Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Dilma empareda Eduardo Cunha

Por Miguel do Rosário

11 de março de 2014 : 13h30

Tenho a impressão de que Dilma está conseguindo emparedar e isolar Eduardo Cunha, deputado federal pelo PMDB-RJ.

A força de Cunha está em Sérgio Cabral, que precisa mais da Dilma do que a Dilma precisa dele.

Cunha está forçando demais a barra. Todo blefe tem limite, e no caso, este começa a ser desmascarado.

De qualquer forma, o grande jogo de forças se dará com a votação do Marco Civil.

Se o projeto de Molon, para o Marco Civil da internet, for aprovado sem grandes modificações, então saberemos que Cunha é carta fora do baralho.

Se Cunha conseguir uma vitória, saberemos que a luta será mais renhida e que Eduardo Cunha não é apenas um conservador com ligações obscuras com teles e grande mídia. Saberemos que, além de tudo isso, é um adversário da internet, da liberdade de expressão e da própria democracia.

E não vamos esquecer disso.

PS: Essa nota no Ilimar Franco de hoje confirma o “emparedamento” de Cunha.

A cúpula do PMDB fechou com a presidente Dilma e resolveu tirar de campo seu líder na Câmara, Eduardo Cunha (RJ). A direção diz que há insatisfação, mas nega que o clima seja de ruptura. A radicalização de Cunha não agrada o comando. Este o acusa de jogar só, sem combinar nada com ninguém. E o criticam por tentar mergulhar o PMDB nacional no conflito regional do Rio.

*

“O PMDB SÓ ME DÁ ALEGRIA”

Declaração é da presidente Dilma Rousseff, após encontro com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, no Palácio Presidencial de Cerro Castillo; fala se aplica a 99% do partido aliado, com exceção do líder na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), que se transformou em inimigo pessoal; e sinaliza que praticamente não há crise do PT com a maior parte da base aliada; em reuniões recentes, cúpula peemedebista fechou com Dilma e decidiu tirar Cunha de campo; vice-presidente, Michel Temer, definiu aliança como “muita sólida”

11 DE MARÇO DE 2014 ÀS 10:15, NO BRASIL 247

247 – “O PMDB só me dá alegria”, declarou nesta terça-feira 11 a presidente Dilma Rousseff a jornalistas, no Chile, após encontro com a presidente Michelle Bachelet, que toma posse hoje. A declaração sinaliza que praticamente não há crise do PT com a maior parte da base aliada e que a aliança com o partido, ameaçada nos últimos dias, está tranquila.

A frase se aplica a 99% do PMDB, com exceção do líder da bancada na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), que, com um comportamento radical e sugestões para se “repensar” a aliança, segundo ele, com base em parlamentares insatisfeitos, virou inimigo pessoal e não representa o posicionamento da cúpula do partido.

Líderes peemedebistas, como os presidentes do Senado, Renan Calheiros (AL), e da Câmara, Henrique Alves (RN), além do vice-presidente da República, Michel Temer, fecharam com a presidente em reuniões nos últimos dias, numa estratégia para isolar Eduardo Cunha. A cúpula admitiu que há insatisfação, mas não clima de ruptura.

Os dirigentes se preocupam, conforme noticia o colunista Ilimar Franco, do jornal O Globo, em deixar aberto o caminho para a recomposição, que deve acontecer após a reforma ministerial e as convenções de junho. O comportamento radical de Cunha não é uma surpresa para a direção nacional da legenda, mas acabará tirando-o de campo.

Nesta segunda-feira 10, Michel Temer garantiu que a aliança PT-PMDB está “garantida” e “muito sólida”. “Por mais que muitas vezes se diga que há embaraço, devo dizer com toda a tranquilidade que as conversas que tive ontem à noite e que tivemos hoje com as lideranças do PMDB revelam a solidez da nossa aliança”, disse. O vice já havia desautorizado Eduardo Cunha ao afirmar que apenas a convenção nacional decidirá futuro de peemedebistas, após reunião com Dilma Rousseff no último domingo.

carreira-do-deputado-eduardo-cunha-e-marcada-por-escandalos

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marta Costa

12 de março de 2014 às 00h42

Vamos ver até onde dona Dilma vai “emparedar” alguém. rsrsrsrss

Responder

Marta Costa

12 de março de 2014 às 00h38

Primeira resposta do “BLOCÃO”: http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPEA2A07K20140312

Responder

Celso Orrico

11 de março de 2014 às 14h04

Miguel concordo com vc, em breve Sergio Cabral deixa ele na estrada e pede arrego à Dilma e Lula..

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina