Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

MP tenta mais um golpe contra a democracia

Por Miguel do Rosário

16 de janeiro de 2014 : 17h52

Ai, ai ai. Quanto mais a gente reza, mais assombração aparece. O MP, não contente de seus superpoderes, inflados com a derrubada da PEC 37, agora quer mais um poder, o de se superpor à Justiça Eleitoral e iniciar investigações sobre irregularidades eleitorais por sua conta e risco. Com apoio da Globo, claro.

O artigo do Paulo Moreira Leite resume bem este novo ataque dos “estamentos” weberianos à democracia. É claro que é um movimento perigossíssimo, porque dá poder aos procuradores para praticar todo o tipo de barbaridades às vésperas de uma eleição, manipulando seus resultados.

Esperemos que o Congresso e o STF não se vergue à mais essa tentativa de manietar a democracia, transformando-a cada vez mais numa guerra suja protagonizada por procuradores e juízes, de um lado, e advogados cada vez mais milionários, de outro; e com a mídia como maestro.

Eleição tem que ser decidida pelo eleitor, e só.

*

QUEM GANHA COM JANOT?

Ampliar papel do MP na campanha criminaliza debate político e ajuda oposição

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog.

Um exercício político que costuma dar bons frutos é colocar-se na posição de oprimido.

O Ministério Público fez assim na PEC 37, quando acusou o Congresso de trabalhar pela impunidade dos corruptos quando debatia a manutenção de uma indispensável divisão de poderes, típica de toda democracia digna deste nome, onde a parte que investiga (a polícia) não pode ser a mesma que acusa (o Ministério Público) sob o risco de se criar uma Justiça que trabalha para atingir resultados pré-definidos.

Quando a PEC 37 foi rejeitada, no rescaldo dos protestos de junho, o Congresso parecia em clima de felicidade nacional.

Em sua nova investida, o Ministério Público quer ampliar seu papel na campanha de 2014. Como?

Pretende recuperar o direito de abrir inqueritos de crime eleitorais por sua conta e risco, sem precisar de autorização de um juiz competente.

Depois de ultrapassar os delegados, na PEC 37, o que se quer, agora, é ultrapassar os juízes do TSE, que tomou essa decisão pelo voto unanime do plenário, menos o de Marco Aurélio de Mello.

Deixando toda ingenuidade e toda hipocrisia de lado, sabemos muito bem quem vai ganhar com isso: os candidatos que, no plano federal e no estadual, podem contar com simpatia do Ministério Público.

Não acho que os procuradores são puro braço político das máquinas partidárias.

Mas casos recentes, de grande repercussão política, recomendam uma imensa cautela a esse respeito.

É difícil sustentar que o Ministério Público tem assumido uma postura política neutra.
Basta comparar a rapidez exibida ao apurar denúncias contra o governo Lula-Dilma e contra o PSDB.

Se para apurar a Ação Penal 470 o ministério público levasse o mesmo tempo gasto para apurar o propinoduto do metrô do PSDB paulista, os réus do PT só teriam sido levados ao tribunal em 2020.

Até pedido da justiça Suíça foi engavetado – com a explicação de que fora deixado na gaveta errada.

Não é o único caso a mostrar que o ministério público também atua políticamente.

Denúncias que podiam comprometer o DEM do Rio Grande Norte no desvio de verbas do Estado foram arquivadas. Idem para denúncias que atingiam o senador Demóstenes Torres, inimigo de todas as horas do governo Lula.

Crimes eleitorais devem ser apurados, sim, mas com cautela, para impedir que uma campanha se transforme num show de denuncismo, que empobrece o debate político. Para isso a moderação de um juiz é indispensável.

No mundo real das campanhas eleitorais, não é preciso provar nada. Basta acusar – e alimentar os meios de comunicação amigos com denúncias.

São-Paulo-2206_opt

Coxinhas manipulados que ajudaram a derrubar a PEC 37, que imporia regras ao MP

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Weslley Souza

17 de janeiro de 2014 às 14h44

La vem mais investigações seletivas….

Responder

Queile Nelson Soares

16 de janeiro de 2014 às 21h06

O que fazer???

Responder

Deixe um comentário

Por que devemos confiar nas Urnas Eletrônicas? Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará