Live do Cafezinho: como trazer a classe média de volta para campo progressista?

Das Logo der Wirtschaftspruefungsgesellschaft PricewaterhouseCoopers (PwC), aufgenommen am Montag (05.03.12) am Eingang zum Gebaeude des Unternehmens in Hannover. Die Staatsanwaltschaft Hannover untersucht, ob bei dem Wiedereinstieg in das Berufsleben von Christiane Wulff, der ersten Ehefrau des zurueckgetretenen Bundespraesidenten Christian Wulff, alles mit rechten Dingen zugegangen ist. Nach der Scheidung des Ehepaares wurde Christiane Wulff im November 2008 formal bei der Osnabruecker Rechtsanwaltskanzlei Schindhelm angestellt, ohne jemals fuer diese taetig geworden zu sein. Die Kosten der Anstellung uebernahm von Anfang an die Wirtschaftspruefungsgesellschaft PwC, die Frau Wulff nach Angaben der Gesellschaft als Halbtagskraft einsetzte. "Die Staatsanwaltschaft Hannover prueft diesen Sachverhalt auf seine strafrechtliche Relevanz", teilte deren Sprecher Hans-Juergen Lendeckel der "Welt am Sonntag" (Ausgabe vom 04.03.12) mit. Foto: Focke Strangmann/dapd

A auditoria da Petrobras precisa ser auditada

Por Redação

18 de novembro de 2016 : 08h25

por Cláudio Oliveira da Costa, colunista do Cafezinho

A auditoria externa tem como finalidade a comprovação da veracidade dos registros contábeis.

Trabalhando de forma independente, sem nenhum vínculo empregatício, o auditor externo concentra seu esforço no trabalho de verificação detalhada da situação patrimonial e financeira das empresas.

Este trabalho é de fundamental importância para os acionistas, os investidores e os parceiros das empresas pois é a segurança da não existência de manipulação ou fraude nos números apresentados.

Sendo assim o profissional ou a empresa de auditoria externa, tem de ser dotado de reconhecido conhecimento técnico, conforme estabelece o Conselho Federal de Contabilidade.

Na Petrobras até 2011 a auditoria externa era feita pela empresa KPMG e a partir de 2012 pela PricewaterhouseCoopers  Estas duas empresas juntamente com a Ernst&Young e a Deloitte formam o grupo chamado de “Big Four”, por serem as quatro maiores empresas multinacionais do setor.

De 2010 a 2013 a Petrobras registrou elevados lucros e teve seus balanços aprovados, sem ressalvas, pelas auditoras. Distribuiu muitos dividendos aos acionistas e participação aos empregados.

Em 2014, com o surgimento da Lava Jato, a Price exigiu modificações no balanço para assinar a auditoria. A então presidente Graça Foster chegou a informar à imprensa que o ajuste seria de R$ 88 bilhões, enquanto o mercado acreditava que o valor não deveria ultrapassar R$ 20 bilhões. Finalmente chegaram ao valor “mágico” de R$ 44 bilhões, exatamente a metade do valor inicial. Além disto registraram também o valor de R$ 6 bilhões a título de “propinas”, calculado em 3% sobre um valor de R$ 200 bilhões de contratos. Simples assim, foi feito um “impairment” total de R$ 50 bilhões

E vejam que a Price havia auditado os balanços de 2012 e 2013, sem detectar nada. Nem as famigeradas Refinarias Premium do nordeste, cujos problemas já tinham sido muitas vezes  levantados pelos próprios funcionários da Petrobras, em diversos relatórios.

Em 2015 um novo motivo foi apresentado : a correção das reservas de petróleo devido a queda no preço do barril, que gerou um “impairment” de R$ 33 bilhões. Na Petrobras 75% das receitas não tem vínculo com o preço do barril. Outras grandes petroleiras, que tem 100% de suas receitas vinculadas ao preço do barril, não fizeram este tipo de ajuste. As que fizeram foi em valores mínimos. Tudo muito estranho.

Além disso, em 2015, ativos que já tinham tido seus valores reduzidos em 2014 (Comperj, Renest, Suape etc) foram novamente desvalorizados. Tudo somado resultou em novo “impairment” de R$ 50 bilhões.

Em função disto, dos 5 membros do Conselho Fiscal da Petrobras, 2 não assinaram o balanço, que foi aprovado por maioria (3×2).

Agora em 2016, surpreendendo todos os especialistas, surge um novo “impairment”, afetando novamente os mesmos ativos (Comperj, Renest, Suape).

“Impairment” de ativos nas empresas são raros, não ocorrem com frequência. Agora, fazer “impairment” nos mesmos ativos por 3 anos consecutivos é inimaginável.

Será que a Pricewaterhouse está usando metodologias inadequadas nas suas avaliações? Como ficam os acionistas?

Ativos como da Comperj e da Usina de Quixada, tiveram seus valores recuperáveis reduzidos a 0 (zero). Ou seja, podem ser vendidos por R$ 1,00 que vão gerar lucro. Muito conveniente para a direção da Petrobras, que acaba de vender os ativos na Argentina com prejuízo.

Lembro ainda, que as “Big Four” (KPMG,Ernst,Price e Deloitte) não são santas e já estiveram envolvidas em muitas falcatruas mundo afora. Um exemplo recente é o escândalo financeiro descoberto em 2014 ao qual foi dado o nome de Luxemburgo Leaks. Com o apoio das “Big Four”, grandes empresas transacionais (384 no total) evitaram o pagamento de impostos, através de um artifício chamado elisão fiscal. O processo está em andamento e envolve empresas brasileiras.

Cláudio da Costa Oliveira é Economista aposentado da Petrobras

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Edu

29 de novembro de 2016 às 22h44

Bill Gates está processando a PwC, ejustamente pelo fato de não terem dado as devidas bandeiras vermelhas na ocasião das constatações. Me parece que o processo terá seu desfecho no primeiro semestre de 2017 e envolve algo em torno de (pasmem) USD 80bi.

Responder

Atreio

18 de novembro de 2016 às 15h23

muito estranho é pouco…..

tramado como jucá falou.
pensado como miSHELL escreveu.
realizada qndo cunha quis.
lei alterada como serra sugeriu, logo depois de falar com a SHELL.

segue o golpe. mas não levará 21 anos de novo.

Responder

Deixe uma resposta