Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

O mensalão de Abraham Lincoln

Por Miguel do Rosário

03 de janeiro de 2013 : 22h58

No livro de Gore Vidal sobre Abraham Lincoln, o presidente pede a seu secretário de estado que invente pretextos para prender os editores de jornais de Nova York e Washington que lhe faziam oposição. O país estava em guerra civil, e se entendia a batalha na opinião pública como estratégica para a vitória do norte industrial sobre o sul escravista.

E agora ficamos sabendo, através do filme de Spielberg sobre a mesma figura, que Lincoln autorizou um grupo de lobistas a usarem “todos os meios” para convencer deputados da oposição a votarem em favor da lei da abolição.  Há um trecho do filme em que o seu secretário pergunta-lhe, com espanto algo fingido, se o presidente pretendia “comprar” deputados. O presidente responde, também meio que cinicamente, que não se tratava de comprar, mas de oferecer oportunidades. Empregos, cargos, verbas, Lincoln usou todo seu imenso poder para mudar a opinião de alguns deputados do então escravagista Partido Democrata e ganhar a votação mais importante e mais simbólica da história dos Estados Unidos.

Lincoln tinha pressa em aprovar a lei porque entendia que somente ela poderia pôr fim à guerra civil, pois automaticamente produziria um enorme movimento de fuga e deserção de negros tanto dos exércitos confederados como de suas fazendas, desestruturando o inimigo, militar e economicamente.

Os lobistas de Lincoln procuravam representantes democratas e ofereciam-lhe mundos e fundos para votarem em favor da lei. O próprio Lincoln entra na jogada, conversando pessoalmente com alguns deles.

Que lições devemos tirar desses exemplos, ambos comprovados em documentos históricos? Certamente não que devemos mandar prender editores, embora no Brasil há casos em que isso não apenas seria moral e constitucionalmente aceitável como até louvável. Da mesma forma, seria ridículo justificar a corrupção de deputados com o exemplo de um filme de Spielberg.

As lições são as seguintes:

  1. A guerra da comunicação não deve jamais ser subestimada por um governante. Se é errado, sob as perspectivas morais e legais, ferir as regras democráticas, é igualmente equivocado, do ponto-de-vista político, abandonar a luta ideológica no campo do simbólico.
  2. A luta democrática envolve dilemas éticos extremamente complexos, que só mesmo o velho Maquiavel poderia entender.

O que Lincoln deveria fazer?

Os abolicionistas de seu partido tratavam-no, desde algum tempo, como um traidor de sua causa, por causa das constantes hesitações quanto ao momento certo de enviar a décima terceira emenda constitucional ao Congresso. Segundo historiadores, Lincoln não queria fazê-lo antes de ter a certeza de que poderia ganhar, e para isso esperava uma boa conjuntura militar na guerra civil.

Por fim, o momento chegou, e Lincoln autorizou o envio da emenda à Casa dos Representantes, para ser votada pelos deputados, e não antes de negociar controversos acordos com dissidentes da oposição, afim de garantir a maioria e ganhar.

De fato, Lincoln não “comprou” nenhum deputado. Ele simplesmente agiu como qualquer governo democrático desde que estes começaram a existir: usou o poder que o povo lhe concedeu para aprovar uma lei que interessava ao povo.

Estas são situações que nos fazem pensar quão triste tem sido a criminalização da política no Brasil, o que não significa que não seja necessário combater o crime político. Em diversos legislativos estaduais e municipais, há casos de mensalão explícito, e não seria difícil descolar provas concretas: bastaria acompanhar a variação patrimonial de deputados e vereadores em todo país, quebrar alguns sigilos (com autorização da Justiça) e praticar a saudável luta judicial, como cumpre às polícias, corregedorias e Ministério Público.

Tão difícil, porém, como combater o crime político, será combater a manipulação da ignorância em relação à política. Na verdade, mesmo sem a mídia, já viveríamos situações difíceis. A democracia tem defeitos. Os sistemas democráticos são falhos, cheios de brechas, lentos, às vezes tão ou mais burocráticos que as piores autocracias; e, na América ao sul do Rio Grande, sofrem com uma crônica e antiga falta de recursos, além de todas as mazelas do subdesenvolvimento. Com as mídias assumindo o papel de principal força conservadora na região, todos esses defeitos parecem hiper-ampliados e as brechas são mais exploradas que nunca. Uma dessas brechas, por exemplo, são leis falhas quando o tema é a concentração da mídia. No caso do Brasil, assistimos inertes a meia dúzia de corporações dragarem quase todos os recursos de publicidade no país, privados e púbicos. Apesar dos bons presidentes, a nossa guerra civil ainda está sendo vencida pelos escravagistas.

