Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Fidel Castro inaugura Estudio de Arte en el barrio Romerillo de La Habana, el 8 de enero de 2014. Foto: Estudios Revolución.

Fidel Castro, uma história de batalhas

Por Redação

26 de novembro de 2016 : 22h18

Foto: Estudios Revolución (08/01/2014)

Por Maria  Fernanda, exclusivo para o Cafezinho

FIDEL CASTRO desembarcou em Las Coloradas em dezembro de 1956, ocupando o espaço que se tornou mítico, Sierra Maestra, e por lá  permaneceu por dois anos, comandando o Exército Rebelde Cubano, em luta contra a ditadura de Fulgênio Batista. A entrada em Havana significou o fim de uma ditadura, financiada por empresas e políticos norte-americanos, que se compraziam na exploração das terras e das carnes das mulheres cubanas, fazendo da capital da então “república das bananas” um lupanar, onde se divertiam, inclusive o católico apostólico romano, John Kennedy.

Fidel foi empossado como Primeiro Ministro de Cuba em 16 de fevereiro de 1959. Enfrentou as agressões dos Estados Unidos, batidos vergonhosamente na Baia dos Porcos, mas que não vacilaram em adotar a política covarde de “boicote comercial”, provocando com isso a abertura de espaço para o apoio da União Soviética. A Revolução de Cuba tornou-se o desafio maior aos norte-americanos, tornado dramático nos anos mais duros da “guerra fria”. Fidel se tornou a figura monstruosa que a imprensa ocidental fabricou, tentando faze-lo odiado mundialmente. Ele e Che Guevara, figuras-símbolo de gerações que desejavam a Liberdade: as barbas revolucionárias, desafiando o ideal “higiênico” que era proposto pelos astros do cinema norte-americano. A “crise dos misseis”, criada e abusada pela imprensa, amedrontou o mundo dos covardes, que já choravam pelas vítimas do “paredón” e não perdoavam a imolação de “sacerdotes do dólar cristão”. Nunca se acovardou, não negociou, pois sabia impossível a concessão. Falava ao povo, ensinava a pensar, apontava para a verdade que o capital internacional insistia em negar.

O que foi feito pela Revolução Cubana e com Fidel Castro?

O que a imprensa ocidental não conta e que os brasileiros não sabem:

  1. Cuba tem uma taxa de alfabetização de 99,8%, uma taxa de mortalidade infantil inferior até mesmo à de alguns países desenvolvidos, e uma expectativa de vida média de 77,64. Em 1958, antes do triunfo da revolução, 23,6% da população cubana era analfabeta e, entre a população rural, os analfabetos eram 41,7%. Cuba torna-se o primeiro país do mundo a erradicar o analfabetismo. Hoje não há mais analfabetos em Cuba. De acordo com os resultados obtidos nos testes de avaliação de estudantes latino-americanos, conduzidos pelo painel da Unesco, Cuba lidera, por larga margem de vantagem, nos resultados obtidos nas terceiras e quartas séries em matemática e compreensão de linguagem. “Mesmo os integrantes do quartil mais baixo dentre os estudantes cubanos se desempenharam acima da média regional”, disse o painel.
  2. Desde 1993, Cuba vem fazendo grandes progressos na área de biotecnologia , tendo obtido registro de suas patentes e direitos de sua exploração comercial nos EUA. Sua vacina contra hepatite B é vendida em 30 países do mundo. Em 1994, o ingresso de divisas em Cuba através da exportação de biotecnologia alcançou a cifra de 400 milhões de dólares e se estima que no futuro poderia ser maior que o do açúcar. A biotecnologia cubana já gerou mais de 600 patentes para drogas novas e inovadoras como vacinas, proteínas recombinantes, anticorpos monoclonais, equipamento médico com software especial, e sistemas de diagnósticos. Cerca de sessenta outros produtos estão nos estágios finais de pesquisa. Em 2011, Cuba anuncia ter desenvolvido a primeira vacina terapêutica contra o câncer de pulmão, chamada CimaVax-EGF. A prestação de serviços relacionados à saúde é totalmente gratuito para residentes da ilha, o que se espelha em seus indicadores padrão. Segundo dados da Organização mundial da saúde (OMS), em 2005, a taxa de mortalidade infantil para crianças abaixo de cinco anos de idade foi de sete para cada mil nascidos, índice superado na América apenas pelo Canadá, onde o índice correspondia a seis crianças a cada mil nascidos. Em 2009 a UNICEF anunciou que Cuba é o único país dentre todos da América Latina e Caribe que havia erradicado a desnutrição infantil.
  3. Nas economias de mercado a maioria dos pobres vive em favelas, e a maioria dos favelados é pobre. Entretanto em Cuba isto é diferente devido à relativa segurança na posse da residência, a profusão de residências de aluguel muito baixo ou gratuito e a restrição legal aos mercados de moradias e terrenos. Significativamente as pessoas que moram em habitações substandard em Cuba têm acesso à mesma educação, serviços de saúde, oportunidades de trabalho e seguro social que os que moram no que (anteriormente à revolução) foram os bairros mais privilegiados.Em 2011 o governo cubano relaxou as normas de comercialização de moradias. Supõem-se que tal fato visou retirar da clandestinidade o mercado informal de moradias e de tentar suprir a grande carência dela.
  4. Foi liderada por Fidel que Cuba se tornou uma potência esportiva, especialmente no beisebol e no boxe, suas paixões. Antes da revolução de 1959, os cubanos somavam apenas 13 medalhas olímpicas, sendo 12 delas na esgrima, graças ao fenômeno Ramón Fonst. A crítica esportiva ocidental sempre desrespeitou o empenho cubano, só possível com a constante melhora das condições de vida da população, atribuindo o sucesso a práticas e técnicas desumanas e violentadoras da dignidade humana. Nas modalidades esportivas populares:o atletismo, box e judô, Cuba revolucionária somou 220 medalhas olímpicas. Agora, o imperialismo dos esportes informa sobre uma decadência cubana, faltando-lhe auto-crítica, que a impede de enxergar os jogos olímpicos como decadentes e soterrados pelo comércio.

