Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Análise: Onde Serra vem perdendo votos?

Por Miguel do Rosário

21 de outubro de 2012 : 01h24

[s2If !current_user_can(access_s2member_level1) OR current_user_can(access_s2member_level1)]

Análise da última pesquisa Datafolha, cuja íntegra foi divulgada no dia 20/10.

Selecionei alguns gráficos e tabelas da pesquisa para comentar.

[/s2If]
[s2If !current_user_can(access_s2member_level1)]
Para continuar a ler, você precisa fazer seu login como assinante (no alto à direita). Confira aqui como assinar o blog O Cafezinho.[/s2If]

[s2If current_user_can(access_s2member_level1)]

Observe que o aumento do número de pessoas a afirmar que o mensalão “não tem influência sobre seu voto” aumentou 8 pontos nas últimas semanas, justamente no momento em que o julgamento ganha enorme visibilidade na mídia. Ou seja, há desgaste em virtude da superexploração da notícia.

A tabela acima confirma o desgaste do assunto mensalão. Segundo o Datafolha, 84% dos entrevistados responderam que não mudaram seu voto no segundo turno em virtude do mensalão. E entre os 16% que afirmam ter mudado o voto, apenas 11% disseram que deixaram de votar em Fernando Haddad, do PT. 11% de 16% é um número residual, e que pode ter sido contaminado pelos eleitores de Serra, que assim responderam como forma de atingir, via pesquisa, o candidato petista.

 

Agora vejamos em que segmentos seerra vem perdendo votos:

 

Resposta: em todos os segmentos. Chama a atenção ainda o aumento dos brancos/nulos entre os que possuem curso superior: chegou a 14%, maior do que entre os que tem apenas ensino básico, que é de apenas 6%.  Haddad conseguiu ainda estreitar a vantagem de Serra junto aos eleitores com ensino superior, de 7 pontos para 5 pontos.

 

 

Por faixa de renda, observa-se queda de Serra em todos os segmentos, com destaque para as famílias com renda entre 5 e 10 salários, onde o tucano perdeu 6 pontos e Haddad ganhou 3, assumindo vantagem de 5 pontos. Na pesquisa anterior, Serra tinha a liderança nesse segmento. Ou seja, o tucano perdeu apoio na classe média paulistana, talvez pela má qualidade de sua campanha, ancorada em baixarias. Lembremos que essa faixa inclui famílias com renda mensal entre 4 e 7 mil reais, aproximadamente, o que deve incluir a grande maioria dos profissionais liberais jovens que povoam a cosmopolita São Paulo.

Entre os que ganham mais de 7 mil reais por mês, Serra perdeu 2 pontinhos e Haddad, um ponto, estreitando um pouco a diferença, mas o tucano continua bastante isolado na liderança, com 54 pontos, contra 32 pontos de Haddad.

Entre os mais pobres, que ganham até 2 salários, numericamente 4 vezes superiores aos ricos, Haddad ampliou sua vantagem para quase 30 pontos, 54% X 25%. Entre os que ganham entre 2 e 5 salários, a vantagem de Haddad também cresceu, para 19 pontos, 50% X 31%.

Não é errado, portanto, falar em “levante popular” para explicar o notável desempenho de Haddad na capital paulista.

A íntegra do Datafolha pode ser vista aqui.

[/s2If]

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

alex

21 de outubro de 2012 às 14h53

TUDO QUE O LEITOR DEVERIA SABER SOBRE SONINHA E A MÍDIA PAULISTANA ESCONDE

do Blog Diário do Centro do Mundo

Soninha tem interesse pessoal na permanência do PSDB no poder em São Paulo. Mãe e filhas têm bons empregos públicos no governo paulista conquistados sem concurso. Ela própria também tem vantagens concretas. Recebe dinheiro para participar de reuniões de diretoria na Cetesb, da qual é conselheira.

Falta aí, mais que tudo, transparência. O eleitorado tem que saber disso amplamente. O partido de Soninha apoia o PSDB. Pode ser que o apoio seja por convicções. Mas também pode ser por razões menos nobres. A transparência ajuda o cidadão a formar sua opinião.

E aí vou para a mídia. Caberia a ela trazer essa transparência ao tema. Isso foi parcialmente feito. Em minha pesquisa, vi que o Jornal da Tarde publicou há alguns meses uma reportagem de Fabio Leite sobre as relações profissionais de Soninha e família com o governo paulista.

Na reportagem, você lê que o governo justificou a contratação de uma filha de Soninha com sua fluência em várias línguas. O repórter descobriu, no site da USP, que não tem fluência em nenhuma.

O que fez a Folha de S. Paulo, por exemplo? Em minha pesquisa, e se estou enganado me avisem por favor, não encontrei uma única reportagem sobre um tema de grande interesse público no estado que ela carrega no nome.

Como paulista, pensei o seguinte. Quantos casos iguais aos de Soninha não existem no governo de São Paulo? Quantos empregos do mesmo gênero não são sustentados pelo contribuinte paulista? Essa é a famosa qualidade de gestão do PSDB, um partido no qual votei pela maior parte de minha vida adulta?

O assim chamado aparelhamento do estado pelo PT é citado ubiquamente pela mídia. O que é este caso senão um sinal de que o PSDB de São Paulo faz um aparelhamento a seu estilo, fora da vigilância da mídia que deveria funcionar como fiscal?

O Diário quer ajudar a trazer luz para os debates na sociedade brasileira. Má conduta no PT e no PSDB e onde mais for será tratada do mesmo modo, no interesse público.

A mídia tradicional está trazendo apenas a luz que lhe convém – e o Brasil merece muito mais que isso.

fonte: http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=13619

Responder

jose francisco guimaraes

21 de outubro de 2012 às 10h07

Miguel,
Vendo a vantagem imensa do Haddad na faixa até 2 salarios minimos, ou seja, aqueles mais despossuidos, me vem à cabeça a insensibilidade da elite brasileira.

Me lembro dos meus amigos, a maior parte extremamente reacionarios a gritar mensalao-mensalao-mensalao, mas que nao perderam nada nests ultimos anos. Muito pelo contrario, estao muito melhores financeiramente.

Esta elite nao percebe que redistribuindo todos ganharam. E creio que mais naquilo que é IMENSURÁVEL, mas que podemos chamar de PAZ SOCIAL.
Vejo amigos que nao se sensibilizam com o fato de que os que precisam mais comecaram a ganhar alguma coisa.
Sabe o que ouço, ou no caso dos mais “recatados” consigo apreender?
“Eles se vendem por pouco.”
QUE ARROGANCIA.

Miguel, sinceramente estou nutrindo um desprezo profundo pela elite brasileira e, em especial, seus acólitos babacas que sao os nossos classe media midiatizados. Ou como magistralmente a esse segmento se refere o EMILE ZOLA em seu J’accuse: OPINIAO PUBLICA AMATILHADA.

Responder

Humberto Vieira (@HumbertoVieira7)

21 de outubro de 2012 às 02h57

Análise: Onde Serra vem perdendo votos? – http://t.co/vdP0Zk3G

Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

21 de outubro de 2012 às 01h24

Análise: Onde Serra vem perdendo votos? http://t.co/eXP6PSBn

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina