Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Conflito narrativo e crise política

Por Miguel do Rosário

19 de março de 2012 : 15h24

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

(Ilustração da capa: Lucian Freud.)

Por trás do noticiário político dos últimos dias, segundo o qual há crise na relação entre o Planalto e a sua base parlamentar, desagregação da articulação do governo no Congresso e, sobretudo, incompetência (e truculência) da presidente e assessoras, há uma disputa surda entre duas narrativas. A primeira é a já referida crise, e tem sido propagada pela mídia e seus colunistas, e por setores do Congresso que usam a mídia para fazer pressão sobre a presidente.

Outra narrativa, contudo, também ganhou popularidade, e o Planalto é naturalmente o principal interessado em torná-la dominante; segundo esta, a presidente estaria enfrentando as velhas práticas políticas, entre elas o fisiologismo, conhecido vulgarmente como o toma lá, dá cá.

Não sei quais estão corretas. Vamos analisá-las separadamente, e ver qual delas possui o discurso mais verossímil, mais qualificado.

Em política, mais do que em qualquer outra atividade, a vontade de potência tem um peso particularmente importante. Na ciência política clássica, entende-se a Vontade Geral, o desejo difuso (e avassalador) das maiorias, como um dos pilares da teoria democrática. Ou seja, se o Planalto afirma que a troca de lideranças teve como objetivo uma renovação das práticas políticas, e se a população deseja que isso aconteça, temos uma conjugação poderosa a incentivar efetivamente uma evolução neste sentido. Mesmo que o governo seja hipócrita, mesmo que a mídia seja mentirosa. O raciocínio vale para política e vale para a moral: o que interessa é o que fazemos, concretamente; podemos continuar pervertidos e corruptos em pensamento: se agirmos corretamente, livrai-nos, oh Deus, da punição eterna.

O que temos de concreto é que a presidente efetivamente está impondo dificuldades ao fisiologismo partidário. Se o faz com truculência ou inabilidade, isso é outra história.

Ontem o blogueiro Josias de Souza publicou uma análise desta crise na qual pisa fundo num lado da balança: a incompetência política do Planalto e a desarticulação de sua base parlamentar. O texto de Josias, porém, peca por uma linguagem enigmática, que parece esconder mais sua confusão do que algum segredo importante do cenário político. Ele admite que há intenção do Planalto em renovar as práticas, mas amplifica de tal maneira o tititi do Congresso que a impressão que passa ao leitor é que os problemas se restringem à falta de destreza política de Dilma e Ideli Salvati.

Ideli é politicamente inábil, dizem os críticos mais amenos. Ela é tosca, desastrada e arrogante, afirmam os mais ácidos. Em comum, o mesmo imutável diagnóstico: aos olhos dos membros do condomínio, a desarticulação que envenena as relações do governo com seus aliados traz as digitais de Ideli.

A psicanálise dos congressistas precisa ser analisada. Nos descaminhos que levaram aos abismos da alma, perdeu-se o essencial: acima de Ideli está Dilma Rousseff.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

O Congresso tem 513 deputados. O problema de analistas como Josias é o mesmo que leva os melhores nadadores a serem os que mais se afogam, e os melhores motoristas a serem os que mais sofrem acidentes. Veterano do jornalismo político, Josias tem fontes. Conversa com meia dúzia de deputados, que lhe abarrotam a cachola de teorias enviesadas sobre a “crise” política, todas elas tendo como pano de fundo seus interesses fisiológicos, e acha que matou a charada. O blogueiro do UOL é tão seguro de si que nada até o fundo, sem atentar que, assim como ser humano nenhum pode enfrentar as armadilhas de um mar traiçoeiro, a análise da conjuntura política deve respeitar seus mistérios.

Num outro post, mais recente, Josias se ajoelha no altor dos clichês e faz uma análise capenga, moralistóide, superficial e repleta de equívocos, comparando alianças políticas feitas e desfeitas em Brasília e São Paulo.

Veja esta frase, que resume o post inteiro:

Valdemar, como se sabe, é do PR. Partido da República, eis o nome escondido atrás da sigla. Em Brasília, é tratada por Dilma Rousseff como uma legenda leprosa, tisnada por práticas nada republicanas. Mas em São Paulo…

O equívoco de Josias é uma hipérbole grosseira. Dilma não trata o PR como legenda leprosa. Ela só não aceita os nomes que o partido deseja impor ao Planalto. Age assim com outros partidos, inclusive com o PT.

