu? Caro? Gasolina, Gás e Diesel: A atual política de preços da Petrobrás As Maiores Enchentes do Brasil