Live com Miguel do Rosário (convidado especial: Luiz Moreira)

O retorno da múmia

Por Miguel do Rosário

27 de fevereiro de 2012 : 12h41

 

Em se tratando de processos eleitorais internos de seu partido, Serra tem uma preferência algo bizarra por só entrar na luta após humilhar seus correligionários e incendiar suas bases. Foi assim em 2010, é assim agora. Confesso que desta vez cometi um erro crasso como analista político: acreditei em Serra. Depois de ouvir inúmeras declarações peremptórias, até mesmo raivosas, de que não entraria na campanha, que era a sua palavra final, blá blá, eu acreditei que o ex-governador desta vez estava falando sério. Vivendo e aprendendo.

Mesmo assim, não posso esconder meu espanto ao contemplar a violência da decisão. Os pré-candidatos tucanos vinham realizando centenas de atos e reuniões pela cidade, torrando dinheiro do partido ou de seus próprios bolsos, tentando construir consensos mínimos em torno de seus nomes.

E aí, de repente, Serra muda de ideia, e tudo o que os pré-candidatos fizeram, todos os debates de que participaram, tudo vai para o lixo? No dia 23 de fevereiro, o PSDB divulgou até a cédula que seria usada para as prévias, e o partido autorizara o gasto de até R$ 25 mil por candidato. Até esse valor, a verba seria coberta pelo partido. Até o final da campanha interna, cada candidato poderia gastar R$ 100 mil.

Admito que não sou nenhum simpatizante do PSDB, mas continuo adepto da realização de eleições internas em todos os partidos. Fiz inclusive uma dura crítica a Lula, e justamente no auge da comoção nacional causada pela descoberta de seu câncer, por ter ajudado a enterrar as prévias do PT em São Paulo.

O filme de George Clooney, Ides of March, que mostra os sinistros bastidores das eleições para escolha do candidato do partido democrata, me fez ver que  a democracia cobra um custo altíssimo por seus supostos benefícios em prol da liberdade de escolha. A democracia, enquanto sistema de poder, é vulnerável à corrupção e à violência. Mas o processo eleitoral, mesmo com todas as suas conhecidas baixarias, dá visibilidade aos debates e expõe os candidatos às suas próprias contradições. Ruim com prévias, pior sem elas.

O PT deveria ter feito prévias para escolher seu candidato em São Paulo. Lula, com sua força, conseguiria influenciar a militância em prol de Haddad. Por outro lado, pensando bem, o fato de Haddad não pertencer aos principais grupos organizados do PT paulista lhe dificultaria bastante o caminho e decerto foi essa razão para que Lula trabalhasse para a não-realização de prévias. O PSDB não tem sequer essa desculpa, já que todos seus pré-candidatos, incluindo Serra, são figuras profundamente arraigadas na política paulistana.

De maneira geral, contudo, o PT é o partido que mais realiza eleições internas no Brasil. Caberia ao PSDB, principal legenda da oposição, não ficar atrás, e mostrar que o seu zelo pelos valores democráticos, dentre os quais o principal é o poder distribuído aos eleitores, é autêntico, e vale também para o poder partidário. A imagem de partido de caciques pega muito mal para o PSDB, ainda mais porque se harmoniza perfeitamente com a de uma legenda identificada com a elite econômica. O Brasil até hoje lembra com mal estar daquele jantar num restaurante em São Paulo, no ano de 2006, em que quatro ou cinco próceres tucanos decidiram que seu candidato presidencial seria Geraldo Alckmin. Quatro ou cinco pessoas bebendo vinho caro e decidido o destino da república: não é uma imagem exatamente democrática.

O PT também tem algumas manchas neste sentido, já que Dilma foi “ungida” por Lula. Mais uma razão e mais uma oportunidade para o PSDB afirmar sua fé na democracia.

O mínimo que se esperava de Serra seria a delicadeza de se encontrar pessoalmente com cada pré-candidato, pedindo desculpas a cada um deles por sua indecisão, e daí participar das prévias, humildemente, como um bom e disciplinado militante partidário.

Bem, independente dessas críticas, Serra já é – inexoravelmente – o candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo. As prévias serão realizadas apenas para constar. E todos os cálculos políticos deverão ser refeitos. Analistas da mídia já concluíram, com razão, que o grande vencedor deste processo é a racionalidade ideológica e política. Com Serra na disputa, Kassab se alinha a seu criador, e a eleição ganha uma polaridade simples e racional: PSDB X PT, direita X esquerda.

