Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

A confusão sobre o saldo de emprego

Por Miguel do Rosário

24 de julho de 2012 : 12h01

Tereza Cruvinel, uma excelente jornalista, escreveu a seguinte nota hoje em sua coluna, publicada em alguns jornais:

“A crise, este fantasma

Uma notícia boa: as exportações brasileiras começaram a se recuperar. Uma péssima notícia: a crise começou a afetar o nível de empregos. Segundo o Caged/Ministério do Trabalho, os empregos com carteira assinada caíram 25,9% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado.”

Acontece que ela cometeu um erro crasso de interpretação, o mesmo que venho apontando exaustivamente há meses. O nível de emprego é medido pela taxa de desemprego, não pelo saldo de empregos. Conforme o desemprego declina, cai também, segundo a lógica mais elementar, a geração de emprego. A razão é tão simples que acho até constrangedor assistir pessoas tão inteligentes falando tanta besteira: se há menos mão-de-obra ociosa, os saldos serão menores. Em outros termos: se todo mundo está empregado, não tem como haver saldo.

Grandes saldos de emprego só acontecem em momentos de desemprego alto. O Brasil experimentou grandes saldos de geração de emprego nos últimos 10 anos, porque o nosso desemprego era relativamente alto. Agora que chegou a 5,8%, os saldos se reduziram, porque estamos chegando perto do emprego pleno.

Não estou dizendo que o Brasil é imune à crise econômica da Europa. Tampouco nego que nossa indústria enfrenta sérias dificuldades para competir com suas concorrentes na Ásia. Só estou apontando o óbvio: os saldos de geração de emprego vão continuar caindo na medida em que o desemprego se mantiver baixo. Não é, portanto, uma notícia negativa. Se o desemprego crescer, aí então poderemos dizer que os saldos não estão sendo suficientes para acolher a chegada de novos contingentes de trabalhadores. Por enquanto, todavia, o desemprego vem caindo, de maneira que o declínio do saldo tem razões positivas.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário