Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha
Foto Rovena Rosa Por Bajonas Teixeira de Brito Junior, Colunista político do Cafezinho A visão de policiais federais uniformizados para a guerra, perfilados hoje diante da sede nacional do PT, faz lembrar o dia em que Lula foi levado para depor sob vara no aeroporto de Congonhas. Naquela data [...]

Foto: Rovena Rosa_Agência Brasil

Retrato do Brasil hoje – a delicadeza da diversidade contra os uniformes do golpe

Por Bajonas Teixeira

23 de junho de 2016 : 19h22

(Foto: Jornalistas Livres).

Por Bajonas Teixeira de Brito Junior, Colunista político do Cafezinho

A visão de policiais federais uniformizados para a guerra, perfilados hoje diante da sede nacional do PT, faz lembrar o dia em que Lula foi levado para depor sob vara no aeroporto de Congonhas. Naquela data os uniformes camuflados também foram usados para dar um toque suplementar de truculência ao cerimonial do golpe.  Essa reedição dos uniformes, e a mensagem óbvia ligada a eles, faz pensar na situação do Brasil hoje. Os direitos da diversidade, que são atualmente a forma mais palpável dos direitos humanos, apavoram a parte golpista da classe média que foge, como o diabo da cruz, de toda forma de diversificação. Enquanto  a ONU promove à diversidade com inúmeras iniciativas, e os países mais democráticos do planeta aderem incondicionalmente a ela, o Brasil acelera em marcha ré e movimento retrógrado.

O horror à diversidade esteve desde a primeira hora no centro do governo interino de Michel Temer, que, para ferir a diversidade cultural, baniu do ministério as mulheres, os negros, os gays, e até a própria cultura. Episódios como a invasão da UNB por um grupo de fascistas, um deles vestindo trajes camuflados (17/06) ou o ataque com mais de 200 camionetes e carros contra famílias de índios na fazenda Yvu, no Mato Grosso do Sul , que resultou no assassinato de um jovem índio (14/06), mostram a conclusão lógica do ódio à diversidade.

Em oposição a esses ferozes ímpetos regressivos, inimigos dos direitos humanos, da democracia e do estado de direito, que assombram a fisionomia desses dias conturbados, uma outra tendência com sentido contrário se desenha cada vez com mais nitidez.

Foto Alessandra Ceregatti

Foto Alessandra Ceregatti

No Brasil hoje acontece uma efervescência nas ruas que se expressa como uma surpresa estética, pela investida das imagens que invadem o campo visual a cada vez que uma manifestação contra o golpe se põe em marcha. Não apenas a diversidade em sentido político (as investidas da representação de identidades de gênero, cor, sexo, periferias, etc.), mas ainda a interferência de imagens avessas à uniformidade. E é isso que faz com que o próprio bloco de alguns milhares de pessoas reunidas, às vezes bem menos que isso, assuma a forma de um agrupamento estético provocativo. Isso é um dado novo na paisagem.

Nessa poética visual se manifesta a delicadeza da diversidade, sua capacidade de acolher o que é variável e diferente, o que é totalmente alheio, e de ser por, por um gesto de reflexão, no lugar de muitos outros. Uma sensibilidade que não se irrita e se torna violenta quando depara o que é estranho, mas se felicita com ele.

Contra essa diversificação, se ergueu a resistência robótica, reativa, uniformizada e indiferenciada, que chegou a despejar nas avenidas carregamentos em massa de indivíduos homogêneos. E barracas idênticas, cheirando a plástico novo, saídas dos bolsos da FIESP. Enfim, perfilou-se contra a variedade anárquica antigolpe uma massa pré-fabricada, que só aspira a expressar um espetáculo do igual, do idêntico e do costumeiro. O verde e amarelo, tradicionalmente vinculado a um espetáculo privado, o futebol monopólio da CBF, recebeu então uma consagração patriótica de marketing da Globo e se edificou como lugar de uma unidade fictícia de nação.

Essa apropriação da camisa da seleção desenhada pela CBF –  entidade que, junto com a FIFA, há muito está no centro de escândalos de corrupção – para simular patriotismo e adornar um pretenso combate à corrupção, se denuncia a si mesma como falcatrua simbólica. A camuflagem com a camisa canarinho só serve para expressar a falácia nua e crua.

Esses cultores da semelhança e da uniformidade odeiam tudo que não é espelho. Uma classe social narcísica que só se relaciona ao que é diverso dela através do ódio. Não à-toa os crimes de ódio cresceram 84% durante o período eleitoral no segundo semestre de 2014. E de lá para cá só se multiplicam os ódios às mulheres, aos negros, aos gays, aos jovens das periferias, etc.

Basta ver as imagens do dia 13 de março, quando a direita foi à rua em massa e, como a mais fiel das suas imagens, o espetáculo fóssil que contemplamos na Avenida Paulista. A infinda repetição do idêntico, como sementes transgênicas espalhadas sobre o asfalto. Todas uniformemente verdes e amarelas. Todas se prostrando submissas e serviçais diante da grande Pirâmide de listras verdes e amarelas da FIESP. Uma classe social de adoradores fanáticos do poder.

O confronto entre democracia e golpe manifesta o contraste de duas possibilidades de ser e existir muito distintas: uma que tem sua força na geração de identidades que desafiam os padrões exclusivos (como o casal hétero desafiado pela diversidade sexual), e outra, a das massas (de manobra) que vestem-se uniformemente de verde e amarelo, anunciando com isso sua renúncia a exercer uma identidade divergente e, com esse fracasso, recuando para a fidelidade a identidade histórica do Brasil como um país forjado entre violências e desigualdades.

Por trás dessas massas, ditando seus desejos, não está propriamente o patriarcalismo mas um superpatriarcalismo descendente de senhores de escravos e caçadores de índios. Em conformidade com a história congelada brasileira, as mesmas elites que, por quatrocentos anos, viveram da escravidão, hoje vivem da corrupção. Estas, despois da Abolição em 1888, inspirados pelo ódio, criaram uma República – essa mesma que alimenta nossos pesadelos hoje – cuja única função era a de ser um fantoche de suas ambições.

Essa República, como aprendemos desde Os bestializados, de José Murilo de Carvalho, já em seus primeiros anos de existência, reduziu drasticamente o número de eleitores, aumentou imensamente a repressão policial, retirou dos lugares centrais da cidade os pobres e os negros e os jogou para as periferias. Aumentando em muito a carestia, tornou a vida insuportável para quase todos, e investiu no desejo alucinado de criar uma sociedade racialmente pura. Assim, foi todo o nosso século XX. Um pesadelo que se alternou entre ditaduras violentas, e períodos democráticos oscilantes no dorso de conspirações endêmicas.

Por baixo dessa incapacidade de estabelecer a paz civil, e a convivência harmônica, estava a luta permanente das oligarquias por mais e mais poder. Não podia deixar de ser diferente porque eram os próprios alicerces da Colônia que continuavam a dar as cartas: o latifúndio, a monocultura, a violência repressiva e a impunidade. Só a escravidão desapareceu, mas para dar lugar a algo quase tão ruim quanto: a exclusão do negro e sua reinscrição como o grande espantalho social. O negro que desde então, desde a belle époque brasileira, foi declarado feio, bruto, boçal e bandido.

Curiosamente os barões do café do Brasil dos anos iniciais da República, que foram os arquitetos da derrubada da Monarquia, eram meros garotos de recado da burguesia inglesa e francesa. Era o imperialismo que financiava e dirigia, pelos empréstimos, os negócios de café, do açúcar e do gado da nossa oligarquia dependente. Desprezados pelos europeus, seus senhores, as elites brancas brasileiras, se sentiam feias, brutas, boçais e bandidas. Buscando meios de compensação, impuseram aos negros e aos pobres que servissem como sua compensação total, sua desforra, frente à vergonha que sentiam aos “olhos dos estrangeiros”. Criaram inúmeros estigmas (preto safado, crioulo ladrão, mulato sabido, etc.) para esconderem os seus complexos e a sua inata inferioridade. Fixaram assim os contornos geométricos do seu mundo: assédio moral, violência simbólica e violência física.