Assim como Lincoln só venceu a guerra civil após decretar a abolição, pois isso lhe granjeou o apoio dos 4 milhões de negros que sustentavam a economia do sul, a esquerda apenas poderá conquistar uma vitória estável quando libertar os milhares de jornalistas que são obrigados, por razões estritamente financeiras, a venderem suas consciências e talento a empregadores reacionários.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

@ric_arruda

14 de janeiro de 2013 às 12h18

O mensalão de Abraham Lincoln – http://t.co/9cwPYo0O

Responder

Messias Franca de Macedo

14 de janeiro de 2013 às 08h58

TARSO GENRO, ENTREVISTA NOTA 10!

#####################################

‘PT USOU O MÉTODO DE ALIANÇAS A QUALQUER PREÇO QUE CRITICAVA’

O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, um dos principais líderes petistas, fez um balanço do momento vivido pelo PT, pós-julgamento do mensalão. Para ele, se deve ficar a lição de que o PT não pode continuar a compor maiorias e formar alianças a qualquer preço. Em entrevista para o jornal “O Globo”, ele também defendeu José Genoino e criticou José Dirceu, ambos condenados na Ação Penal 470, pelo Supremo Tribunal Federal.
(…)
FONTE: http://www.brasil247.com/pt/247/poder/90456/'PT-usou-o-m%C3%A9todo-de-alian%C3%A7as-a-qualquer-pre%C3%A7o-que-criticava‘.htm

BRASIL (QUASE-)NAÇÃO
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Érico Cordeiro (@ricocordeiro)

12 de janeiro de 2013 às 01h25

O mensalão de Abraham Lincoln – http://t.co/uAGuCLeR

Responder

@JoaoBosquo

09 de janeiro de 2013 às 11h08

O mensalão de Abraham Lincoln – http://t.co/neYls0Gh

Responder

Messias Franca de Macedo

08 de janeiro de 2013 às 19h38

MESTRE ANTONIO CANDIDO PARA GENOINO “OS QUE TE CONHECEM NUNCA TIVERAM UM MINUTO DE DÚVIDA”

Em http://mariafro.com/2013/01/08/mestre-antonio-candido-para-genoino-os-que-te-conhecem-nunca-tiveram-um-minuto-de-duvida/comment-page-1/#comment-56640

################################

… Somente um mestre – e da estatura moral -, a exemplo do eminente Antonio Cândido, poderia traduzir em tão poucas palavras [quase] toda a dimensão do sujeito histórico José Genoino Guimarães Neto (Quixeramobim, Ceará, 3 de maio de 1946)!…

… Muito obrigado, mestre Antonio Cândido: por ensinar-nos mais um pouco acerca da vida deste conspícuo brasileiro…

Somente a estupidez dos beócios justifica as diatribes perpetradas contra o egrégio brasileiro José Genoino!…

(… A verdadeira história do Brasil saberá, um dia, definitivamente, reconhecer os legados destes dois sapientes, honestos e impávidos brasileiros: José Genoino e Antonio Cândido…)

Saudações democráticas, progressistas, civilizatórias, nacionalistas e antigolpistas,

BRASIL NAÇÃO – em homenagem ao José Genoino e ao Antonio Cândido!
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

reinaldo azeverde (@reinaldoazeverd)

08 de janeiro de 2013 às 10h53

abraham lincoln fazendo a luta político-ideológica – http://t.co/AsPgxix9 (e a libertação dos jornalistas no brasil)

Responder

@bethtoth

07 de janeiro de 2013 às 14h54

O mensalão de Abraham Lincoln – http://t.co/eFBxyfeh

Responder

Messias Franca de Macedo

07 de janeiro de 2013 às 12h06

[“A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”

Karl Marx

Ou dois raios podem cair no mesmo lugar?!…

Envolvida em suspeitas gravíssimas de corrupção, secretário da Educação do famigerado governo João Henrique é mantido no cargo por ACM Neto (Malvadeza?!…)… Incêndio atinge sede da Secretaria de Educação da prefeitura do Salvador… “O interessante é a coincidência”: no governo Paulo Souto (DEMo carlista) também ocorreu um incêndio (criminoso?!…) na… Sim! Na Secretária da Educação do Estado da Bahia!… ENTENDA!]

#####################################

Incêndio atinge sede da Secretaria de Educação da prefeitura
por Evilásio Júnior
Quinta, 03 de Janeiro de 2013 – 22:29
por Evilásio Júnior
http://www.bahianoticias.com.br/principal/noticia/128912-incendio-atinge-sede-da-secretaria-de-educacao-da-prefeitura.html

Um forte incêndio atinge a sede da Secretaria Municipal de Educação de Salvador, no bairro do Engenho Velho de Brotas, na noite desta quinta-feira (3). Apesar das labaredas que assustam a população que reside no entorno, três viaturas do Corpo de Bombeiros tentam contornar a situação. “Nós trabalhamos até as 20h e, às 22h, os seguranças relataram que o fogo começou na coordenação de administração escolar e tomou conta do prédio. É muita madeira e muito papel. Estamos fazendo o possível”, lamentou o secretário João Carlos Bacelar (PTN), em entrevista ao Bahia Notícias. Segundo ele, que já chegou à área, não há vítimas já que não havia mais funcionários no local na hora em que foi registrado o acidente.
?!?!?!?!?!?!?!… Plim!Plim!… ?!?!?!…

República Destes Bananas da [eterna] OPOSIÇÃO AO BRASIL, fascista, terrorista, histriônica, alienada, aloprada, MENTEcapta, impunemente terrorista, golpista de meia-tigela, corrupta… ‘O cheiro dos cavalos ao do povo’! (“elite estúpida que despreza as próprias ignorâncias”, lembrando o enunciado lapidar do eminente e catedrático pensador humanista uruguaio Eduardo Galeano)

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

@gilmar42

07 de janeiro de 2013 às 06h58

O mensalão de Abraham Lincoln http://t.co/g9h3Thm7

Responder

@midiacrucis

06 de janeiro de 2013 às 19h31

@STF_Oficial O mensalão de Abraham Lincoln – http://t.co/drYVshE6

Responder

@midiacrucis

06 de janeiro de 2013 às 19h30

@jprcampos O mensalão de Abraham Lincoln – http://t.co/drYVshE6

Responder

@klaxonsbc

06 de janeiro de 2013 às 19h06

Bom texto do Miguel do Rosário: http://t.co/FIFhHj6f

Responder

Messias Franca de Macedo

04 de janeiro de 2013 às 23h02

Os paralelos entre Vargas e Lula – 1
Enviado por luisnassif, sex, 04/01/2013 – 08:00
Autor: Luis Nassif
Coluna Econômica

Esses tempos de Comissão da Verdade – tentando levantar os véus do período militar -, mais a extrema turbulência que cercou o julgamento do chamado “mensalão” suscitaram comparações entre os períodos Vargas-Jango e Lula-Dilma.

Vale a pena uma identificação mais clara de semelhanças e diferenças.

***

Ambos os períodos foram de intensa inclusão social, no período Vargas a inclusão das novas classes trabalhadoras, em polos industriais localizados e, em parte, na zona rural nordestina, em torno de sindicatos e organizações de camponeses; no período Lula, de forma disseminada pelo país.

Esse era o jogo: Vargas e Lula consolidando projetos nacional-populares; a oposição ancorada em dois discursos: a anticorrupção e um inacreditável anticomunismo, mesmo após o fim do comunismo.

***

Havia uma lógica econômica e outra política por trás das ações de Vargas e Lula. A econômica, de modernização do capitalismo brasileiro, através do fortalecimento do mercado de consumo interno e da parceria com grandes grupos nacionais. Do lado político, a consolidação eleitoral massacrante, com as novas classes aderindo em massa ao líder que lhes abriu espaço.

(…)

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/os-paralelos-entre-vargas-e-lula-1

Responder

Anuário do spin

04 de janeiro de 2013 às 00h17

Dias atrás li um artigo dando-nos conta de que Obama “comprou’ congressistas para aprovar uma lei, e olhe que, no caso do Brasil, não há a menor prova de que tal “compra” tenha ocorrido, muito pelo contrário, o que há são provas de que o “mensalão” não ocorreu

Responder

Iuri

03 de janeiro de 2013 às 23h29

Muito bom!

Responder

Antropos

03 de janeiro de 2013 às 23h29

Legal, mano!

Responder

Deixe um comentário