A Revolução de Cuba teve importância muito grande em diversos momentos da História do Brasil, quando a “guerra fria” levou os Estados Unidos a adotarem uma política de violência sórdida para controle da América Latina, o seu “quintal”. Um primeiro sintoma : eleito Presidente da República, vencendo então o candidato das “esquerdas”, o general da “espada de ouro”, alinhado com o pensamento do Departamento de Estado dos EUA, Jânio Quadros visitou Cuba e recebeu com honras de chefe-de-estado a Che Guevara, condecorado então com a Ordem do Cruzeiro do Sul. Jânio foi “renunciado”, não por ter negado apoio à política de agressão a Cuba, mas sob alegação de desequilíbrio mental, bizarrices contra o ‘bikini’, bilhetes alucinados … João Goulart teve ameaçada a sua posse, não por ser pupilo de Vargas e defensor das “reformas de base”. Concedeu-se a ele, palavras textuais de relatório do Departamento de Estado, o “benefício da dúvida”. Jango estava disposto a negociar com boa vontade, mas não admitia desrespeito à soberania nacional de Cuba. A sombra de Fidel Castro levou os Estados Unidos a deporem Jango, a implantar a ditadura na América Latina, esmerando-se nas brutalidades que cometeu no Chile.

Depois de longo e tenebroso interregno, representado pelas décadas de ditadura, e os descaminhos permitidos por uma “democracia consentida”, quando a fidelidade canina aos Estados Unidos ganhou brilho especial durante os oito anos de Fernando Henrique Cardoso e Celso Lafer, o Brasil reaproximou-se de Cuba com os  governos Lula e Celso Amorim. Mas Lula usava barbas, não era apenas um metalúrgico mal saído das oficinas.

Não se tratava mais da imagem fantasmagórica de Fidel Castro, mas da ânsia incontrolável da máfia do petróleo. E, mesmo assim, e adicionalmente, Lula conservava as suas barbas. E sempre teve respeito e admiração pelas barbas de Fidel.

