Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Show para platéia

Por Redação

22 de novembro de 2016 : 15h12

É sintomático. Enquanto a mídia reproduz o espetáculo da ausência de estado de direito e promove justiceiros aos olhos do povo, parte da população assiste a tudo bestializada, como se esperasse ansiosamente pelos próximos episódios. “Quem será o próximo”, pergunta o jornalista Bepe Damasco. “Quanto mais sangue, melhor” . 

No Blog do Bepe

Mau-caratismo da mídia se alastra pela população

Por Bepe Damasco    

Destrói seu presente e compromete seu futuro uma nação formada em boa medida por pessoas que não desejam justiça, mas sim linchamento, e se regozijam com a violação de direitos de presos e sua humilhação suprema. Garantias individuais, principal pilar do Estado de Direito Democrático, viram pó sob os aplausos de brasileiros e brasileiras. Quanto mais sangue, melhor.

Gente de todas as classes sociais vê com naturalidade aterradora os meios de comunicação transformarem prisões de ex-governadores em espetáculos midiáticos transmitidos 24 horas por dia. Gente de todos os níveis de escolaridade e renda goza com imagens deprimentes, como a de Garotinho sendo transferido à força do hospital para o presídio, ou a de Sérgio Cabral de cabeça raspada no cércere. Gente de todas as origens e credos esfrega as mãos e se pergunta : “quem será o próximo?”

Abro parênteses : estou longe de ter quaisquer afinidades políticas com Garotinho ou Sérgio Cabral. Penso mesmo que devem ter culpa no cartório em boa parte das acusações que lhes são imputadas. Garotinho é exemplo acabado de político com p minúsculo, envolvido em incontáveis casos nebulosos, fisiológico ao extremo e nada confiável. Cabral um dia na vida decidiu viver como uma sultão, ou como um príncipe, às custas do erário público. Seu apoio ao golpe de estado revela também imperdoável falta de apreço pelo regime democrático. Fecho parênteses.

Vamos, então, ao ponto essencial : por enquanto, eles são apenas acusados. Cabe ao sistema de justiça reunir provas suficientes para condená-los, depois de julgamentos justos, com direito à ampla defesa e ao contraditório. Nada disso aconteceu até agora. Por isso, por mais que a turba enfurecida exija a cabeça deles agora e já, eles deveriam desfrutar da premissa constitucional da presunção de inocência. Isso até que sejam julgados e condenados.

E não me venham, por favor, com o argumento de que as prisões preventivas e temporárias (quem vêm se transformando em perpétuas) são necessárias porque a justiça no Brasil é a mais lenta do mundo e que os poderosos apresentam centenas de recursos para se livrarem da cadeia. Ora, esse grave problema só será sanado com uma profunda reforma do Judiciário, abrindo sua caixa-preta e tornando-o célere e transparente. Em vez disso, suas excelências, procuradores e juízes, prendem sem condenação e jogam para a plateia, varrendo suas mazelas para debaixo do tapete.

Também não me sensibiliza o desprezo pela dignidade dos presos oriundos da política sob a a justificativa de que pobres e ladrões de galinha já penam nos infernos das nossas prisões há mais de 500 anos. Defendo igualdade para todos na dignidade e no respeito aos direitos civis, e não a equiparação da violação e do tratamento degradante.

Fora disso, caminhamos a passos largos para o fascismo ou para a barbárie. Judiciário que se preza não pode se submeter ao clamor popular, pois é um poder essencialmente contramajoritário. E tem que ser assim. Não custa lembrar que Hitler e Mussolini contaram com forte respaldo de alemães e italianos para cometer crimes contra a humanidade.

Pude testemunhar ao longo desta sexta-feira (18) cenas de indigência civil explicitas no Rio de janeiro. Na padaria, no metrô, diante de bancas de jornal e lojas com aparelhos de TV ligados, na espera da consulta médica e no restaurante o que escutei é de causar engulhos estomacais e profundo desânimo. Uma legião de homens e mulheres, que não foram capazes de se indignar minimamente quando uma quadrilha de corruptos roubou o mandato de uma pessoa honesta como a presidenta Dilma, festejavam aos berros o calvário alheio.

Entre tantas outras, ouvi a seguinte barbaridade : o ideal seria se todo político preso fosse fuzilado sumariamente. O vírus letal do ódio e do mau-caratismo foi desgraçadamente inoculado pela mídia criminosa no organismo de expressiva parcela do povo brasileiro. Estamos ferrados.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Torres

23 de novembro de 2016 às 00h13

Que se fodam os crápulas.
Sinto prazer em ver suas desgraças.

Responder

ari

22 de novembro de 2016 às 20h31

Veja algumas das sugestões feitas recentemente por um cidadão no DCM:

1) Cada vez que alguém falar em “meus direitos” que cite também as “minhas obrigações”, sob pena de prisão perpétua
3) Fim do funcionalismo publico com demissão imediata da metade dos parasitas
5) Internação escolar compulsória para menores (só sai da cadeia-escola depois de passar com nota 80% e na serie-idade correta)
7) Uso do trabalho prisional gratuito para construção de casas populares com financiamento a juros baixos (de graça, nunca)
8) Fim imediato de todos as esmolas estatais e todas as siglas (FIES, PRONATEC, etc)
11) Extinção de todos os sindicatos e “movimentos sociais”, com execução dos lideres
13) Prisão perpetua automática (sem julgamento) em solitária para crimes de homicídio, estupro e corrupção
14) Pau no lombo da Petralhada Vagabunda (bala de borracha, cassetetes, rojões, bombas, etc)
15) Empalamento de Lula e Dilma em praça publica

É assustador. Não me espantaria de brevemente estivéssemos assistindo homossexuais sendo queimados em praça pública.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?