Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Carta aberta a Eduardo Paes: não é a crise que estraga a olimpíada, é o golpe. O seu golpe.

Por Tadeu Porto

01 de agosto de 2016 : 12h26

Por Tadeu Porto* (@tadeuporto), colunista do Cafezinho

Fala aí Paes, tranquilo?

Cara, depois de ler sua entrevista pra Folha de São Paulo decidi lhe enviar essa carta, tentando, inclusive, manter a prática democrática e respeitosa que o PMDB já provou não ter.

Bom, em primeiro lugar [não falei nada] pode até fazer algum sentido sua teoria de que a crise brasileira dificulta uma visão positiva sobre os Jogos Olímpicos de 2016, mas só, e somente só, se nós dermos o nome certo ao boi que atropela nosso sossego: o golpe.

Com toda vênia, prefeito, mas atribuir o mal estar olímpico à inflação, emprego, economia e divisão política é não ter noção alguma, nem no espaço e muito menos no tempo, de como funciona o país no qual moramos.

Eu me lembro muito bem desse mesmo pessimismo há pouco mais de dois anos, na Copa do Mundo de 2014. Naquele tempo, a Pnad continua do segundo semestre bateu 6,8% e o ano fechou com o menor desemprego da série histórica do IBGE. A inflação oficial de Maio/2014 perdeu força e caiu, gerando um acumulado de 12 meses de 6,37%, ou seja, dentro da banda da meta inflacionária. Na pesquisa eleitoral meses antes da copa, Dilma ganharia no primeiro turno e, por mais que a Folha nos ensinou a não confiar nessas consultas, não era vista uma divisão política significativa no país. Por fim, o PIB de 2013 tinha avançado 2,3% e o país estava longe da recessão de hoje.

Portanto, em segundo lugar, eu lhe proponho a simples reflexão: oras, por que cargas d’água o maior campeão mundial de futebol experimentou, sem crise significativa alguma, um enorme mal humor pré Copa do Mundo na sua própria casa?

Eu tenho a minha teoria acerca dessa pergunta e compartilho aqui contigo: o pessimismo pré copa estava intimamente ligado com uma tentativa de boicote da mídia a um possível sucesso do governo Dilma que ganhou ecos e força no complexo de vira-latas que nossa elite tanto ostenta e nossa classe média insiste em copiar.

Não faz sentido?

Pois bem, há algum tempo o esporte favorito de muitas brasileiras e brasileiros contaminados pela Globo e cia é falar mal do Brasil e da sua capacidade de ser grande, na esperança de manter o povo com baixa autoestima e poder avançar no seu projeto já injusto de má distribuição de renda.

Todavia, o complexo de vira-latas naquele tempo de copa teve um forte contraponto: pessoas que sempre acreditaram no país e que não abaixam a cabeça nem pra Europa, EUA, FIFA ou COI, abraçaram o Brasil como nunca, naquela esperança de sempre em ver o país assumir um protagonismo mundial que acarrete numa terra mais igual em diversos sentidos.

Pois bem, Eduardo, o que a sede de poder do seu partido traidor conseguiu, com esse golpe que nos faz passar vergonha a ponto de virar chacota na Turquia, é fazer com que xs nacionalistas assumissem a frente de defender o legado democrata e deixassem de lado o contraponto otimista observado em 2014 e que sempre foi um fator decisivo para que o Brasil não se tornasse, completamente, uma colônia subserviente de países tradicionais.

E olha, na boa, sem o incentivo de quem acredita no Brasil de verdade – do negro à branca, da pobre ao rico, de héteros, trans e homossexuais – a chance das olimpíadas serem inclusivas, e consequentemente um sucesso, é zero.

E, infelizmente, o golpe que o PMDB liderou no país nos tirou o júbilo e a responsabilidade da empatia e, portanto, fica difícil defender uma causa que, mesmo indiretamente, ajude uma pessoa como Michel Temer.

Na ânsia de manter uma elite hegemônica no poder, vocês viraram as costas para um povo que não quer nada demais, apenas as oportunidades que lhes foram prometidas na constituição de 88 (e que o governo usurpador faz questão de dizer não caber no orçamento). Não tem como esperar um resultado positivo de tamanha irresponsabilidade.

Em resumo, por fim: com esse golpe imoral e perverso, vocês deixaram bolada uma galera altamente comprometida com Brasil – aquela que foi capaz de contrapor a onda pessimista da copa do mundo – e o preço a ser pago não poderia ser outro: o país hoje respira a atmosfera vira-lata autodestrutiva praticamente impossível de reverter a tempo de mostrar alegria e satisfação com os Jogos Olímpicos.

