Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Brasil volta a crescer!

Por Miguel do Rosário

17 de agosto de 2012 : 15h43

(Ilustração Basquiat)

É com orgulho que este blogueiro doentiamente nacionalista informa que a prévia do PIB, anunciada hoje pela manhã pelo Banco Central, indica que a economia brasileira voltou a crescer. Na verdade, era o que já vínhamos dizendo aqui há tempos: paciência, a recuperação virá no segundo semestre. O Brasil não é só um país com um grande PIB (quinta ou sexta maior economia mundial), é um país grande fisicamente, de maneira que as ondas de crescimento demoraram um pouco para se disseminar por todo território nacional.

O Banco Central informou que o Índice de Atividade Econômica registrou em junho o maior crescimento em 15 meses, 0,75% sobre o mês anterior, na série com ajuste sazonal. Daqui pra frente, a tendência é positiva, em função das medidas governamentais e dos próprios sinais da economia.

Ontem, o IBGE já havia divulgado a pesquisa sobre o varejo, onde informa forte crescimento da receita e volume.

O conjunto de números indica que o Brasil encerro o ciclo negativo e entrou numa fase de expansão. A venda de automóveis, por exemplo, experimentou em julho um crescimento espetacular de 22% sobre o mesmo mês de 2011, além de alta de 3,15% sobre junho.

Ontem o Ministério do Trabalho já havia informado que foi registrado em julho a criação de 142,5 mil empregos formais, alta sobre o mês anterior e sobre o mesmo mês de 2011.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a ficar otimista e agora estima que a economia brasileira deverá estar crescendo 4% ao ano no último trimestre. Para 2012, no entanto, a previsão continua de um crescimento em torno de 2%.

Considerando que as previsões para a economia brasileira em 2013 são cada vez melhores, e levando em conta o pacote de R$ 133 bilhões em investimento em infra-estrutura que a presidente Dilma anunciou esta semana, temos uma situação bastante confortável no Brasil. Como diria nosso querido PHA, uma situação capaz de levar urubólogos ao suicídio.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

luciano mollina

27 de agosto de 2012 às 14h22

Não acredito no Brasil a curto prazo, mas infelizmente a fatia é desigual.Em questão de território, será que não seria o caso de racharmos este pais para o bem da população? – uma vez que realmente não creio que o governo possa melhorara participação regional, e por consequência a Nação.

Responder

Daniel

20 de agosto de 2012 às 08h47

Eu acho engraçado quando os economistas gritam desesperados “GAHHHHHH a economia só vai crescer 2%, é o fim do mundo!!!”.

E porque? Porque a economia pode estar crescendo menos mas ESTÁ crescendo, eu me preocuparia é se a economia estivesse encolhendo. E com o detalhe importante de que ao contrário do que os nossos ridículos “economistas” pensam, é IMPOSSÍVEL crescer para sempre, o planeta Terra têm espaço e recursos FINITOS. Até uma criança consegue ver que a conta uma hora não iria fechar.

E adendo, para variar a Folha pintou a notícia como uma “tragédia”

Responder

Antonio Lyra Filho

18 de agosto de 2012 às 15h14

Miguel, em quanto você está orgulhoso, tem gente no Brasil preocupado com este crescimento e torcendo contra.

Responder

Elson

18 de agosto de 2012 às 06h20

O resultado pode ser melhor, afinal o fim do ano está chegando e com ele o décimo terceiro salário e as festas que irão impulsionar o comércio criando empregos e renda.

Responder

Deixe um comentário