A possibilidade, que vinha se tornando cada vez mais concreta, de Kassab aliar-se ao PT, tornaria a eleição pouco racional. Facilitaria, em tese, a vitória de Fernando Haddad, e azeitaria o caminho para a integração do PSD junto à base do governo, com possível indicação de um ministro, mas provocaria uma imenso ruído na militância.

O alinhamento de Kassab à candidatura Serra obedece a um princípio de lealdade exclusivamente pessoal, quase mafioso, já que o prefeito vinha se afastando cada vez mais do PSDB.

O que é realmente divertido, porém, para um analista político, é a constatação que Kassab e Serra formam, talvez, o casal mais impopular da história recente de São Paulo. Isso não é opinião, é estatística. A rejeição de Serra bateu em 35%, mais de um terço do eleitorado paulistano, e alguns especialistas ouvidos hoje pela grande imprensa já admitiram que este índice pode chegar a 40% com a entrada do tucano no pleito.

Kassab, por sua vez, é rejeitado pela maioria dos paulistanos. Segundo o Datafolha, 40% dos entrevistados acham seu governo ruim ou péssimo.

 

Será engraçado ver o impopular aliar-se ao rejeitado.

As leituras recomendadas para hoje são:

  • Dois tucanos não se bicam, de Maria Inês Nassif. No artigo, Nassif explica que a decisão de Kassab pode resultar em seu próprio fim político, abrindo espaço para que outro quadro assuma o comando do PSD.
  • Cambalhota em São Paulo, da Cantanhede.  A coluna da jornalista dá o tom de como será a cobertura midiática das eleições paulistanas. O apoio da mídia, não se esqueçam, é o grande trunfo de Serra, tanto que a sua volta foi articulada totalmente pela mídia. Antes de avisar seu próprio partido, a turma do governador plantou notas na imprensa com informações sobre a sua decisão.  Cantanhede chama Serra de “perfeccionista, obcecado, aplicado, autocentrado e irritante”. Não é uma linda declaração de amor?
  • Toledo, um dos analistas políticos mais sérios do país (atuante na grande mídia), discorre sobre os prós e contras de Serra, e resume em poucas linhas como será o clima ideológico que norteará a disputa paulistana.
*
Informações sobre o blog: Escrevi uma nova rotina para mim, mais humana e mais realista. O Cafezinho funcionará de segunda a sexta-feira. Publicarei um post por dia, à tarde, por volta das 14 horas, podendo se estender até às 17 horas. Nestes primeiros dias de volta à labuta, os posts serão inteiramente livres.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

spin

10 de março de 2012 às 10h44

Até que ponto a mídia tem a ver com isso, senão vejamos:

Sobre o caso Carlinhos Cachoeira, a Veja desenterrou um vídeo que não tem nada a ver com a Operação Monte Carlo nem se trata de gravação feita pela PF ou autorizada pela JF. Trata-se de um vídeo feito pelo próprio Cachoeira para chantegear políticos, seu modus operandi era assim. No video (devidamente editado para dar a entender tratar-se de ilegalidade praticada por algum petista) há uma conversa entre Carlinhos Cachoeira e o deputado petista Rubens Otoni. O ano era 2004 e Otoni era candidato a prefeito de Anápolis. Tanto Cachoeira como Otoni moravam em Anápolis. Cachoeira procurou Otoni para que este lhe ajudasse na sua empresa o que, segundo Otoni, foi recusado. Houve uma oferta de 100 mil reais, recusado por Otoni. Naquele ano o Carlinhos Cachoeira não era conhecido como agente do crime organizado. Quando Demóstenes Torres estabeleceu laços com Cachoeira o senador já sabia que ele(Cachoeira) era do crime organizado. Um detalhe: Até hoje a TV Anhanguera, repetidora da Globo, não citou o nome de Demóstenes Torres ao noticiar a Operação Monte Carlo. Imagina quem agora não pára de ser citado. Dou um doce para quem adivinhar.

Responder

elson

01 de março de 2012 às 09h20

Estive afastado da blogosfera por motivos tecnicos ( pau no pc , de novo ) , más foi um alívio saber que Serra seria candidato , isto livra o PT de um encosto político indesejável Afinal a militância não sairia as ruas para pedir votos a um candidato que se alia ao pita de estimação do Serra .

Responder

Mucuim

28 de fevereiro de 2012 às 09h46

"PSDB enlouquece e decide disputar prefeitura de Caracas. No Estadão: 'Ex-governador é o único capaz de derrotar chavismo, diz Bruno Covas'". Começou a campanha. o medo vai ser o rumo. Programa Roda Vida – Bruno Daniel Filho – 27-02-2012. http://www.youtube.com/watch?v=Pq_8l4ytPok&fe…!

Responder

alex

28 de fevereiro de 2012 às 09h28

Correio do Brasil diz saber quem é o parceiro da Stratfor

WikiLeaks: Stratfor, em parceria com jornal brasileiro (O Globo), capta informações para EUA e prediz morte de Chávez

do Correio do Brasil
27/2/2012 Por Redação – de São Paulo

Denunciada nesta segunda-feira em uma série de telegramas vazados na internet, pela página do WikiLeaks, a possível parceria entre o diário conservador carioca O Globo e a Stratfor Global Intelligence, pode ser a responsável pelo vazamento da notícia de fundo na polêmica nota do colunista Merval Pereira, publicada na edição de 16 de fevereiro, na qual ele prediz a morte do líder venezuelano, Hugo Chávez, em menos de um ano.

A empresa norte-americana fornece serviços de inteligência confidenciais para grandes corporações dos EUA e também para e agências governamentais, incluindo o Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos , os fuzileiros navais norte-americanos e Agência de Inteligência de Defesa dos EUA.

Pereira aponta sua fonte na pessoa do ex-embaixador dos Estados Unidos na OEA, Roger Noriega, que “invocando informações de dentro do governo venezuelano, escreveu artigo recentemente no portal de internet da InterAmerican Security Watch intitulado A Grande mentira de Hugo Chávez e a Grande Apatia de Washington. Nesse artigo ele dizia que o câncer está se propagando mais rapidamente do que o esperado e poderia causar-lhe a morte antes mesmo das eleições presidenciais”, escreveu o cronista de O Globo.

Nos e-mails da Stratfor, divulgados nesta manhã, porém, consta em data imediatamente anterior, a mesma informação que O Globo veicula logo depois, a de que Hugo Chávez terá cerca de um ano de vida. “O Presidente venezuelano sofre de um câncer na próstata que teria feito uma metástase para o cólon, o sistema linfático e a medula espinhal.
A situação terá sido agravada pelo fato de Chávez ser ‘um paciente péssimo’ que interrompe tratamentos para realizar aparições públicas e participar em encontros políticos”, escreveu a agência norte-americana.

Segundo a Stratfor, o líder venezuelano é acompanhado não apenas por uma equipe de médicos cubanos, mas por outra, de clínicos russos, sendo que os dois grupos têm visões opostas sobre a melhor estratégia de tratamento

Íntegra: http://www.viomundo.com.br/politica/correio-do-br

Responder

Mucuim

28 de fevereiro de 2012 às 09h26

Serra não é o dono da bola

A adesão do prefeito Gilberto Kassab (PSD) à candidatura de José Serra (PSDB) é apenas o começo do jogo. O tucano tem que enfrentar uma alta rejeição, inventar um discurso que não seja o udenista e convencer o eleitor que não vai vencer e dar o seu mandato para o vice.

Maria Inês Nassif

Ao contrário do que diz o senso comum, de que não existe páreo para José Serra nas eleições de outubro, o fato é que a candidatura do tucano está longe de ser um passeio. A aliança com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), serve para não rachar o eleitorado conservador – e era isso que o PT queria quando negociava com o prefeito a adesão à candidatura de Fernando Haddad. O PSD, todavia, não agrega voto não conservador. PSDB e PSD bebem do mesmo copo. A opção de Kassab não divide, mas também não acrescenta. … Leia mais: http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMost

Responder

Cláudio Freire

27 de fevereiro de 2012 às 17h39

Será que a maioria dos paulistanos vai apoiar um candidato como o Serra, que sabidamente usa as eleições em São Paulo apenas como trampolim. Será que têm dúvida de que, se eleito, ele novamente abandonará o cargo para se candidatar daqui a dois anos para a Presidência?

Será que vão apoiar um sujeito que manejou as privatizações do governo FHC para beneficiar parentes e amigos próximos, conforme fartamente documentado no livro “A Privataria Tucana”?

Será que vão novamente apoiar um sujeito que é sabidamente desagregador, truculento, vingativo e mau-caráter, assim considerado até por muitos colegas de partido?

Será que São Paulo merece tudo isto, apenas pelo medo conservador e infantil de votar num partido diferente dos tucanos?

Responder

Deixe uma resposta