Mas, assim, não fique tão triste. Se por um lado Michel matou o espírito olímpico (créditos ao Paulo Nogueira) por outro ele conseguiu unir o país em torno de uma importante tarefa: fora Temer. E não haverá um só dia de trégua a vocês.

Abraços,

Tadeu

P.s. Moro em Minas Gerais, então, não precisa me pedir pra deixar o Rio de Janeiro.

*Tadeu Porto Diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Antonio Passos

01 de agosto de 2016 às 23h05

Perfeito, Eduardo Paes é um canalha top, com todos os opcionais. Conseguiu inclusive a proeza de não aproveitar com competência os bilhões investidos pelo governo federal. Fez algumas obras dimensionadas para o Rio de dez anos atrás, fez outras inúteis apenas para se exibir e outros absurdos. Tem cara de cínico, um sorriso debochado e por dentro é ainda pior do que aparenta.

Responder

Rodrigo

01 de agosto de 2016 às 21h30

Ditto. Eu tambem quero o Brasil livre do complexo de vira lata padrao global de alienacao. Sobre o prefeito, perfeito, um golpista. Tambem nao moro no Rio e nem no Brasil ha decadas, por que escapei desta elite que nunca deixou eu fazer meu doutorado, por que nao era rico. Hoje que o pobre podia fazer pos-graduacao estao tambem acabando com esta avanco, e o sonho de um Pais soberano se desfazendo, tudo por odio. Este problema da turma Globo-tucanistao e’ simples, e’ puro odio. A elite precisa urgente de um psicanalista, o ciume doentio leva ao odio, e’ isso que assistimos, FHC-Globo com a inveja de Lula e odio ao pobre. Pois todos sabemos os numeros, nao que Lula foi sem erros, mas o Brasil de FHC nao construiu sequer uma Universidade, o salario minimo era de 60 dolares, 40 milhoes de miseraveis, e o Brasil a 14a economia do mundo. Eles nao aceitam a incompetencia de 502 anos. Com Lula foram 300% do aumento do PIB em 12 anos. De 14a. para 7a economia do mundo, so com este fato, ja seria suficiente para acabar a comparacao. Nao toleram o Lula e querem ve-lo preso, o torneiro mecanico que deram a eles uma licao simples de inclusao e soberania. Esta elite e’ podre, e como na musica de Cazuza diz, ” A burguesia fede, a burguesia quer ficar rica, enquanto houver burguesia nao vai haver poesia”. E este prefeitinho tupiniquim, e’ mesmo um golpista e traidor do povo e da patria.

Responder

Cícero De Paulo Monteiro Lobat

01 de agosto de 2016 às 21h02

Sobre a morte política do prefeito E. Paes, sugeriria a morte política do PMDB, pois fez o país mergulhar numa crise política e econômica por simples vontade de assumir o poder sem a autorização do povo, eleitos democraticamente. Estão comprometendo a democracia brasileira e o aval de países que respeitam as regras democráticas – viramos uma grande republiqueta paraguaia, um país vira-lata, de segunda categoria, comparados a um país de ditadores (aqui os parlamentares).

Responder

    Roberto

    04 de novembro de 2016 às 22h01

    Eles já fizeram isso com o Presidente Sarney e ainda são o maior partido do pais!

    Acostume-se a ideia de que o PMDB vai estar no velório de todos nos, mas poderoso do que é hoje!

    Responder

João Luiz Brandão Costa

01 de agosto de 2016 às 19h06

Não Tadeu. Não é por aí. Sinto em sua crônica um sentimento implícito para que as olimpíadas não sejam um sucesso, e assim sendo, propiciaria um clima onde seria mais difícil a obstrução ao caminho do governo golpista. Ou seja, não devem se capitalizar sobre o sucesso. Vejo mais pela ótica do Rio, e, porq

Responder

    Tadeu Porto

    01 de agosto de 2016 às 20h31

    Gostei da sua resposta! Difícil ter empatia pelo Temer, mas é impossível não sentir pelo Rio. Amo a cidade!!

    Sobre a ciclovia: Márcio Lacerda foi eleito no ano em que o viaduto de BH caiu sobre o ônibus… Mas confio que o povo do Rio vai barrar o PP.

    Responder

Deixe um comentário