Hoje, quando o mundo inteiro olha horrorizado para o que os bisnetos dessas elites estão fazendo com o Brasil, em que mais uma vez os pintam como ridículos caudilhos de repúblicas bananeiras, eles irão percorrer como sempre o caminho da compensação. Tentarão aumentar o assédio moral e a violência, simbólica e física, contra as classes desfavorecidas, para assim fabricarem espantalhos que sirvam para sua compensação. Embora o mundo inteiro aponte para eles e os chame de estúpidos, ladrões, vagabundos, parasitas eles tentarão como sempre o velho truque da transferência: os demônios são os outros.

Ao invadirem à UNB, ao atacarem os índios no Mato Grosso do Sul, ao fuzilarem os Sem Terras no Paraná e na Paraíba, e ao darem vivas ao Sérgio Moro, estão fazendo o que sempre fizeram.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maximus segundo

24 de junho de 2016 às 10h35

Bonita imagem da PF na porta do PT colocando ordem. Logo logo vão lá em São Bernardo.

Responder

johony

24 de junho de 2016 às 09h27

Essa é a “ponte para o passado”.

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

24 de junho de 2016 às 08h52

essa foto diz muito sobre intimidação e falta de senso de ridículo. Tanta “puliça” pra invadir um prédio vazio, às 6 hs da manhã.
Em relação ao texto, pena que os que se vestiram de verde e amarelo não vão ler, pois não suportam nada que abale suas rasas convicções e, muito menos que mostre o que são, na realidade. Serviçais.

Responder

Helena Veiga

24 de junho de 2016 às 08h32

Ótimo artigo pela luz que joga nesses tempos conturbados que estamos vivendo! Só olhando assim em perspectiva para sentir a encruzilhada nessa sinuca de bico que estamos amarrados.

Responder

Biana

23 de junho de 2016 às 22h10

Uma coisa é certa, ficar perdendo tempo apenas se defendendo contra esta quadrilha golpista não é o bastante, é preciso mais audácia para sair na frente.

Responder

Marivane

23 de junho de 2016 às 22h00

OS golpistas estão aí !

Responder

Gabriel Moreno

23 de junho de 2016 às 21h54

É uma mistura de marketing político com puro desconhecimento. E a ideia de medir os outros pelo seu próprio caráter (ou falta dele). Como são covardes e no fundo sabem que estão fazendo algo imoral, excedem na força e aí nós vemos cenas como essa. É uma forma de mostrar poder também, é claro, mas é um tanto mal calculado, porque deixa claro que é uma ação arbitrária e desproporcional. Cenas assim, de militares dando batidas em sedes de partido, são típicas de ditadura. Imagem que ficará para a História e nós sabemos qual lado será representado dessa ou daquela forma.

Responder

Luís CPPrudente

23 de junho de 2016 às 21h14

O fascismo tomou o poder junto com o PCC. Esses bandidos e assassinos da Democracia não querem o povo organizado e nem partidos políticos de esquerda para defender o povo nos parlamentos.

Responder

Biana

23 de junho de 2016 às 21h02

A Globo é um blefe anuncia a primeira transa gay na tv e apoia os golpistas que querem ceifar a liberdade.

Responder

ZeDasKouves

23 de junho de 2016 às 20h54

esses BOSTAS, fantasiados de RAMBO, não aguentam 10 minutos de tiroteio…

Responder

    guilhermenagano .

