Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Inversão de valores

Por Miguel do Rosário

23 de novembro de 2012 : 14h56

Marcos Carneiro (foto), ex-diretor da Polícia Civil de São Paulo, suspeita que homicídios em São Paulo são praticados por policiais.

A maior fomentadora de corrupção, a maior violentadora dos princípios éticos mais básicos, no Brasil, é a nossa mídia. Reacionária, corrupta, aética, manipuladora. A nossa mídia não apenas apoiou o golpe militar, ela foi a sua principal articuladora. Reuniões entre golpistas aconteciam em escritórios do Estadão, e Folha e Globo emprestavam suas páginas para todo tipo de diatribe pró-golpista, como foram as manifestações “populares” contra o governo João Goulart, que foram financiadas com dinheiro público, pelos governadores de São Paulo, Minas e Rio, aliados dos jornalões. E foi a ditadura que destruiu a estrutura mínima de combate à corrupção que vinha sendo construída no Brasil desde que Getúlio Vargas instituiu concursos públicos, dentre outras medidas saneadoras.

Tribunais de contas, judiciário independente, auditorias internas, polícia orientada pra combater crimes de colarinho branco, todo o sistema de contrapesos, toda a máquina de investigação, foi desmontada pela mesma ditadura que era sustentada pela grande mídia.

E durante o período democrático, mais uma vez, vimos a mídia sustentando grandes máquinas de corrupção, como foi a privataria, onde vimos a transferência irresponsável de patrimônio público para mãos de aventureiros como Daniel Dantas, estatais européias corruptas e especuladores.

A malandragem continua. Enquanto a mídia faz terrorismo financeiro, em conluio com grandes bancos privados, pra derrubar as ações da Eletrobrás, os mesmos bancos lideram as compras de papéis da estatal.

O pior, no entanto, é outra coisa. É a cumplicidade da mídia com a política de extermínio do governo de São Paulo.

Aí que entra a inversão de valores.

O chefe da polícia civil de São Paulo, Marcos Carneiro de Lima, levanta suspeitas, com base em indícios concretos (não ilações, como virou moda no STF) de que as dezenas de chacinas realizadas nos últimos meses em São Paulo vem sendo cometidas por servidores públicos do governo Alckmin.

Estamos falando de centenas de mortes, em número superior ao que acabamos de ver nos bombardeios de Israel à Faixa de Gaza. Onde estão os paladinos da ética?

A cara de pau não tem limites. Silvio Pereira ganha um Land Rover. Está errado, e merece ser punido. Mas um funcionário da prefeitura de São Paulo, responsável pelo licenciamento de imóveis na cidade, compra (compra, não ganha de presente) uns 60 apartamentos, e ninguém fica escandalizado.

No mesmo dia em que o chefe da polícia civil do estado de Sâo Paulo desnuda a existência de uma milícia fascista e homicida, que faz “justiça” com as próprias mãos, encrustrada dentro do estado, Dora Kramer, principal colunista do Estadão, faz um editorial criticando … Lula!

Não é apenas cara de pau, é safadeza. É falta de vergonha na cara. Falta de ética. Bandidagem midiática.

Não estamos falando aqui de teorias esquizóides, baseadas numa interpretação tropicalista do “domínio de fato”,
e sim na morte de centenas de pessoas, e a criação de um ambiente de extrema insegurança na região mais populosa do Brasil. Deixemos bem claro uma coisa: São Paulo, antes de pertencer a São Paulo, pertence ao Brasil. Na hierarquia dos valores republicanos, a pátria vem em primeiro lugar. Se há montagem de uma estrutura fascista em São Paulo, isso é um crime que merece atenção de todo país.

O mais alto patrimônio de um ser humano é a sua vida. E o mais alto patrimônio de um país é a vida de seus cidadãos. Se há uma onda descontrolada de homicídios em São Paulo, e se a responsabilidade por isso é do governo de São Paulo, este deve ser responsabilizado sem compaixão. Não é função da imprensa fiscalizar e criticar governos?

A corrupção é um crime hediondo. Deve ser combatido impiedosamente. Mas o crime capital sempre será o homicídio, porque só ele rouba uma coisa que não é possível recuperar jamais: a vida. Se temos o governo de São Paulo, através de sua corporação policial, envolvido em ações de extermínio e chacinas, muitas das quais tem características inclusive sociopatas, com fuzilamento aleatório de vítimas, isso é razão para criação de CPIs e impeachment.