O realpolitik sempre tem alguma coisa de sujo, assim como o jornalismo, a advocacia e o trabalho em restaurantes. Josias, porém, sofre do mal que acomete todo jornalista que trabalha tempo demais em Brasília: torna-se cínico, e suas fatigadas retinas conseguem enxergar somente os detritos que flutuam na superfície. Perde a noção de que há algo maior, não necessariamente bonito, mas com certeza profundo ou misterioso, por trás dos debates políticos.

Essa grandeza, que é preciso ser cultivada, está antes nos olhos de quem vê, do que no objeto observado. Ou como dizia Hegel, em citação já meio batida em meus blogs:

Perseguindo seus interesses pessoais, os homens fazem história e são, ao mesmo tempo, as ferramentas e os meios de qualquer coisa de mais elevada, de mais vasta, que eles ignoram, e que eles realizam de maneira inconsciente.

Ou seja, os pafúncios mais bizarros do Congresso representam algo bem maior do que eles mesmos compreendem. Afinal, um pedacinho da história da humanidade, com suas violências, mesquinhez e grandezas, também está sendo escrita em nosso parlamento.

A narrativa da incompetência, no entanto, apresenta três falhas graves. A primeira pode ser encontrada nos próprios anais do congresso em 2011. Se é tão incompetente, como o governo conseguiu aprovar tudo o que quis, e obteve apoio maciço em quase todas as votações importantes, apoio inclusive de partidos não aliados? Até a reforma da previdência do setor público, que o governo Lula tentara aprovar em 2003, Dilma conseguiu emplacar, aplicando amarga derrota a um corporativismo que se traveste de “esquerda” para justificar seus privilégios junto à opinião pública. Tanto é assim que a derrota na recondução de Bernardo Figueiredo à ANTT causou perplexidade em Brasília. Como, o governo perdeu uma votação?

A segunda falha surgiu há poucos dias, quando o recém nomeado líder do governo, o senador Eduardo Braga, emergiu na imprensa abraçado ao presidente Lula, declarando que o ex-presidente apoiava incondicionalmente as decisões da presidente.

O senhor conversou sobre essa mudança com o ex-presidente Lula?

BRAGA: Ele me deu um apoio pessoal extraordinário. Quando a presidente me convidou, ele me telefonou e disse: “conte comigo”. Ele acha que a presidente Dilma está absolutamente certa, está nos apoiando e se colocou a nossa disposição.

A terceira falha é o apoio majoritário da população à Dilma. Se é tão incompetente, como consegue apoio popular, e não somente do povo simples, que não lê jornais e portanto se deixa influenciar mais pela atmosfera econômica real, mas sobretudo da sempre ranheta e moralista classe média? As caixas de comentários de Josias e Noblat (cuja coluna de hoje analisarei daqui a pouco) ficaram congestionadas de mensagens de apoio à presidente em sua “luta contra o fisiologismo” e a “turma do Sarney”.

Os itens dois e três desnortearam Noblat, por exemplo. A sua coluna de hoje está tão bêbada quanto às de Josias que citei acima. Ambos não tem como abafar a narrativa palaciana, de que Dilma pretende uma “renovação das práticas”, então reagem de maneira esquizóide, insegura, dúbia. Noblat insinua que Braga mente ao afirmar que Lula apoia Dilma e arrola uma série de arrazoados meio sem pé nem cabeça cujo ápice é uma denúncia da corrupção no governo Collor!

Podemos admitir que a neófita, o poste, a virgem Dilma possa ser mesmo uma incompetente política e que há uma insatisfação terrível se alastrando no Congresso. Essa tese, porém, para ganhar consistência, deverá esperar por derrotas legislativas e declínio na popularidade da presidente. Que Dilma tem defeitos, todos sabem, porque todo mundo tem defeitos, e uma pessoa com a visibilidade pública de um presidente num país democrático, com informação livre, tem seus defeitos tremendamente ampliados. Lula também os tinha, e não deixa de ser engraçado que a mesma mídia que satanizou o presidente por tanto tempo agora, para fazer um contraponto a Dilma, o eleja modelo de competência política. O que não dá é transformar a intriga de alguns parlamentares insatisfeitos numa crise política de proporções épicas, e chancelar, como a opinião de todo um parlamento, a fofoca maldosa de meia dúzia de deputados fisiológicos.

Enfim, vamos ver quem faz gol antes de anunciar o resultado do jogo.
[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Monica Lee

19 de março de 2012 às 15h50

Pois é, até assusta ler esses colunitas. Parece que o governo está sem leme, indo na direção dos recifes.

Responder

Golpista

19 de março de 2012 às 15h49

Bah, a verdade é que Dilma é uma incompetente, e a Ideli, uma tosca.

Esse governinho vai cair já já.

Responder

Sereno

19 de março de 2012 às 15h48

Também acho que a mídia está inflando a crise. Por outro lado, acho que há insatisfação, porque Dilma está dando duro no fisiologismo, e liberando verbas com muito critério. Mas ela está certa em fazer isso.

Responder

Viviane Aragão

19 de março de 2012 às 15h46

Pensei que você fosse comentar algo da ministra Ana de Hollanda. Será que cai ou não?

Responder

    Miguel do Rosário

    19 de março de 2012 às 15h57

    Talvez eu comente amanhã. Tô acompanhando o assunto. Queria saber mais sobre esse tal Danilo dos Santos Miranda, que o manifesto sugere como substituto da Ana. Pesquisei a respeito dele, mas não encontrei nada que o ponha como o cabeça das novas culturais digitais antropológicas. É diretor do Sesc-SP, e só. Se o manifesto sugerisse, sei lá, o Sergio Amadeu, eu acharia mais coerente. Mas vou me informar melhor para não falar besteira.

    Responder

Rosana

19 de março de 2012 às 15h46

Boa semana, Miguel!

Beijos

Responder

Jorge Duarte

19 de março de 2012 às 15h43

Josias e Noblat estão tontinhos, Miguel. Com Lula voltando à cena, e prestando apoio à Dilma, e a opinião pública também apoiando o chega pra lá na turma do Renan, eles perderam o chão.

Responder

Golpista

19 de março de 2012 às 15h40

Acho que o bicho vai pegar pra Dilma. Ela vai se lascar!

Responder

antonio olinto

19 de março de 2012 às 15h40

Cada dia que passo fico mais chocado com o cinismo desses blogueiros da grande mídia! Eles apenas repetem, como papagaios, teorias baixas de botequim. Não fazem nenhuma análise pra valer, e quando o fazem, é sempre duvidosa, baseada em informações off ultra suspeitas.

Abs,
Antonio Olinto
Advogado – Aracaju

Responder

Ana Alencastro

19 de março de 2012 às 15h38

Acho que rola um certo machismo. Pensei nisso ao ler a entrevista do Ronaldinho hoje, que diz que com presidentes homens (FHC, Lula), ele bebia, falava besteira, e com Dilma isso não rola. As lideranças políticas devem pensar parecido. Dilma é austera, séria, e é mulher. As lideranças são todos homens. Rola machismo e inveja do poder.

Responder

Vilma Rodrigues

19 de março de 2012 às 15h36

Já eu acho que Dilma está fazendo muito bem em dar um chega pra lá na turma do Sarney e Renan!

Responder

Olivia

19 de março de 2012 às 15h35

Você está sendo ingênuo. A popularidade de Dilma não vai aguentar muito se ela não aprovar as grandes reformas legislativas de que o Brasil precisa para se desenvolver. O Congresso tem como paralisar o país, e vai fazê-lo se a desagregação política continuar crescendo, por culpa da incompetência política do governo.

Beijos!

Responder

Merval de Souza

19 de março de 2012 às 15h33

Miguel, você lembrou bem. Há 513 deputados. A imprensa conversa apenas com meia dúzia, as suas fontes são justamente aqueles com os quais Dilma está em atrito. Mas e os outros? De qualquer maneira, ela fez um belo gol ao transmitir a narrativa que se trata de "renovação das práticas políticas". Depois dessa, a mídia ficou perplexa, gaga, porque é justamente isso o que ela, a mídia, vem gritando histericamente há tempos. Dilma está engolindo todo mundo. De boba não tem nada!

Responder

Deixe um comentário