Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Greves e manifestações tomam conta da… França

Por Miguel do Rosário

15 de maio de 2014 : 10h47

Minha mulher está na França, para um trabalho. Ela me conta que, no país cuja principal fonte de renda é o turismo, e que recebe a maior quantidade de turistas do mundo, estão acontecendo, neste momento, greves de motoristas de táxi, de rodoviários, de controladores de vôo, etc.

Fosse aqui no Brasil, a imprensa ajudaria a propagar a ideia de caos. Na França, é um processo inerente à uma democracia onde seus trabalhadores estão sempre em luta por melhores condições de vida. Eles estão acostumados.

Ontem, passando pela Cinelândia, eu vi um monte de gente carregando cartazes em frente à Câmara de Vereadores. Pelo que entendi, era uma manifestação de engenheiros que tentam aprovar uma lei que beneficie a categoria. Uma das placas era um recado para o prefeito Eduardo Paes, dizendo que eles, engenheiros, tinham a solução para reduzir o atraso nas obras públicas.

Eu me senti em Nova York, cidade que já visitei uma vez, mas que conheço sobretudo através de filmes. Lembro de um, por exemplo, no qual a personagem volta à Nova York após um tempo fora; parada no táxi, observando uma manifestação política lá fora, ela fala sozinha: ah, como eu amo Nova York! Acho que foi Sex in the City, e a personagem era a voluptuosa e insaciável Samantha.

Claro que não quero ver greves se espalhando Brasil a fora, sobretudo em áreas essenciais do serviço público. Mas acho que a aparente instabilidade do regime democrático, com sua liberdade de greves e manifestações, aponta um futuro muito mais seguro, estável, feliz, do que a pasmaceira das ditaduras.

O problema é que o brasileiro tem uma visão do primeiro mundo exclusivamente turística. Ele viaja a Nova York, Miami ou Paris e conhece lugares bonitos, limpos e seguros, e não tem ideia de que aqueles mesmos lugares já foram sujos, miseráveis e violentos. Foi preciso muita luta, muita manifestação, muita greve, muita política, para mudar a situação.

Os cidadãos do mundo desenvolvido não melhoraram de vida reclamando em facebook. Não somente foram às ruas, como escreveram livros e fizeram filmes denunciando a mídia (uma tradição nos EUA) e a concentração de renda (uma tradição na Europa).

Tenho certeza que nós, brasileiros, iremos chegar lá, porque estamos trilhando o caminho certo. Os percalços políticos que enfrentamos perfazem a nossa experiência. Nossas angústias, nossas derrotas, nossos erros, tudo isso contará em nosso favor, porque são experiências que nos permitirão avançar mais fortemente em seguida.

Link de matéria no Le Monde sobre manifestações na França.

 

ScreenHunter_3744 May. 15 10.46 ScreenHunter_3743 May. 15 10.46

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Edvaldo Guaraci

17 de maio de 2014 às 13h49

Pra quem não sabe, a “poderosa” Europa está sofrendo com o desemprego e o arrocho salarial e estão invertendo o fluxo migratório. Espanhóis, italianos, Gregos e portugueses chegam as centenas ao Brasil, em busca de empregos que o neo-liberalismo destruiu na Europa e EUA. A gloebells, naturalmente , só mostra o Haitianos…será que é pela cor da pele ?

Responder

O Cafezinho

16 de maio de 2014 às 19h57

sim, houve politização sim. e se chacoalhou os sindicatos pelegos.

Responder

Xandão

16 de maio de 2014 às 12h19

Miguel, já estive em Paris três vezes. Em uma delas, com minha mulher, resolvemos ir ao Louvre no primeiro dia, porque o hotel ficava perto. Entramos, passamos um dia ótimo. No dia seguinte, ao caminhar perto do museu, os funcionários começaram uma greve de uma semana. Uma semana sem Louvre em Paris. É do jogo e ninguém reclama lá. Eles entendem. Oxalá cheguemos a esse ponto.

Responder

Guilherme Preger

16 de maio de 2014 às 01h33

Faltou fazer o link entre as manifestações do ano passado e as greves de agora. As manifestações politizaram as ruas e as relações sociais e trabalhistas. O ponto de inflexão foi a greve dos professores em novembro, com a união entre manifestantes (incluindo Black Blocs) e os professores. A greve dos garis, condenada pela Grande Mídia, foi amplamente apoiada pelos mesmos coletivos que foram às ruas ano passado. As greves significam um segundo momento do grande movimento de politização que começou em junho do ano passado…

Responder

Fatima de Freitas

15 de maio de 2014 às 21h20

Absolutamente nulo o seu comentario rubem gonzalez. A exploraçao dos povos, foi e continua sendo feita por uma minoria. O povao à seculos sofre as guerras e as injustiças. A Uniao Europeia è uma especulaçao do ultra capitalismo que esta deixando, cada dia mais, o povo europeu no sofrimento e na miseria. A gente tem que estar muito atento de QUEM SAO NOSSOS VERDADEIROS INIMIGOS, se nao, estaremos fazendo o “joguinho” dos verdadeiros adversarios.

Responder

PIG - Partido da Imprensa Golpista

15 de maio de 2014 às 15h06

Olá amigos! Mais um dia, juntos, vamos combater as manipulações e mentiras do PIG? Curtam e compartilhem nossa página: https://www.facebook.com/Brasilantipig

Responder

Maria

15 de maio de 2014 às 11h04

Há manifestações no Brasil e no mundo para hoje, sobre a COPA. E aí Miguel, estas manifestações visam o quÊ?

http://www.otempo.com.br/cidades/movimentos-prometem-grande-manifesta%C3%A7%C3%A3o-para-esta-quinta-feira-15-1.844931

Responder

Rubem Gonzalez

15 de maio de 2014 às 13h59

a europa nos próximos 100 anos com o processo de colonias e exploração de outros povos exauridos deve voltar a sua atividade medieval que são guerras entre suas trocentas etnias e viver disso como viverm por mais de 1500 anos.
A europa com a sua aversão ao trabalho e apego a exploração está se aproximando do fundo do poço, melhor guerrearem entre si.

Responder

    Xandão

    16 de maio de 2014 às 12h21

    Rubem, se a Europa retroceder 200 anos, continua uns 300 à frente do Brasil.

    Responder

Deixe um comentário