Nem venham falar que não podemos falar em politização da tragédia. A falta de politização do problema é justamente o que tem bloqueado o surgimento de respostas consistentes. O problema da segurança pública tem de ser resolvido com inteligência, o que é um ativo que somente o bom e saudável debate político pode fornecer. As condições carcerárias em São Paulo tem de ser melhoradas. É preciso ampliar dramaticamente os programas sociais nas áreas violentas. Estabelecer parcerias verdadeiras e republicanas com todas as esferas de poder. Oferecer melhores condições de trabalho para a polícia militar e para a polícia civil.

Quando a Folha, covardemente, deixa de criticar duramente o governo de São Paulo, o PSDB, José Serra, e o coronel Talhada, que ameaçou um jornalista da própria empresa, então ela é conivente com a matança, com a corrupção, com a injustiça. Seus editoriais sobre ética escorrem para o bueiro de sua hipocrisia.

O governador Geraldo Alckmin, por sua vez, apenas intervêm no debate para confirmar sua responsabilidade. Ele diz somente platitudes idiotas, tipo “matar policial é grave, muito grave”, as quais, todavia, apenas ajudam a incitar a violência, porque mencionadas sem uma necessária contextualização sobre um planejamento estratégico. Vendo que o governo não faz nada para interromper a matança de policiais, os mesmos, desequilibrados pelo terrorismo do PCC,  organizam esquadrões da morte. Alckmin parece apoiar tacitamente essa estratégia, que além de criminosa é burra, porque gera insegurança generalizada, revolta popular por causa das vítimas inocentes, e espírito de vendeta entre a bandidagem, que tem muito menos a perder que policiais ou cidadãos comuns.

Essa é a gestão competente de que a mídia tanto fala? Buracos de metrô, pontes caindo, matança generalizada, espancamento de professores e alunos? A blindagem dos problemas no Bandeirantes pela imprensa paulista dá nisso: problemas se acumulam, autoridades não se mobilizam para resolvê-los, gerando uma explosão de sangue e violência na maior e mais rica cidade brasileira.

No afã de defender o PSDB e atacar o PT, a mídia paulista está conseguindo o contrário, numa dialética bizarra, quase divertida, que apenas um ambiente democrático poderia produzir. Mesmo no poder, o PT continua exercitando diariamente a luta política, como se ainda estivesse na oposição. E o PSDB, mesmo na oposição, engorda e perde agilidade no conforto da blindagem que a mídia lhe oferece.

*

Na CPI do Cachoeira, a guerra ainda não está ganha. E temos uma situação curiosíssima. Os mesmos que gritam “pizza” são os verdadeiros pizzaiolos, aí incluindo a mídia, visto que são estes que pressionam para que o relatório final da CPI não seja aprovado. O espetáculo de hipocrisia que vemos nos atacam a CPI é deprimente. Criticavam a CPI porque não convocava o dono da Delta, Fernando Cavendish. Pois bem, não só convocaram, como o governo, através da CGU, declarou a empresa inidônea, o que a impede automaticamente de entrar em qualquer licitação pública. Disseram que a CPI não quebraria o sigilo da Delta nacional, limitando-se à sua filial em Goiás. A CPI aprovou a quebra do sigilo da Delta nacional e de mais dezenas de empresas ligadas à construtora, e Cavendish foi indiciado.

Os hipócritas, querendo jogar pra platéia, em vez de apoiarem o relator, e focarem na quantidade monstruosa de documentos e sigilos já disponíveis, dizem que pretendiam quebrar mais 500 sigilos e convocar mais não sei quanta gente, e prorrogar a CPI por mais não sei quanto tempo. Agora, é claro que a oposição vai chiar. A mídia, como sempre, vai chantagear pesadamente os parlamentares. A tensão nos bastidores deverá atingir um grau máximo até o dia da votação do relatório, na quarta-feira que vem.

De qualquer maneira, CPI é um órgão político, portanto não tem importância capital se o relatório será aprovado ou não. Quer dizer, seria ótimo, para o bem da justiça, que fosse aprovado como está. O essencial, todavia, é que ele foi produzido, contém provas e argumentos consistentes. Está aí para todo mundo ver. Os sigilos serão encaminhados ao Ministério Público e à Polícia Federal. Tirando ou não o nome de Policarpo Júnior, redator-chefe da Veja, do relatório, a sociedade agora sabe que o repórter se envolveu com o esquema Cachoeira. A luta política contra os desmandos golpistas e criminosos da Veja não teve início com a CPI do Cachoeira e não vai terminar com seu relatório final. Na verdade, quem está jogando terra sobre a cova da mídia não é nenhum petista, nem Dirceu, nem blogueiro. É o povo, através do voto, quem está fazendo o trabalho mais difícil, que é apear do poder, um a um, seus amiguinhos políticos. Assim como o julgamento do mensalão será usado, por muitos anos, para fustigar petistas, o relatório de Odair Cunha, aprovado ou não, será usado – democraticamente – como uma arma política para abater tucanos, nos partidos e na mídia.  Os campeões ou perdedores das escaramuças de hoje só serão conhecidos em 2014.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Anuário do spin

26 de novembro de 2012 às 11h56

Será que policiais estão matando a torto e a direito para provocar essa onda, o certo é que estes grupos de exterminio formados por policiais são extremamente truculentos, existem em todos os Estados, aqui em GO um policial foi flagrado pela câmera de vigilância da praça, o policial chegou calmamente assassinou o mendigo e saiu. Se não fosse a câmera e, sendo em SP, poderia ser atribuido ao PCC. Há o trafico de drogas no meio, policiais traficando, as execuções, como essa que aconteceu em GO, por causa do tráfico de drogas praticada por policiais, existe sim. Em 2006 ficou provado que um grande numero de mortes foi praticada por policiais, o assunto caiu no esquecimento

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 16h29

Fofuras da “Veja”

POR MARCELO COELHO
25/11/12 – 03:08

Faz muito tempo que não leio a “Veja”, tendo apenas comprado o número da semana passada para ver a matéria sobre a Osesp e o amigo Arthur Nestrovski.
Eis que, como ex-assinante, recebo pelo correio um convite promocional.
É uma obra-prima de imaginação mercadológica mal dirigida.
Na cobertura do envelope, uma intrigante mensagem.
Marcelo,
Perguntei por que faltava o seu nome e ninguém soube explicar. Veja como, logo depois, tudo ficou resolvido.
Hum. Vamos ver? Abro o envelope.
MARCELO,
(é sempre bom ver o nome da gente assim em letras grandes)
a reunião de ontem foi muito importante para mim e você tem tudo a ver com isso.
(ele nem imagina o quanto).
Toda a nossa equipe checava os nomes das pessoas que continuavam assinantes de VEJA.
(precisa ser uma equipe grande para fazer isso, eu acho).
Algumas depois do primeiro ano de assinatura. Outras depois de dez, vinte anos e até mais.
Gostoso foi comprovar que era uma seleção de gente extremamente diferenciada, ativa e participante, que faz a diferença no meio em que vive.
(deve ter sido bem gostoso, mas um bocado trabalhoso também. Quantos assinantes tem a revista, quinhentos mil? Um milhão? Para eles terem “selecionado” esse milhão de pessoas no meio da população brasileira, e depois comprovarem que a seleção foi bem feita, puxa, não invejo. Mas o importante é que EU, MARCELO, tinha tudo a ver com a importância dessa reunião).
Gente como Marcelo Penteado Coelho
(Não disse? Olha eu aí!)
Quando perguntei por que você não estava mais entre os assinantes de VEJA, algumas possibilidades apareceram.
(Vamos ver se ele acerta)
Marcelo perdeu o prazo de renovação, por algum motivo.
(aí não vale: qual o motivo? Ainda está frio…)
Ou viajou na hora de renovar e esqueceu.
(está certo, como sou uma pessoa diferenciada, eu viajo muito. Mas como é que não percebi, na volta de meu “périplo”, que VEJA não estava mais me aguardando, empilhada na bandeja de prata que meu mordomo costuma usar para me trazer, toda manhã, os principais periódicos do Ocidente?)
Ou está dando um tempo…
(é, foi o que fiz com a Ana Paula Arósio e a Maria Fernanda Cândido)
Ou…
Interferi diretamente.
(escute, que mal pergunte, quem é você afinal?)
Tenho uma ideia clara na cabeça.
(ah, deve ser alguém da Veja mesmo).
Se Marcelo ainda não voltou é porque está só esperando uma boa oportunidade e ainda não soubemos criá-la.
(engenhoso, rapaz! Você sabe bem que MARCELO COELHO é astucioso e preza suas oportunidades de investimento. Faz como na Bolsa ou no dólar: espera as cotações baixarem para comprar).
Foi quando todos tomamos a decisão de trazer você de volta.
(nossa, como vocês aguentaram ficar tantos anos com saudade de mim?)
Criamos a oportunidade que você espera.
(nossa, gêintche… num acreditcho…)
Começamos com o maior desconto que podemos dar: 50%
(es poco, corazón. En las calles de Buenos Aires muchas chicas más guapas que vos ya me hicieron ofertas más despudoradas).
Ou seja, você vai assinar VEJA pela metade do preço.
(legal traduzirem 50% por metade do preço. A clientela, por mais diferenciada que seja, às vezes se confunde na matemática).
Mais uma página de explicações e, finalmente, fico sabendo quem escreveu a mensagem. É Marcia Donha, gerente de assinaturas da revista Veja. Não colocou a fotografia junto.
Mas como se trata de uma carta pessoal e carinhosa, quem sabe eu respondo.
MARCIA,
Obrigado por dizer que eu faço falta. Pensei que vocês nem ligassem para o fato de eu ter suspendido a assinatura há tanto tempo. Toda a sua equipe, durante esses anos, parece ter se preocupado mais em cultivar um público limitado, preconceituoso, consumista e sem nenhuma sofisticação cultural, disposto apenas a ver numa revista a confirmação de suas ideias simplistas sobre o mundo, incapaz de notar o tom partidário e editorializado de matérias pobres em conteúdo informativo, além de pronto a aplaudir o estilo hidrófobo de seus colaboradores. Fico feliz: estão pensando em me reconquistar. Mas achar que eu estava esperando esse descontinho para voltar… francamente. Só volto quando ganhar as obras completas de Lya Luft encadernadas de brinde. Cobro caro para vocês terem o meu amor de volta. Não sou desses que acodem a qualquer trocadinho, viu, MARCIA?
Um beijo, fofa.

FONTE – acredite se quiser!: http://marcelocoelho.blogfolha.uol.com.br/2012/11/25/fofuras-da-veja/

#########################

TEMPO HISTÓRICO: ‘a veja’ jogada, literalmente, no esgoto da ‘Marginal’!…
SEN-SA-CI?-NAL, SENSACIONAL!

Egrégio e impávido Jornalista Marcelo Coelho, o honesto, sapiente e valoroso povo trabalhador brasileiro lhe agradece, penhoradamente! A história, idem!…

Felicidades!

Saudações democráticas, progressistas, nacionalistas, antigolpistas e civilizatórias,

BRASIL (QUASE-)NAÇÃO
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 15h22

ROSE É O “FATO” QUE FALTAVA.
ELA É O “TRÊS EM UM”
Ela trabalhou com Dirceu, foi nomeada pelo Lula e mantida no cargo pela Dilma. “Homicídio triplamente qualificado” !
http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/11/25/rose-e-o-%E2%80%9Cfato%E2%80%9D-que-faltava-ela-e-o-%E2%80%9Ctres-em-um%E2%80%9D/
Publicado em 25/11/2012

LÁ VEM O MATUTO TENTANDO EXERCER O OFÍCIO DE CRÍTICO DO PIG!

… Um magistrado é vitima de adultério – e coloque-se a culpa no topete do… Corno! [Perdão pela má palavra!]…; uma magistrada é vítima de adultério – e coloque-se a culpa… Na peruca – e na lipoaspiração malsucedida da recatada senhora que veste ora toga ora ‘tailleur’ discretíssimo!…; uma criança tem um pirulito furtado da própria boca (sic) por um bandido… Não sendo encontrado o inescrupuloso assaltante, ‘o domínio do fato’ mira a culpa… Para a pobre e indefesa criancinha!…; “e o vento levou” (idem sic) a saia da jovem em plena praça pública, chame-se o policial mais próximo: tentativa de desacato ao pudor e atentado violento à moral e aos bons costumes! Algemas no vento?! ‘É plausível e crível’ que não! Algemas nos ‘tênues’ pulsos da jovem insolente!…; a beata recebe a hóstia consagrada, e em seguida, “pula o muro” – aproveitado “o voo do marido por razões de trabalho” -, e o culpado é… O padre e/ou a hóstia consagrada!…

