Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Investimento estrangeiro produtivo bate recorde em 2011

Por Miguel do Rosário

25 de janeiro de 2012 : 13h47

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

A manchete do Estadão desta quarta-feira é uma proeza da estética urubu. O Banco Central divulgou  ontem à tarde que uma nota com dados sobre as entradas e saídas de recursos em 2011. Nela, constava que os investimento estrangeiro direto (que só contabiliza recursos destinados à produção, excluindo assim o dinheiro especulativo) no Brasil havia atingido us$ 66,7 bilhões, um valor 48% superior aos US$ 45 bilhões que o governo previa no início do ano.


[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

Na verdade, já havia estimativas no mercado que o investimento estrangeiro produtivo iria bater recorde este ano. Ele compensa, de sobra, o pequeno recuo nos investimentos públicos, embora nenhum comentarista econômico tenha jamais mencionado esse argumento.

Não deixa de ser engraçado o esforço do Estadão em esvaziar o valor positivo da notícia, associando, na mesma manchete, o déficit nas contas correntes.

Pior, o Estadão, assim como toda a mídia, tem enfatizado que temos o maior déficit em conta corrente desde 1947. Isso é uma estupidez. Em 1947, os valores eram outros. No miolo da matéria, o jornal cita uma informação do BC que deveria servir para o jornal esquecer, de uma ver por todas, essa comparação idiota com 1947:

Apesar de o rombo em dólares ser novo recorde, o resultado em relação ao PIB segue no nível histórico próximo de 2%, diz o BC. No ano passado, o déficit equivaleu a 2,12% do tamanho da economia, menos que os 2,21% de um ano antes.

Ou seja, o “rombo” nas contas externas caiu em 2011, e ele é vinculado ao tamanho do país. Quanto maior (inclusive em termos de população), maior a demanda por serviços internacionais. Em 1947, tínhamos uma população inferior a 50 milhões, com um percentual de classe média ainda menor. Hoje temos 200 milhões, com uma classe média de mais da metade da população. É claro que os gastos em viagens internacionais serão maiores e, portanto, haverá maior déficit em conta corrente, ora bolas!

 

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário