Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Quem Eduardo Campos apoiará num segundo turno?

Por Miguel do Rosário

17 de janeiro de 2014 : 12h16

O cientista político Theófilo Rodrigues, nosso companheiro de Barão de Itararé aqui no Rio de Janeiro, além de dirigente do PCdoB-RJ, conclama os parceiros do Partido dos Trabalhadores a NÃO destruírem totalmente a ponte que, durante os últimos anos, ligou o PT de Lula e o PSB de Eduardo Campos.

Trecho:

Os dois partidos estiveram juntos desde a primeira eleição de Lula em 1989 e dentre as lideranças do PSB está Roberto Amaral, vice presidente nacional do partido e um dos maiores quadros da esquerda brasileira, adversário feroz dos tucanos. Além disso, nada de tão grave ocorreu até agora para que os dois históricos aliados se distanciem.

Theo, por fim, faz uma dura crítica ao recente chute no pau da barraca dado por um petista, que chamou Eduardo Campos de “tolo” em artigo publicado no Facebook do partido.

Prevendo um segundo turno entre Dilma e Aécio Neves, Theo acha que o PT não deve desistir de ter Campos a seu lado neste momento.

Eu tendo a concordar com o Theo, mas lembro que Campos tem feito inúmeros movimentos no sentido de se aliar preferencialmente com Aécio Neves do que com Dilma, num eventual segundo turno. Com isso, é o próprio Campos que está aderindo ao pólo adversário. Campos não tem batido na direita, na mídia, no PSDB. Ele só bate no PT. Então é natural que, hora ou outra, haja reação. Ele está provocando, e quando alguém reage, finge-se de vítima, com ajuda da mídia.

Por outro lado, concordo que uma aliança de última hora entre o PSB e PT representaria um lindo xeque-mate no PSDB e na direita brasileira. O programa do PSB é muito mais petista do que tucano, e a própria história recente de Campos liga-se muito mais à Lula e Dilma do que ao campo oposto. É uma pena que ele tenha se deslumbrado com os holofotes da mídia e aderido ao time adversário. Mas em política, tudo pode mudar.

*

Eduardo Campos e a Ballottage

Por Theófilo Rodrigues, em seu blog.

Janeiro de 2014. Faltam cerca de nove meses para as eleições presidenciais no Brasil e até o momento três candidatos competitivos despontam no cenário político nacional: Aécio Neves (PSDB); Dilma Rousseff (PT); e Eduardo Campos (PSB). Se por um lado é intuitivo apontar o favoritismo da candidata à reeleição Dilma Rousseff, por outro ainda há uma certa imprevisibilidade sobre se haverá segundo turno.

No Brasil, a eleição presidencial – bem como a de prefeitos e governadores – é realizada através da Ballottage, ou, em nossas palavras, do escrutínio de dois turnos. Caso nenhum dos candidatos alcance 50% dos votos válidos no primeiro turno os dois melhores votados disputam um segundo turno. Esse sistema de Ballottage, nascido na França de Napoleão III e importado para a margem de cá do oceano, garante que apenas um governante com real maioria da sociedade seja eleito. Reforça, portanto, em grande parte a representatividade e a governabilidade, ainda que muitas vezes não seja o suficiente.

Há certo consenso dentre os analistas políticos de que, caso haja segundo turno nas eleições presidenciais desse ano, uma das duas vagas estará com Dilma Rousseff. Mas e a outra vaga? Bem, até o momento Aécio Neves parece possuir vantagem sobre Eduardo Campos na corrida por essa segunda vaga. Além de possuir enorme vantagem sobre Campos no sul e sudeste – o PSDB governa hoje importantes estados do ponto de vista eleitoral como São Paulo, Minas Gerais e Paraná – Aécio conta ainda com um partido nacional bem estruturado, enorme capacidade de captação de recursos financeiros e simpatia dos grandes meios privados de comunicação.

Ainda que tenha conquistado um apoio de peso para sua chapa presidencial com a entrada da ex-candidata Marina Silva e como consequência ampliado suas fontes de recursos privados – Marina traz consigo o banqueiro Roberto Setúbal dono do Itaú – a vida de Campos não será fácil. O governador de Pernambuco ainda não conta com um partido nacionalmente forte e estruturado capaz de lhe oferecer palanques competitivos em todos os estados. Razões que indicam a maior possibilidade da segunda vaga estar com Aécio Neves num possível segundo turno.

A questão que assim se coloca é: caso haja um segundo turno entre Dilma Rousseff e Aécio Neves, para onde irá Eduardo Campos? Qual dos dois o pernambucano apoiará?

Considerada apenas a coerência política, programática e ideológica, o PSB rumará com o PT num segundo turno. Os dois partidos estiveram juntos desde a primeira eleição de Lula em 1989 e dentre as lideranças do PSB está Roberto Amaral, vice presidente nacional do partido e um dos maiores quadros da esquerda brasileira, adversário feroz dos tucanos. Além disso, nada de tão grave ocorreu até agora para que os dois históricos aliados se distanciem.

Contudo, reparem bem no “até agora”.

A inacreditável carta publicada em uma rede social do PT em que o partido ofende Campos com adjetivos diretos como “tolo” e indiretos como oportunista e traidor não contribuem para essa aliança no segundo turno. Pelo contrário, ampliam a tensão dos nervos e abrem brechas para Aécio posicionar-se solidariamente ao lado do pernambucano.

Os dirigentes, líderes, militantes e aliados do PT devem se preocupar mais com a Ballottage. A política não deve ser feita apenas com a temperatura da paixão, mas também com a frieza da razão. Se o apoio de Campos e do PSB num segundo turno são desejáveis, então que mirem suas baterias para seus verdadeiros inimigos: Aécio Neves e o PSDB. Do contrário estarão apenas colocando um tapete vermelho para o embarque do velho aliado na nau tucana.

dilma_eduardo_lula

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

José Henrique

18 de janeiro de 2014 às 10h56

O Aécio Neves já o comprou. Com qual dinheiro?? Com dinheiro de venda de droga

(prezado José Henrique, vamos tomar cuidado com as palavras).

Responder

Cosme Soares

17 de janeiro de 2014 às 17h42

Vai fazer igual à Marina.

Responder

Bruno

17 de janeiro de 2014 às 14h18

Miguel, vc viu a Marchinha do Pó Royal? http://www.youtube.com/watch?v=ZQInHJrW7XI

Responder

EDSON TADEU

17 de janeiro de 2014 às 13h11

MELHOR NAO CONTAR COM O OVO NO TRZEIRO DA GALINHA,E TEM MAIS É SO VER O CASO DA TRAIÇAO DE MARINA A LULA E AO PT PARA SE TER UMA IDEIA DE QUANDO A VAIDADE TOMA CONTA DE UM POLITICO., FOI ASSIM COM ELOISA HELNA, COM MARINA E POR FIM COM EDUARDO CAMPOS. Eduardo Campos so tem um pormenor contra ele. O povo nao gosta de traíra e certamente nao vai perdoa-lo, com isso ele pode ter destruido seu futuro como politico pelo menos por um bom tempo.
Melhor que o PT FAZ é deixa-lo de lado antes que ele queira se aproximar para tirar proveito e depois cair fora. coisa peculiar de traidores.

Responder

Iêdo Medeiros Júnior

17 de janeiro de 2014 às 14h51

Com certeza se houver segundo turno, vai virar à direita.

Responder

Lulu Pereira

17 de janeiro de 2014 às 14h39

Ainda não li o texto, mas a intuição diz que ele apoiará o Cerra, se houver segundo turno.

Responder

Omar Santos

17 de janeiro de 2014 às 14h19

Não haverá segundo turno!!!

Responder

Marcelo Martins

17 de janeiro de 2014 às 14h18

Exatamente o que pensava… :)

Responder

Edsel Ferri

17 de janeiro de 2014 às 14h17

segundo turno , aonde ?

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?