Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Folha & TV Cultura promovem defensores de intervenção militar

Por Miguel do Rosário

18 de março de 2014 : 03h22

Os contribuintes de São Paulo estão pagando para que a TV pública do estado, a TV Cultura, divulgue a Marcha da Família. O evento é organizado por golpistas e terroristas assumidos, embora a TV os tenha pintado com tintas graciosas.

O tal Bruno Toscano, que ganhou destaque no jornal impresso, no UOL, e agora é estrela da TV Cultura, tem longa ficha criminal.

Coleciona também um triste histórico de ameaças de morte a vozes divergentes, além de manifestações medievais e truculentas de homofobia. Ele e seus comparsas promovem, sistematicamente, o uso de armas e até o homicídio contra seus adversários políticos, aí incluindo a chefe de Estado, Dilma Rousseff.

No vídeo, contudo, Toscano amarela e fala que Dilma está “enfrentando” Sarney, que, este sim, seria aliado do “dono do mundo”. Quem pesquisar a ação de Toscano nas redes verá que a ideia que espalha de Dilma não é bem essa: ele coleciona ameaças violentas contra a presidente (leia o texto abaixo, ainda nesse post). Em qualquer país do mundo, estaria preso, a começar pelos EUA, pátria amada e gentil de nossos conservadores.

Aqui se torna estrela de jornais e TV.

O outro que aparece no vídeo é Maycon Freitas, eleito pela Veja no ano passado como “a voz que emergiu das ruas”. Hoje ele se assume, com orgulho, de direita, e também defende uma intervenção militar. “Provisória”, diz ele, sem saber que repete o que também diziam em 64.

É evidente que a mídia está procurando salvar a marcha de um fracasso absoluto. Tenta-se, a todo custo, promovê-la, por motivos que não seria difícil imaginar.

A TV Folha até tentou fazer um contraponto: uma entrevista com Clovis Rossi falando mal da Marcha, mas a tentativa é só para disfarçar.

O vídeo de Rossi não tem força, e não foi sequer promovido, tanto que foi visto por apenas mil pessoas, contra quase 50 mil pessoas que assistiram o vídeo dos golpistas.

O mais importante aqui é que a Folha não se posiciona, de maneira firme, contra uma marcha que defende uma interrupção do processo democrático através de uma nova intervenção militar. O espírito democrático da Folha não funciona quando, como diria Cazuza, seus “inimigos estão no poder”.

 

(A sugestão do vídeo, exibido na TV Cultura, onde a Folha tem um programa, veio do blog da Cidadania, que também escreveu sobre o tema.)

*

Há cinquenta anos, a Folha de São Paulo assumia-se francamente em favor da derrubada do presidente eleito, João Goulart. Para isso, o jornal, assim como quase todos os grandes meios de comunicação da época, se valiam de uma verdadeira alquimia verbal: os golpistas eram chamados de democratas e o golpe foi chamado de movimento de retorno à democracia.

Foi o maior engodo da história do Brasil. E foi preparado meticulosamente, ao longo de muitos anos, contando com gordo financiamento dos Estados Unidos.

Agora sabemos que a cúpula militar foi subornada. Há relatos de generais recebendo “malas de dólares” pouco antes do golpe.

É curioso que a Folha, que jamais se desculpou pelo apoio ao golpe, agora dê tanto espaço a Bruno Toscano, um dos organizadores da Marcha da Família, a qual defende, entre outras coisas, justamente uma nova “intervenção militar”.

Entretanto, o problema maior não é dar atenção à Marcha, já que é um evento bizarro o bastante para despertar o interesse público e jornalístico. O problema é não dar ao leitor um mínimo de informação sobre o entrevistado, o senhor Bruno Toscano.

Os internautas nos ajudaram a fazê-lo, embora me pedindo que não divulgue seus nomes, porque, segundo eles, Toscano já os ameaçou de morte várias vezes. Já foi montado inclusive um “Dossier Kipedia” com fotografias sobre o comportamento de Toscano nas redes.

São ameaças de morte à presidente da república e militantes de esquerda de forma geral, incitações ao terrorismo político, homofobia descarada.

Vou reproduzir apenas uma dessas coisas:

bruno toscano

 

Por que a Folha não pesquisa sobre o personagem antes de jogar tantas luzes sobre ele?

A reportagem diz ainda que um dos apoiadores da marcha no Rio é Maycon Freitas, “técnico em segurança do trabalho”. A Folha já foi mais profissional. Maycon Freitas trabalha para Globo, como dublê, conforme descobriu este blog. Freitas ganhou notoriedade ano passado, ao aparecer nas Páginas Amarelas da Veja, como a “nova voz que emergiu das ruas”. A matéria compunha uma das tentativas da mídia de manipular as manifestações em favor da direita e contra o governo federal.

maycon-freitas-veja

Um dos nossos amigos da blogosfera fez até um videozinho com a figura. Vale a pena ver de novo:

Tem mais: as mesmas figuras foram identificadas como os agressores de pessoas que participavam do Foro de São Paulo, no ano passado.

A nossa mídia agora se degenerou a tal ponto que vai promover terroristas?