… É mais ou menos assim que o PIGolpista/terrorista vai levando o jornalismo!…

Mesmo com toda a fama
Com toda a lama
A gente vai levando, a gente vai levando, a gente vai levando
Todos os problemas
Todo o sistema(!),
A gente vai levando, a gente vai levando, a gente vai levando
A gente vai levando essa gema
Mesmo com o nada feito, com a sala escura
Com a cara dura (de pau!)
Não tem mais jeito, a gente não tem cura
Mesmo com todo Ibope
Com toda sanha, toda façanha [ou seria ‘FARSAnha’?!]
Toda campanha(!)
A gente vai levando essa manha
Com toda esgrima
Mesmo com toda cédula, com toda célula
Com toda súmula [vinculante?! RISOS], com toda sílaba
A gente vai levando, a gente vai tocando, a gente vai tomando [no Fux?! MAIS RISOS!], A gente vai dourando essa pílula!

Vai Levando [adaptação grosseira, bem no estilo ‘jornalismo PIGuiano’!…]
Chico Buarque

Que jornalismo é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 13h20

Tudo ao contrário
Por Mino Carta
Editorial
23.11.2012 09:10
Em http://www.cartacapital.com.br/sociedade/tudo-ao-contrario/#todos-comentarios

(…)
Há provas irrefutáveis de que Cachoeira executou grampos a pedido de Policarpo Jr. e organizou a operação para monitorar os movimentos de José Dirceu, cujos resultados geraram uma capa da semanal da Abril. Provado está também que o ex-senador Demóstenes Torres ganhou as célebres páginas amarelas de Veja, prontas a apresentá-lo como um varão de Plutarco, em atenção a uma solicitação de Cachoeira. Investigações da Polícia Federal revelaram que, durante a feliz parceria, o profissional e o contraventor mantiveram mais de 200 conversações pelo telefone.
Situações similares em outros países provocaram a expulsão de jornalistas não somente de suas redações, mas também, e sobretudo, das próprias entidades da categoria. Por ter formulado acusações falsas, um diretor de redação italiano pagou recentemente pela culpa do seu jornal e foi condenado a alguns anos de reclusão. No Reino Unido, Rupert Murdoch teve de sair do país por ter praticado façanhas muito parecidas com aquelas cometidas pela Veja de Policarpo Jr.
(…)
Donde já me apresso a preparar meu coração e meus ouvidos para a tradicional ladainha, a denunciar o assalto à liberdade de imprensa. Como é do conhecimento até do mundo mineral esta, nas nossas latitudes, corresponde à liberdade dos barões midiáticos e dos seus sabujos de agirem como bem entendem. Manipulam, omitem, mentem.
Quando a verdade factual dos comportamentos de Policarpo Jr., e portanto da Veja e da Abril, veio à tona faz meses, até um Marinho se moveu do Rio no rumo de Brasília para um encontro com o vice-presidente da República, Michel Temer, a fim de alertá-lo sobre os riscos que a mídia da casa-grande sofreria caso o parceiro de Cachoeira fosse chamado a depor na CPI. Logo, uma figura graúda da Abril seguiu-lhe os passos para reproduzir o alerta. Se havia um plano de convocar Policarpo Jr., este abortou. Temer sabe mexer seus pauzinhos.
(…)
Observem: houvesse eleições presidenciais hoje, Dilma Rousseff esmagaria qualquer competidor da oposição. E Lula ganhou anteontem a parada paulistana ao levar Haddad à prefeitura contra o cada vez mais preparado José Serra. Não consigo escapar ao costumeiro diálogo com os meus botões. Será que, neste singular, insólito, quem sabe único país chamado Brasil, os vencedores atuam como perdedores e vice-versa?

