Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Tensão continua grande no Egito, mas democracia avança

Por Miguel do Rosário

08 de dezembro de 2011 : 16h04

Quando se trata de cobertura internacional, a qualidade da mídia brasileira melhora significativamente. O fato de ser pautada pelas grandes agências internacionais é um mal menor, quase inevitável.

Hoje há novidades sobre o Egito. O Estadão publicou um bom gráfico, na edição impressa, sobre o resultado as duas eleições realizadas nas últimas semanas:

Achei também um infográfico interessante no The Guardian:

Ele é interativo no original. Repare nas setinhas ao fundo, em cor cinza: Left (Esquerda); Right (Direita); Secular (secular); e Religious (religiosos). Observe que a maior parte dos candidatos vencedores são de direita e religiosos. Mas há presença de todas as cores ideológicas, incluindo uma boa presença de seculares, à direita, e alguns socialistas, à esquerda.

Pelo que tenho lido, uma parte dos egípcios seculares acabaram dando voto útil à Fraternidade Muçulmana para afastar os radicais salafistas, ultraconservadores religiosos.

A liberdade tão sonhada pelos manifestantes da praça Tahrir cobrou um preço caro. O país poderá viver um retrocesso no campo dos costumes e leis, mas talvez esta seja uma etapa dolorosa e necessária para a consolidação dos valores democráticos no país. Após décadas de ditadura, não haviam grupos políticos democráticos organizados no país; apenas os religiosos possuíam uma estrutura organizacional semelhante a de um partido, que lhes conferiu enorme vantagem no momento da luta eleitoral.

A Fraternidade Muçulmana, a grande vencedora no Egito, é um movimento religioso de cunho moderado, e por suas declarações contra a junta militar, representa uma força progressista democrática neste momento. Segundo um articulista do The Guardian diz que nem tudo está perdido se a Fraternidade demostrar verdadeiro apreço pela democracia.

Entretanto, é fato que Israel assiste aterrorizado à vitória de partidos muçulmanos, e ascenção de grupos radicais, nos países varridos pela Primavera Árabe.

 

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina