Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Tem início a CPI do Cachoeira!

Por Miguel do Rosário

02 de maio de 2012 : 19h25

Os debates da CPI do Cachoeira podem ser acompanhados, ao vivo ou gravado, pelo site da TV Senado.  A discussão hoje centrou-se nos nomes que serão os primeiros a ser convocados para depor. Denúncias continuam pipocando, conforme a sociedade vai digerindo os arquivos liberados. O blog Roteiro de Cinema compilou várias gravações da operação Monte Carlo relacionadas às ligações entre a máfia e membros da imprensa.

A mídia desta quarta-feira, porém, acordou atordoada com a súbita explosão de fogos vermelhos no céu da política sul-americana. O Globo deu manchete à decisão do governo boliviano de estatizar a gigante espanhola de energia, associando-a a medidas similares na Argentina (com nacionalização da YPF) e Venezuela (onde houve inúmeras nacionalizações).

Diversos colunistas, por sua vez, deixaram a CPI de lado para analisar os ataques de Dilma aos bancos privados, outro fato que lhes causou tremenda confusão. Editorial do Estado faz uma comparação estapafúrdia: diz que os bancos seriam as “Malvinas” de Dilma, numa alusão à suposta tática da presidenta argentina de usar a delicada questão das ilhas Malvinas para desviar a opinião pública de outros problemas internos.  Merval Pereira, Miriam Leitão, Fernando Rodrigues, todo mundo abordou o discurso da Dilma sobre os bancos, tentando sem muito sucesso, achar um flanco vulnerável na estratégia da presidenta.

Há uma certa expectativa sobre a resposta dos bancos à presidenta. Usando como desculpa o feriado, eles se mantiveram quietos até agora, mas certamente haverá um contra-ataque amanhã.

A reação das centrais sindicais, como era de se esperar, foi de euforia. Dilma conseguiu, inclusive, abortar o namorico que setores da Força Sindical vinham promovendo com lideranças do PSDB.  O Estadão publicou um artigo antes melancólico do que triste, sobre a ausência de tucanos nos festejos do primeiro de maio em São Paulo.  Todos prometeram vir, todos inventaram desculpas esfarrapadas para furar.

A mídia também procura hoje trazer um personagem novo à roda: o governador fluminense Sérgio Cabral. Desde que Garotinho publicou fotos de Cabral curtindo a vida em Paris, na companhia de Cavendish, a imprensa tenta usar isso para, de alguma forma, desgastar o governo federal e a própria CPI. Sem sucesso. As estrepolias de Cabral não afetam o governo federal. Aliás, façamos alguns comentários sobre o envolvimento de Cabral:

É bom que Cabral apanhe. Quem acompanha a política fluminense, sabe que as forças políticas ao redor de Cabral aglutinaram-se de tal maneira que pulverizaram qualquer oposição. Isso não é bom. Não falo nada de Cabral, mas o PMDB fluminense é um partido inchado, corrupto e fisiológico – como aliás em todo país. Ninguém tem pena de Cabral, portanto. Ele que se vire, e ele tem muita força para se virar.

Por outro lado, dançar em Paris não é crime. Dançar com o dono da Delta também não. A CPI precisa encontrar gravações envolvendo o nome de Cabral para que a crise atinja, de fato, o governador. Sem isso, conseguirão apenas, como já conseguiram, desgastar o governador junto aos setores mais sensíveis da opinião pública – que de resto já se encontram totalmente desiludidos com todas as forças políticas fluminenses, além de corresponderem a um percentual muito pequeno do eleitorado.

Elio Gaspari, em seu artigo de hoje, chama Cabral de “brega”, e descreve em detalhes as cenas de vídeo do governador brincando com seus amigos. “As cenas constrangem que as vê pela breguice”, conclui Gaspari.

A julgar pela podridão que emerge do inquérito das operações Monte Carlo e Las Vegas, ninguém está preocupado com breguice no momento.

Cabral pode não ser nenhuma flor cheirosa, mas será preciso bem mais do que esses vídeos inocentes para derrubar o governador.

No blog Roteiro de Cinema, descobri umas dicas do escritor Kurt Vonnegut para escrever um bom conto. Uma delas é que “toda frase deve fazer uma de duas coisas – revelar o personagem ou avançar a ação.” Bem, CPI não é um conto, então precisa mesmo é avançar a ação. Que o personagem Cabral é um pândego, isso já sabíamos.  

*

A posição da mídia de esconder as relações do esquema Cachoeira com a Veja está ficando bem ridículo. O Nassif escreveu uma boa análise sobre isso.

*

Achei interessante essa entrevista com o ex-procurador geral da República, Aristides Junqueira, falando sobre o mensalão. 

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Elson

03 de maio de 2012 às 09h35

Essa estratégia da CPMI de ir por partes parece correta , pois primeiro eles devem ouvir oque a PF tem a dizer e conhecer bem o inquérito , só assim poderão fazer a perguntas certas aos investigados e evitar que uma confusão se instale e os possíveis réus safem-se .
A mídia pode ficar tranquila que sua hora chegará , mesmo que eles façam uma cortina de fumaça sobre a Veja , a intenet irá fura-la .
A presidenta faz certo ao pressionar os bancos a baixarem suas taxas de juros a níveis civilizados , o pais tem de ser governado pelos seus representantes eleitos e não por banqueiros ou analistas econômicos da grande mídia patrocinada pelos bancos .

Responder

Verúcia Cabral

02 de maio de 2012 às 20h49

Tô esperando os incêndios…

Responder

Tiago Germinal

02 de maio de 2012 às 20h49

Agora a cobra vai fumar, meu irmão!

Responder

Tereza Werner

02 de maio de 2012 às 20h48

Muy bien!

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina