Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

A apresentação de Mantega na Câmara

Por Miguel do Rosário

24 de novembro de 2011 : 13h53

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, fez uma apresentação ontem, durante audiência pública na Câmara dos Deputados, que nenhum dos maiores jornais noticiou, apesar de trazer números e previsões importantíssimas para a economia brasileira. Fiquei sabendo apenas pelo Valor Econômico.

A Miriam Leitão, em sua coluna, menciona a audiência apenas para trazer um dado negativo mostrado pelo próprio ministro: o aumento do déficit na balança comercial de manufaturados.

Nesse ponto, vale fazer uma crítica aos técnicos da Fazenda. Funcionários públicos às vezes são meio preguiçosos. Antes de concluir que “instabilidade externa e guerra cambial prejudicam indústria brasileira de manufaturados”, deveriam trazer dados sobre a “produção brasileira de manufaturados” no mesmo período dessa tabela.

Sim, porque a tabela do Ministério mostra o aumento nas exportações de manufaturados, mas não no mesmo ritmo do crescimento das importações, o que eleva o déficit. Entretanto, é preciso entender duas coisas:

  • Até onde o aumento das importações tem a função de suprir uma demanda que a indústria brasileira não tem condição de oferecer, incluindo aí uma série de produtos que nunca vamos produzir, como vinhos chilenos, ou não vamos produzir tão cedo, como notebooks made in China?
  • Até onde este aumento vem efetivamente substituir (e com isso, prejudicando) produtos tradicionais de nossa indústria?
Sem termos esta noção, ficaremos eternamente assustados com os déficits comerciais de manufaturados, que ao meu ver não devem cair tão cedo, enquanto o Real estiver valorizado e o brasileiro disposto a experimentar as novidades estrangeiras que encontra nas gôndolas dos supermercados.

Publico abaixo algumas fotografias que tirei da apresentação do Mantega. Tem uns gráficos muito bonitos e ilustrativos, e merecem ser divulgados, até porque foram pagos com dinheiro público:

Observe que a taxa de juros real atingiu um dos menores patamares da história recente brasileira. Se os bancos não cobrassem spreads tão extorsivos, o crédito no Brasil já poderia ser considerado quase decente.

Vendo a quantidade monstruosa de empregos gerados nos últimos anos, eu penso no Lupi. Talvez tenha sido o ministro do Trabalho em cuja gestão mais empregos foram gerados no mundo (tirando China e Índia do páreo, obviamente), mas esse é um detalhe em sua carreira que os colunistas de jornal naturalmente não levam em conta quando analisam a sua competência, né?

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro Janela Partidária 2022: Quem ganhou, quem perdeu? Caro? Gasolina, Gás e Diesel: A atual política de preços da Petrobrás As Maiores Enchentes do Brasil