PS do Fernando Brito: Miguel, a Folha poderia aproveitar o ensejo e perguntar sobre o que é a queixa-crime apresentada contra o Bruno Toscano Franco na 1a. Vara Criminal de São Paulo, no processo 00006262820148140401 do Tribunal de Justiça do Pará.

Ps 2 do Miguel: Tem muito mais coisa, Fernando. A ficha do cara é pesadíssima, mas poupei os leitores; uns amigos guardaram muitas fotos com suas ameaças. Se precisar a gente publica tudo aqui.

ScreenHunter_3508 Mar. 18 03.24

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Eduardo Cavalcante Magalhaes

20 de março de 2014 às 10h49

A DIREITA FASCISTA, DE MATO GROSSO, ATRAVÉS DO MAIOR LÍDER PEDRO DEMOSTRES OU TAQUES MENDONÇA – PDT SDD PPS PSDB PSB REDE PV

http://www.brasil247.com/pt/247/matogrosso247/133766/Pedro-Taques-pode-perder-mandato-por-erros-em-registro-eleitoral.htm

Responder

José Sabino, o Pueril

19 de março de 2014 às 16h23

Nobre e cítrico Paulo,

Primeiro leia “A Privataria Tucana”, em seguida “O Príncipe da Privataria” e, finalmente, “Operação Banqueiro”.

Depois conversaremos.

Sobre o ‘mensalão do PT’, nada quero mencionar. O tempo – e breve – nos trará ótimas respostas e necessários esclarecimentos.

Quanto aos progressos observados no País pelos governos do PT não há como lhe mostrar. Confesso que o tio sam tem mais dinheiro do que eu. Não posso, assim, comprar toda a imprensa para força-la a mostrar alguma informação. Porque até agora ela só desinforma.

José Sabino
O Pueril

Responder

Suzana De Souza Leão

19 de março de 2014 às 12h36

O vídeo é patético, mostra um grupo de desequilibrados falando besteiras. Essa marcha vai entrar pra história como um acontecimento hilário, digno de ser contado como anedota!

Responder

Nelma F. Santos

19 de março de 2014 às 10h44

Estou muito preocupada , muita gente que conheço apoiando , infelizmente !

Responder

Katarina Peixoto

18 de março de 2014 às 22h02

Ah, não, o posicionamento editorial tá na ediçào e na trilha, absolutamente primorosos. O vídeo é hilário.

Responder

O Cafezinho

18 de março de 2014 às 20h46

Marco Stipp Tem diferença. Eu trouxe informações sobre quem são os entrevistados, as lideranças da Marcha, contextualizei-os. A Folha não fez isso. Infelizmente tem muita gente que leva isso à sério, e gente com muito dinheiro. Um posicionamento editorial firme contra o golpismo seria benvindo, ainda mais por parte de uma empresa que, exatamente há 50 anos, ajudou a organizar a primeira edição da Marcha e usou-a para chancelar um golpe de Estado.

Responder

Guilherme

18 de março de 2014 às 16h56

Perguntei a um colega que disse que, se houver, vai participar da marcha da família com Deus, se ele vai levar a amante também.

Responder

Celso Orrico

18 de março de 2014 às 16h47

Miguel o Bob Fernandes ontem escrachou esse tipo de vivandeiras no Jornal da TV Gazeta, não sei se ele ainda continuará comentando por lá..na minha opinião essa manifestação vai micar e seguirá célere à caminho do esgoto..

Responder

Ricardo

18 de março de 2014 às 15h17

Não sei se é correto inferir que a Falha apoiou o movimento celerado neo-64. A edição foi irônica (assim como foi a da famosa entrevista do Rei do Camarote). Deram corda e deixaram eles se enforcarem no monte de baboseiras que disseram.

Responder

Paulo Prado Queiroz Filho

18 de março de 2014 às 13h48

Essa é a tática de tentar aterrorizar para convencer, infelizmente tem muuuuita mente retardada que cai nessa

Responder

Lulu Pereira

18 de março de 2014 às 13h00

Pra Folha e tv Cultura (sic) se colar, colou

Responder

Joao Felipe Martins

18 de março de 2014 às 12h58

Eu achei também que tiraram sarro das ideias deles.

Responder

Gabriel Massena

18 de março de 2014 às 12h38

Eles ridicularizaram o negócio.

Responder

Daniel Ferreira

18 de março de 2014 às 12h22

Assisti a matéria, nao tem nada de positivo pro movimento.

Responder

Marco Stipp

18 de março de 2014 às 11h56

Pensando assim, este post também está fazendo propaganda… Vendo o vídeo fica claro que se trata mais uma “propaganda negativa”. As pessoas entrevistadas são completamente débeis mentais. Merecem ser expostas e ridicularizadas.

Responder

Mauro Coelho

18 de março de 2014 às 10h28

Esqueceram de falar para este zé ruela que estamos em 2014, 64 nunca mais!

Responder

Levinson Santos

18 de março de 2014 às 08h36

Engraçado…e logo as duas empresas que empregavam o Vladimir Herzog quando foi preso, torturado e morto.

Responder

João Maurício Pimentel

18 de março de 2014 às 08h11

Tá todo mundo na fita, Miguel! A ficha do PT é que ainda não caiu!!!!

Responder

Deixe uma resposta