Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Kaos Total: Bloco de Notas #7

Por Bernardo Oliveira

17 de junho de 2016 : 14h42

Toda sexta. Sobre música e adjacências.
Por Bernardo Oliveira*, editor de música do Cafezinho.

— A trajetória do compositor e saxofonista Idris Ackamoor e seu grupo, The Pyramids, se inicia no início dos anos 70, marcada pela experimentação com jazz e ritmos africanos e por apresentações incendiárias que misturavam dança, teatro e performance. Ao lado de Margo Simmons (flauta) e Kimathi Asante (baixo), Ackamoor foi, ao lado de Sun Ra, Mtume Umoja Ensemble, entre outros, expressão viva do experimentalismo político afro-norte-americano que deu sequência às aspirações revolucionárias da Fire Music dos anos 60. O grupo encerrou as atividades em 1977 e retornou em 2012 para lançar o disco Otherwordly. Em 2015, reaparecem com o single “Rhapsody in Berlin (part I e II)” pelo selo Philophon. Este ano marca o surgimento de We be all africans pelo selo britânico Strut, um retorno mais “afrobeatificado” do que o desejável, mas que conserva a densidade que marcou discos como Lalibella (1973) e King of Kings (1974).

[bandcamp width=350 height=470 album=3890065164 size=large bgcol=ffffff linkcol=0687f5 tracklist=false]

— Notícias do reggae, dub e adjacências: dois lançamentos se destacaram nos últimos dois meses na seara dos sons anglo-jamaicanos. O primeiro foi Mad Professor meets Channel One Sound System, reunindo o incontornável produtor guianense Mad Professor e o sistema de som britânico Channel One Sound System, formado originariamente por Mikey Dread e seu irmão Jah T, que conta hoje com Ras Kayleb no microfone e nos versos. Grooves e timbres fortes e etéreos, muitos efeitos panorâmicos e uma agitação comum às apresentações de Mad Professor, presença constante na programação musical brasileira. Outro lançamento que vale destacar vem da dupla Tapes & DJ Sotofett, o single “Dub Happy/Dubaton”, deveras surpreendente para quem, como eu, conheceu o trabalho de DJ Sotofett através do disco Drippin’ For A Tripp (Tripp-A-Dubb-Mix), de 2015, mais próximo das experiências de Adrian Sherwood no African Head Charge do que do dub psicodélico. Ouça este EP aqui.

Julho de Mautner: o grande cantor, compositor, escritor e “nosso líder” Jorge Mautner ocupará a Audio Rebel (RJ) por quatro datas durante os dias 5, 12, 19 e 26 de julho. Oportunidade rara e única de assistir a um dos pontas de lança do tropicalismo (e além), escritor e autor de clássicos da canção popular como “Maracatu Atômico”, “O Vampiro” e “Lágrimas Negras”. Confira a programação e informações sobre vendas antecipadas no cartaz abaixo e nos links a seguir:
Cartaz: Mariana Mansur.

Cartaz: Mariana Mansur.

— A revista inglesa Sounds and Colours lançou recentemente através de seu Bandcamp, a coletânea Sonidos Raíces del Perú. Tomando como ponto de partida a coleção de gravações de campo recolhidas pelo cineasta francês Vincent Moon (parte pode ser escutada aqui) durante uma viagem para o Peru em 2013, o trabalho apresenta reinterpretações destas gravações realizadas por um grupo de produtores e músicos como o argentino El Remolón (alter ego do produtor Andrés Schteingart) e Psilosamples aka Zé Rolê. O produtor mineiro de Pouso Alegre, responsável pelo trabalho mais original de música eletrônica brasileira ao lado dos funkeiros, apresenta uma remodelação imprevisível da faixa “Qoychuquy”, através de uma utilização meticulosa de timbres digitais e alterações constantes de clima e ritmo.
[bandcamp width=350 height=470 album=3040780506 size=large bgcol=ffffff linkcol=0687f5 tracklist=false track=262237692]

— Dois artistas originais de diferentes gerações em uma colaboração que promete. O encontro entre o Sun Araw (projeto liderado pelo norte-americano Cameron Stallones) e o Laraaji (o também norte-americano Edward Larry Gordon) resultou no álbum Professional Sunflow, lançado pelo recém-criado selo W.25th. Laraaji é conhecido por tocar a cítara e entoar cantos místicos, contribuindo fundamentalmente para construir o que conhecemos hoje como ambient music. Já o Sun Araw desenvolve um dos trabalhos mais originais dos últimos dez anos, carcaterizando-se por uma desfragmentação de gêneros como o reggae e o funk através da combinação de timbres acústicos e eletrônicos. Ouça abaixo dois excertos das faixas “Leipzig” e “Lausanne”:

