Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Kassab apanha, mas quem chora é Negromonte

Por Miguel do Rosário

26 de novembro de 2011 : 13h11

Bom dia e desculpe o atraso na análise. Não ouvi o despertador. Ainda estou me acostumando à nova rotina, depois de vinte anos virando noite lendo e assistindo filmes e acordando tarde. Ao trabalho: hoje temos as seguintes capas em nossos queridos jornalões:

A grande notícia do dia é o escândalo Kassab, que finalmente apareceu numa manchete da Folha. Estadão e Globo deram chamadinha na capa e a notícia chegou ao Jornal Nacional. Estranhei apenas o fato da matéria não constar nas páginas políticas principais dos jornais paulistas, que a jogaram para o caderno regional, que são bem menos lidos pelo público nacional. Outra coisa curiosa é a ausência de qualquer menção do caso em editoriais.

De qualquer forma, o episódio poderá provocar uma reviravolta na correlação de forças em São Paulo, que vive atualmente uma movimentação febril dos quadros políticos interessados em assumir a prefeitura da maior cidade do Brasil. Quer dizer, isso caso o prefeito não consiga se explicar satisfatoriamente.

José Serra é novamente o grande derrotado, pois havia dito, na véspera de estourar o escândalo Kassab, que o PSDB deveria desistir de lançar candidato próprio e apoiar o nome indidado pelo atual prefeito.

Ainda nesta sexta-feira, o Jornal Nacional repetiu, com um pouco mais de tempero, o bloco já exibido na quinta-feira, sobre a suposta fraude ocorrida no Ministério das Cidades, que alterou um projeto de construção de uma linha rápida de ônibus para um de trem de superfício tipo VLT. O tempero a mais foi o questionamento feito pela Controladoria Geral da União (CGU).

O CGU é um órgão de fiscalização e controle fundamental para o Estado. Mas não devemos confundir as coisas. Uma coisa é o CGU identificar um desvio de verba e exigir que o governo tome as devidas providências. Outra coisa é o CGU pretender assumir o lugar do Executivo e ditar que obras ou que tipo de obra o governo deve fazer. Se o governo do Mato Grosso, o Ministério das Cidades e o Ministério do Planejamento entenderem que é melhor dar à Cuiabá um moderno trem de superfície do que implantar mais uma convencional linha rápida de ônibus, então que seja feito o trem! O CGU pode questionar o quanto quiser, pois o projeto pode ter sido de fato intempestivo, mas o CGU não entende de transporte urbano, não entende de prazo de obras, nem é o CGU que vai assumir o ônus político de entregar ao povo matogrossensse uma porcaria de linha rápida de ônibus! O Globo comete a astúcia de publicar uma notinha editorial, à página 16, dizendo que o Ministério trocou um “sistema de transporte mais barato (BRT) por um bem mais caro (VLT)”. Se O Globo entende que a solução em transporte urbano para as cidades brasileiras é adotar o sistema mais barato, entao voltemos às mulas!

Ainda neste assunto, uma outra notícia ganhou destaque: a choradeira do ministro das Cidades, Mario Negromonte, num evento em Salvador, que rendeu a manchete do Estadão e ganhou destaque em todos os jornais impressos. A reação do ministro foi lamentável, e as suas declarações, reclamando de preconceito contra mulher e nordestino, soaram apenas como uma tentativa esperta de se passar por coitado. Pegou muito mal. Quem deveria chorar é o Kassab, não o Negromonte!

Mas a situação de Negromonte é estável. Segundo O Globo, Gilberto Carvalho ligou para o ministro e tranquilizou-o, dizendo que a presidente conhece muito bem os trâmites burocráticos para se aprovar ou não uma obra e sabe que não houve nada de errado. Houve um parecer técnico ruim (e que interessava obviamente às empresas de ônibus), que não agradou a ninguém, a começar pelo governador do Mato Grosso, que é quem vai bancar 70% da obra, então o documento foi substituído, e o povo de Cuiabá, se Deus quiser, irá ganhar um dos primeiros projetos de trem de superfície em cidades brasileiras!

Ah, temos ainda um último ataque à Carlos Lupi, acusando-o de ter sido funcionário fantasma da Câmara por quase seis anos. Besteira, a meu ver. Lupi trabalhou para a liderança do PDT na Câmara. Sua função era política, e não ficar servindo cafezinho no Congresso, como parece ser o que a Folha, que lançou o ataque, acha que era o que ele deveria fazer. Tanto não era fantasma que se tornou presidente do partido logo depois e, em seguida, ministro de Estado.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Elson

27 de novembro de 2011 às 08h18

Já no caso do Lupi tem coisa pior acontecendo em Brasilia , Tem senador mineiro que é flagrado na balada carioca em pleno dia útil e a imprensa coloca a noticia nas colunas sociais , será que o Rio de Janeiro elegeu um 4° senador e nós não sabemos disso ?

Responder

Elson

27 de novembro de 2011 às 08h16

O escandalo do Kassab só foi parar no jornal nacional e nas capas dos jornalões porquê seu padrinho político e mentor não possui mais nenhum poder além é claro do seu estoque de dossies .Pois se a imagem de Kassab for arruinada e seu candidato for derrotado nas eleições do ano que vem , o sonho do Serra disputar a presidencia em 2014 vai por água abaixo ( aliás já foi ) . Além é claro que isso pode ser o troco de Alkmim a Serra por ter sido abandonado nas eleições municipais passadas . Quanto a suposta corrupção no Ministério das Cidades , isso não passa de escandalizar coisas que ainda não aconteceram , a CGU apontou os erros do projeto , cabia então ao Ministério fazer os ajustes necessários ou dar as devidas explicações . E tem de se deixar claro que a opção pelo VLT é do governo matogrossense e não da união , cada governador sabe oque é melhor para seu estado .
.

Responder

_spin

26 de novembro de 2011 às 18h55

Tenho a impressão de que estes ministros não sabem que existe a AGU, Advocacia Geral da União, muito bem aparelhada para averiguar as questões que dizem respeito a legalidade de tais atos da administração pública.
Se bem que, apesar de a AGU ter concentrado o grosso da advocacia publica federal, os Minsitérios ainda tem em seus quadros Procuradores que atuam na área do contencioso administrativo e tudo leva a crer que este parecer foi emitido por um destes Procuradores. Não creito que o Procurador tenha errado em seu parecer, parece ser mesmo perseguição da imprensa que, é claro, está se movmento para, caso o cavalo do golpe passe eles possam montar rapidinho

Responder

baixadacarioca

26 de novembro de 2011 às 15h55

Que coisa!!! Mais um que não sabe se comportar diante da imprensa… As vezes tenho a impressão de que não sabem muito do que acontece nas pastas deles.

Responder

Deixe um comentário