##########################

Que país é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 12h24

[LIBERDADE DE EXPRESSÃO NOS OLHOS DOS OUTROS É COLÍRIO E/OU É REFRESCO! ENTENDA]

Record indenizará William Waack por dizer que ele era espião da CIA

A Justiça de São Paulo condenou a Rede Record a pagar uma indenização de R$ 50 mil ao jornalista da Globo William Waack por danos morais. A ação se deu porque a emissora publicou no seu portal, o R7, uma notícia informando que Waack seria espião da CIA. A reportagem disponível na internet desde o dia 27 de outubro de 2011 diz “Wikileaks aponta William Waack como informante do governo dos EUA” e foi baseada em um texto do blog Brasil que Vai do economista Luiz Cezar. Segundo o juiz responsável pelo caso, Vitor Frederico Kümpel, “restou comprovado que inexiste qualquer documento do WikiLeaks apontando o autor como informante dos EUA, como infiltrado da CIA e outros fatos ofensivos que foram dirigidos ao jornalista William Waack”. De acordo com Kümpel a Record não se baseou em fontes fidedignas ao divulgar a informação. “A ré lançou palavras de forma totalmente sem fundamentação e que repercutiram negativamente ferindo a imagem e o nome do autor”, disse na sentença.

CACHOEIRA – perdão, ato falho -, FONTE: http://www.bahianoticias.com.br/
Sábado, 24 de Novembro de 2012 – 09:10

EM TEMPO DE LIBERDADE DE EXPRESSÃO(!): alguém do PIGolpista irá se manifestar propugnando ‘o domínio do fato’ característico de cerceamento e violação da liberdade da imprensa e/ou retaliação judicial de concorrente na disputa pela audiência e/ou tramoia urdida apelo PT para atacar a honra do impoluto (sic) ‘jornalista amigo dos patrões Marinhos’?!…

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

25 de novembro de 2012 às 12h20

O DESPREZO [PELA VERDADE DOS ‘DOMÍNIOS DOS FATOS’ (SIC)] DE UM JORNALISMO DESPREZÍVEL! JORNALISMO CARA PÁLIDA E/OU CARA AMARELA! ENTENDA

… Os representantes do PIGolpista/terrorista – ‘os(as) jornalistas amigos(as) dos patrões barões da “grande” mídia nativa’ – tentam desqualificar integralmente o relatório final da CPMI do Cachoeira – relatório de mais de *4.000 páginas. O PIG tenta reduzir todo o trabalho empreendido, todos os esforços envidados, todas as provas coletadas… Num simples instrumento de revanchismo do **PT em função dos desdobramentos do julgamento do mensalão! Nada deverá ser, portanto, aproveitado! Apregoam, até, que a CPMI do Cachoeira não terá, pasme, nem mesmo um relatório final! Pretendem, tudo jogado no ralo que desemboca no esgoto do lixo parlamentar!… Um dos argumentos utilizados com o desiderato de desmoralizar o relatório pode ser traduzido da seguinte forma: neste país [de ‘Nois’ Bananas!], são seres inimputáveis: jornalistas [do PIG!]; procurador-geral da República [ainda que prevaricador!]; governadores e outros cargos ocupados por tucanos; “supremos do supremoTF” – apesar daquela declaração histórica da egrégia, competente e impávida magistrada Eliana Calmon, baiana ‘arretada’!]; empresários de alta plumagem e demais que ao PIG interessar possa!…
*349 páginas do relatório dedicadas ao envolvimento de profissionais de mídia com a organização do contraventor Carlos Cachoeira.
FONTE: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/11/22/interna_politica,331453/relatorio-da-cpi-do-cachoeira-dedica-349-paginas-a-jornalistas.shtml
** “Investigamos, sim, as incursões da organização criminosa no Distrito Federal e não restaram provadas, em nenhum momento, vinculações do governador Agnelo Queiroz com o empresário Carlos Cachoeira.” Deputado federal Odair Cunha (PT/MG), relator da CPMI do Cachoeira.
Sobre o pedido de investigação do governador de Goiás, Marconi Perillo, Cunha destacou que ele [Marconi Perillo] precisa esclarecer sua ligação com o grupo de Cachoeira. “Por que ele se envolveu tão intimamente com a organização criminosa, deixou que ela tomasse conta de parte importante do seu governo? Não temos culpa de ele ter se relacionado com essa organização.”
FONTE: http://www.cartacapital.com.br/politica/independentes-criticam-relatorio-da-cpmi-do-cachoeira-e-apresentam-documento-paralelo/
Matéria originalmente publicada na Agência Brasil
EM TEMPO: em um destes programas de “debates” do PIG, ‘um convidado escolhido a dedo’ pontuou: “Logo após o encerramento do julgamento do mensalão [o mensalão do PT, revisor!], uma Associação de juízes [de juízes – (a)de(n)do sujo nosso!] ingressará com uma ação no STF [no próprio (inclemente e onisciente!) STF – de novo, (a)de(n)do sujo nosso!] requerendo a nulidade do julgamento da Ação Penal 470! A motivação: a Reforma da Previdência teria sido votada e aprovada a partir da compra de parlamentares! Ainda que a nulidade seja parcial porquanto a ação a ser ‘ajuizada pela associação de juízes’ (sic) contestará, apenas, os prejuízos causados pela Reforma aos… Juízes(!)”
[‘No domínio deste fato’, nada de privilégios e corporativismo indecorosos!]
RESCALDO: “Seu menino”, “sua menina”, quando nos estertores “das discussões em uníssono”(!?) ‘esse convidado escolhido a dedo’ acabou de fazer a explanação, ‘a convidada escolhida a dedo’ [Eliane Cantanhêde] e a âncora [Cristiana Lobo], literalmente, rostos enrubescidos, para em seguida, amarelados de uma lividez sepulcral! Coitados(as) dos(as) assinantes!…