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/playlists/220002913″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”100%” height=”450″ iframe=”true” /]

Tristan Perich é norte-americano de Nova Iorque que produz a partir da convergência entre elementos de matemática, física, som, música e trabalhos específicos com suportes sonoros e artes visuais. Em 2017 e 2010 lançou 1-Bit Music e 1-Bit Symphony respectivamente, que consistiam em experimentos com suportes: um circuito digital capaz de organizar sons de 1-Bit inseridos em uma caixinha de CD (veja aqui) com entrada para fones. Desta vez ele lança Noise Patterns, seguindo o mesmo princípio, com resultados diferentes. A música não é reproduzida por um “CD”, mas por seu próprio “instrumento”, um circuito eletrônico adaptado a um cartão de papel. As composições de 1-Bit se caracterizam por uma sonoridade áspera e rigorosa, organizada sob um princípio paródico análogo à diversificação expositiva da forma-sonata. Reparem na faixa abaixo o circuito montado por Perich e sua composição ruidosa:

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/267025715″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”100%” height=”450″ iframe=”true” /]

— Após lançar em fevereiro deste ano o 7″ Intenção, o quarteto paulistano RAKTA antecipou uma prévia do próximo lançamento: III está programado para vir à tona dia 8 de julho de 2016 durante a turnê do grupo pelos EUA e Japão, através dos selos Iron Lung Records (EUA), Nada Nada Discos/Dama da Noite Discos (BR) e Dê o Fora (ES). O disco contém 6 faixas, entre as quais as duas disponíveis abaixo. Formado por Maria Paula Aurora (voz e teclado), Nathalia Viccari (bateria), Laura Del Vecchio (guitarra) e Carla Boregas (baixo), o som do RAKTA lembra um monte de coisas, mas não se parece diretamente com nada. Elementos do pós-punk do The Pop Group e Suicide e do rock psicodélico convergem em faixas boas de se escutar em alto e bom som.

[bandcamp width=350 height=470 album=2967149643 size=large bgcol=ffffff linkcol=0687f5 tracklist=false]

Outro Tempo: Electronic and Contemporary Music from Brazil, 1978-1992 é uma coletânea produzida pelo DJ e colecionador John Gómez para o selo holandês Music From Memory. A intenção, segundo o madrilenho Gómez, é explorar as “bordas da música brasileira, onde ritmos indígenas se misturam com sintetizadores, onde a MPB se mistura com computadores e tambores.” Não tive acesso à lista de faixas, mas imagino que deva pintar algo de May East e Akira S…  Abaixo, uma faixa com Andréa Daltro e seu LP Kiuá, originalmente lançada pelo selo Estúdio de Invenções em 1988. 

— Acaba de ser lançado pelo selo Goma Gringa Discos a versão em vinil do disco Cambaco, que marca o retorno do compositor, instrumentista e cantor Vicente Barreto. Parceiro de grandes nomes da música brasileira como Vinícius de Moraes, Gonzaguinha, Tom Zé, entre outros, Barreto lançou um dos álbuns de 2015 após 10 anos de hiato. Compositor de grandes sucessos como “Tropicana” (mais conhecida como “Morena Tropicana”) na voz de Alceu Valença e “Hein?”, parceria com Tom Zé, Barreto renovou seu trabalho ao lado de artistas da música paulistana contemporânea como Manu Maltez, Kiko Dinucci, Romulo Fróes, Rodrigo Campos e seu filho Rafa Barreto. Gravado e mixado no Red Bull Studios, o disco conta com as belas ilustrações do multiartista Manu Maltez e tem a produção musical de Marcelo Cabral (Criolo, Metá Metá, MarginalS, Elza Soares, etc). Mais informações neste link.

*Professor da Faculdade de Educação/UFRJ, autor de “Tom Zé — Estudando o Samba” (Editora Cobogó, 2014).

_______

As editorias de cultura são financiadas pelos próprios leitores do Cafezinho. A doação segue integralmente para os autores das colunas. Se quiser colaborar com essa editoria, clique no botão abaixo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe um comentário