Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Vazamento contra Temer: os motivos da mídia e da Lava Jato para manter o governo acuado

Por Pedro Breier

08 de agosto de 2016 : 11h08

(Michel Temer. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

Se a credibilidade da grande mídia brasileira no geral definha a cada a dia, a da Veja já passou dessa fase: esvaiu-se completamente faz tempo – a não ser para o público ultrarreacionário que cevou ao longo dos últimos anos, logicamente.

Como não fazem mais jornalismo faz tempo, os veículos conservadores de mídia sobrevivem de sua parceria com o sistema de justiça, mais especificamente dos vazamentos da Lava Jato.

O último vazamento da Lava Jato para a Veja revelou que a delação de Marcelo Odebrecht incluirá o repasse de R$ 10 milhões em dinheiro vivo ao PMDB, a pedido de Temer. A Justiça Eleitoral exigia que os recursos doados legalmente pelas empresas fossem depositados na conta do partido e, segundo o vazamento, o dinheiro vivo repassado ao PMDB foi contabilizado no caixa paralelo da Odebrecht.

Trata-se de mais uma delação arrancada após meses de verdadeira tortura prisional, o que é lamentável mesmo que atinja o governo golpista. Não é algo a se comemorar.

O vazamento prejudicial a Temer aparentemente serve a dois propósitos.

O primeiro é o já clássico método da Lava Jato: de vez em quando vazar algum trecho de delação contra um tucano ou peemedebista para dar credibilidade à operação e disfarçar o seu viés político.

Como bem analisou o Miguel aqui, esse objetivo fica explícito porque não acontece nada com os integrantes dos partidos golpistas citados. Não há condução coercitiva de Aécio Neves ou prisão de tesoureiro do PMDB, apesar das muitas e graves acusações de delatores.

A operação Lava Jato atua em parceria com a mídia oligopolizada. Esta faz um julgamento prévio dos acusados no seu tribunal paralelo, manipulando a opinião pública para garantir legitimidade à operação e assim minar os questionamentos aos abusos autoritários dos procuradores do MPF e de Sérgio Moro.

Como a mídia tem lado, o processo fica totalmente desequilibrado. Enquanto delações contra petistas ganham manchetes e forte repercussão, as que envolvem os aliados são citadas sem destaque e logo enterradas.

Serra chegou a ganhar capa da Folha neste fim de semana por causa do vazamento de outro trecho da delação de Marcelo Odebrecht segundo o qual o garoto da Chevron teria recebido R$ 23 milhões da construtora via caixa dois, mas o assunto provavelmente morrerá e não acontecerá nada com o ministro golpista.

O outro propósito do vazamento contra o presidente usurpador é o de manter o governo acuado.

Às castas judiciais interessa um governo fraco para que este não se atreva a tentar diminuir o poder dos procuradores.

“Se tentarem ‘estancar a sangria’ da Lava Jato ou diminuir o poder do Ministério Público haverá retaliação” é o recado.

A ameaça ao governo interino também tem a ver com a economia.

A mídia quer ver o seu projeto neoliberal para o país implementado a qualquer custo.

Como os políticos dependem de apoio popular e parlamentar para se manter no poder, o corte radical de gastos e direitos exigido pelos patrocinadores do golpe não parece ser uma ideia das mais interessantes para Temer, ao menos não na profundidade desejada por aqueles.

O aumento do gasto público com a concessão de reajustes a algumas categorias e com a liberação de verbas a parlamentares para pagar a conta do impeachment já não vinha agradando aos artífices do golpe.

Após Rodrigo Maia levantar a hipótese de Temer concorrer à reeleição em 2018, então, a mídia entrou em polvorosa.

Merval Pereira, o porta voz número um dos Marinho, criticou o “populismo barato” e escreveu que Temer só provará ser um estadista se adotar medidas impopulares, as mesmas prometidas por Aécio ao empresariado em 2014.

Nota da coluna Painel da Folha de hoje afirma que as concessões de Temer na área fiscal põem em risco a lua de mel entre o mercado e o governo interino:

Pé atrás Em lua de mel com o governo interino, a elite do mercado financeiro começa a se preocupar com a gestão Temer. Os sucessivos aumentos de gastos para contemplar o funcionalismo somados à ambição do Congresso em usar projetos prioritários para ampliar despesas — como as flexibilizações no texto da renegociação das dívidas — têm gerado desconfiança. O temor é que o Planalto, ao se despedir da interinidade, sinta-se forte o suficiente para relaxar nos seus compromissos fiscais.

Um governo fraco interessa, portanto, tanto à mídia golpista, por motivos econômicos, quanto aos meganhas da Lava Jato, por motivos de disputa de poder. Um presidente sem legitimidade, apoio popular e pretensões eleitorais é o ideal. Rodrigo Maia saiu do script ao ventilar a candidatura de Temer e a resposta não tardou.

Mídia, procuradores, delatores e governo têm interesses diferentes no jogo das delações da Lava Jato.

Mas todos esses interesses estão relacionados ao jogo político. A justiça é só um detalhe solenemente ignorado.

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve n'O Cafezinho desde 2016, sendo atualmente um dos editores do blog.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Octavio Filho

09 de agosto de 2016 às 16h29

Honesto é o teu candidato. O Aécio. Vc deveria ter vergonha de fazer um comentário deste tipo.

Responder

Flavio Wittlin

08 de agosto de 2016 às 20h47

A operação Lava Jato atua em parceria com a mídia oligopolizada. [esta tenebrosa transação e toda esta conjuntura já tinham sido antecipadas há mais de 500 anos. Ver aqui]

Responder

JOHN J.

08 de agosto de 2016 às 12h16

Estão tentando tirar a honesta DILMA, e deixam esse corrupto golpista aí, por quê?
TEM MUITO MAIS GENTE AO LADO DO CORRUPTO GOLPSTA, QUE AO LADO DA HONESTA DILMA, POR QUÊ:?
PORQUE A BANDIDAGEM TOMOU CONTA DE TODOS ÓRGÃOS DO GOVERNO, QWUANDO FHC E SUA QUADRILHA EXTINGUIRAM ÓRGÃOS DE COMBATE À CORRUPÇÃO E PUNIAM QUE COMBATIA COM EXONERAÇÃO.

Responder

    Regis Queiroz

    09 de agosto de 2016 às 00h04

    Dilma honesta? Conta outra.

    Responder

Deixe um comentário