Que jornalismo é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Érico Cordeiro (@ricocordeiro)

24 de novembro de 2012 às 09h51

Inversão de valores – http://t.co/ojTChAIW

Responder

Under_Siege (@SAGGIO_2)

24 de novembro de 2012 às 02h20

@rogeriocorreia_ ? Inversão de valores – http://t.co/e6Y4IcX8

Responder

Under_Siege (@SAGGIO_2)

24 de novembro de 2012 às 02h14

@taniamorales @radioitatiaia @pmoreiraleite Inversão de valores – http://t.co/e6Y4IcX8

Responder

Ninguém

23 de novembro de 2012 às 18h45

Miguel,

Você deveria lançar um noticioso – a TV Cafezinho – aqui na Internet. Ia ser sucesso imediato.

Responder

@AislanMaikF

23 de novembro de 2012 às 17h41

Inversão de valores – http://t.co/o3BBSIVP

Responder

@biacall8

23 de novembro de 2012 às 17h39

‘A MAIOR FOMENTADORA DA CORRUPÇÃO NO BRASIL, É A MÍDIA’—>Inversão de valores – http://t.co/i8zcPWbu

Responder

@biacall8

23 de novembro de 2012 às 17h21

A maior fomentadora da corrupção no Brasil é a mídia—>Inversão de valores – http://t.co/i8zcPWbu

Responder

@regsouzal

23 de novembro de 2012 às 15h10

A MAIOR FOMENTADORA DA CORRUPÇÃO NO BRASIL: A MÍDIA—>Inversão de valores – http://t.co/LGFZ3kb1

Responder

    Anônimo

    28 de maio de 2015 às 12h48

    Não é bem assim não, acontece que o governo calou a mídia, o governo comunista do PT, e essa esquerda caviar, do País pensa que o brasileiro é trouxa, só existe democracia com a imprensa livre para informar o povo, comunista detesta a democracia, só sabem mesmo é destorcer os fatos, e enganar o povo com falsos discursos, mas no fundo mesmo já quebraram o País e precisamos impedir a continuação desses terroristas no poder, que querem implantar no País o comunismo bolivariano da Venezuela e de Cuba, INTERVENÇÃO JÁ! DE NADA ADIANTA TIRAR SOMENTE A PRESIDANTA, URGENTE! É CONSTITUCIONAL SIM! É LEGAL SIM! AGORA TODO MUNDO SABE DO QUE O PT É CAPAZ, FALTA PORÉM DIZER NÃO AS URNAS ELETRÔNICAS, PRECISAMOS CLAMAR NAS RUAS, O POVO É SOBERANO, VAMOS TRAZER A NOSSA CARTA MÁGNA DE VOLTA! ABAIXO A DITADURA COMUNISTA DO PT!

    Responder

      Miguel do Rosário

      28 de maio de 2015 às 21h53

      Ditadura comunista do Pt ????

      Responder

      Miguel do Rosário

      28 de maio de 2015 às 21h54

      Meu Deus

      Responder

reinaldo azevermeio (@reinaldoazeverd)

23 de novembro de 2012 às 15h08

“@migueldorosario: Inversão de valores http://t.co/LNCR3drc” <—–

Responder

migueldorosario (@migueldorosario)

23 de novembro de 2012 às 14h56

Inversão de valores http://t.co/7zC42IGr

Responder

Deixe uma resposta