    23 de junho de 2016 às 22h54

    E vc aguenta? Me desculpa mas já li muito esquerdista clamando por resistência armada contra o “golpe” e nada…

    Responder

      Maria Thereza G. de Freitas

      24 de junho de 2016 às 08h57

      não são apenas “esquerdistas” que clamam por resistência, armada ou não, contra o golpe. Qualquer pessoa que preze pelos direitos humanos, pela soberania nacional, pela preservação do patrimônio do povo está indignada com o golpe, os golpistas e o entreguismo. Talvez não haja resistência armada, mas a resistência está aí: nas ruas, nos blogues, nas universidades, etc.. etc.. Os golpistas não estão contando com as FFAA e , sim, com a polícia, muito mais “eficiente” e experiente em atacar o povo. Hitler já sabia disso

      Responder

        guilhermenagano .

        24 de junho de 2016 às 09h29

        É somente a esquerda preza pelos direitos humanos, soberania nacional e preservação do patrimonio do povo…não é a toa que vcs perderam o projeto de poder Maria, até os alunos das Universidades Fed estão perdendo a paciencia com vcs! Vcs estão achando q estão nos anos 60, nós contra o Regime Militar e a CIA….

        Responder

          Helena Veiga

          24 de junho de 2016 às 10h16

          Ô Coxinha tá maluco? Será que ouvi um refrão do samba do coxinha doido? Vocês é que vivem dentro do passado, da guerra fria, anti-comunismo, idolatram Nixon e o Tio Patinhas, que papo é esse? Você só entram na universidade para invadir, como na UNB.

          Maria Thereza G. de Freitas

          24 de junho de 2016 às 13h25

          talvez, na pressa, vc não tenha prestado atenção na 1ª frase. Isso é comum.

      ZeDasKouves

      24 de junho de 2016 às 14h47

      Pois é meu “camarada”, existe uma ENORME diferença entre ser um boçal brincando de Rambo e um cidadão indignado sem mais nada a perder.
      Este último, só lhe restou a reação.
      Que digam os cagões que fugiram de Lamarca, que não queriam morrer, e só o capturaram quando estava doente e sem condições de reagir.
      Era uns tipinhos assim que usavam farda só para comer as “marias batalhões”.
      E você se “indignou” por que?
      Por acaso papai é um desses aí na foto???

      Responder

Maria Aparecida Lacerda Jubé

23 de junho de 2016 às 20h07

Foi exatamente do cérebro atrofiado dessa elite bestial, que saiu o espírito de porco que escreveu as propostas de governo apresentadas por Alexandre Frota.

Responder

renato andretti

23 de junho de 2016 às 19h47

PSDB
Os maiores bandidos que esta nação conseguiu reunir
em um partido pólitico, enrustido em um parti do politico.
Senhor Aécio…ainda verei o senhor pagar a conta pelo
que fez ao meu país…
O senhor et Caterva..
Senhora Globo, nunca dantes visto, a queda de uma emissora de TV
Queda na sua mais forte literalidade..

Responder

renato andretti

23 de junho de 2016 às 19h44

Não são os mesmos que fazem tanta firula.
que prendem em cativeiro uma onça…e desfilam
que aparecem em programa de TV como luciano huck
da Globo, que aparecem na Sabrina..
como se fossem os bam bam bam.
Tem autorização para atirar e matar..
Infeliz o soldado, que aponta seu fuzil para seu POVO.
Já fui soldado do PELOPES.
Soldado do PIC – Pelotão de Investigação Criminal,
do Batalão de policia do Exercito de Brasilia.
Hoje não sinto orgulho nenhum daqueles tempos,
já tive…perdi.
Tanto trabalho das Forças Armadas Para conquistar o
coração de seu POVO…por nada..
Por causa de uns sem noção..
Demonstração de Força..
que não tem contra traficantes de fronteira..

Responder

    Biana

    23 de junho de 2016 às 22h07

    Será que são como o tal Japa da PF, criminosos também?
    Essa pose toda para as fotos lembra o estilo dele, uma alegoria estapafúrdia.

    Responder

Deixe um comentário