Para nós, brasileiros, os tempos modernos e contemporâneos, estão marcados por essas duas figuras maiores: Fidel Castro, o REVOLUCIONÁRIO. Lula, o BOM PASTOR ,que queria que todo brasileiro pudesse usufruir de três refeições ao dia, ter casa para morar e escola para seus filhos. O espírito revolucionário de Fidel Castro poderia ser transportado, da pequena ilha do Caribe, para as imensidões brasileiras. Será possível não ceder, não negociar, afirmar intransigentemente, mesmo sem perder a ternura? A resposta não pode ser pensada apenas por Lula. Tem que ser pensada e transformada em ação política por todos os brasileiros de boa-vontade.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

30 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Gr K

27 de novembro de 2016 às 23h12

BRICS esse é o motivo que incomoda e amedronta Os EUA.
Brasil tem que ser Colônia dos EUA

Responder

Gr K

27 de novembro de 2016 às 23h09

Fidel sempre viverá no espírito daqueles que não lambem a bunda dos EUA

Responder

17Abril2016

27 de novembro de 2016 às 10h58

H A S T A S I E M P R E C O M A N D A N T E

Responder

lara

27 de novembro de 2016 às 00h59

so vou fazer uma pergunta a voces esquerdistas que defendem este ditador-que a graças a deus se foi- se cuba é tão bom quanto dizem porque varios cubanos preferem arriscar suas vidas no mar para tentar chegar aos EUA??? f

Responder

    fausto

    27 de novembro de 2016 às 03h38

    Se Cuba é tão ruim, por que a ONU aceita esses dados que foram analisados no artigo?

    P.S: Fidel Castro não se dizia de esquerda. Essa nomenclatura se associa mais às diretrizes liberais referentes ao partido republicano norte-americano.
    Você nunca vai vê-lo se colocando dessa forma.

    Responder

      lara

      30 de novembro de 2016 às 11h38

      Se Cuba é tão ruim, por que a ONU aceita esses dados que foram analisados no artigo? simples amigo a ONU pega os dados oficiais dos paises como em cuba os dados oficiais quem controla é o governo a ONU logicamente divulga eles

      Responder

        fausto

        30 de novembro de 2016 às 12h20

        Seu texto está confuso, mas pelo que entendi, está discordando do que escrevi…
        Há um controle estatístico e posterior composição para analisar se os dados vitais não estão sendo inventados.
        Que me conste, o único país que nem transmite informações a respeito é Coréia do Norte.
        Se você não sabe do que se trata, não opine.
        Cuba é o país com a maior proporção de pessoas acima de 100 anos na América – e não somente América-Latina.
        Já ouviu falar do Buena Vista Social Club?
        Reparou que são todos velhinhos?

        Responder

          lara

          01 de dezembro de 2016 às 05h06

          cuba transmite os dados porem são todos maquiados pelo governo
          a ONU mesmo que queira não tem como investigar se são reais pois ela não tem acesso as contas do governo cubano

          fausto

          01 de dezembro de 2016 às 11h46

          Profissionais de universidades, instituições governamentais e empresas no mundo todo – economistas, sociólogos, matemáticos, estatísticos, geógrafos, médicos – utilizam e fazem o controle de qualidade de dados destas estatísticas (de todos os países, não só de Cuba).
          Se você gosta disso, ou não, é outra coisa.
          A ONU tem profissionais para avaliar se estas estatísticas estão sendo inventadas – você não acha mesmo que uma instituição deste calibre (da qual eu mesmo muitas vezes discordo) vai aceitar qualquer fonte de dados, não é mesmo!?
          Quando eles não têm acesso a dados confiáveis, publicam com ressalvas, e DEIXAM ISSO EXPLÍCITO – o que não ocorre no caso cubano.
          Insisto: só por que você não gosta de Cuba, isso não te faz uma pessoa esclarecida a respeito do que ocorre por lá.
          Procure avaliar as coisas por meio de estudos, comparações e diversificar as suas fontes, e pare de aceitar besteiras da mídia.

          P.S: procure pelos médicos cubanos que trataram de ZERAR os índices de mortalidade infantil em uma cidade do Piauí. Carregaram a tocha olímpica à pedido da população (a não ser que você ache que o COI é comunista…).

          lara

          01 de dezembro de 2016 às 20h10

          amigo das duas uma ou ONU recebe propina do governo cubano ou então ela simplesmente aceita os dados oficiais vou citar aqui exemplos de como os dados da ONU são falsos: a ONU diz que cuba tem uma das menores mortalidades infantis do mundo porem ela não diz que em cuba O ABORTO É LIBERADO E CUBA É UM DOS PAISES QUE MAIS ABORTA NO MUNDO
          outros exemplos são a saude e educação de cuba que para muitos são boas
          entretanto a verdade é que NÃO EXISTE NENHUM MEDICO CUBANO ENTRE OS MELHORES DO MUNDO-se existe me diz ai o nome dele pra ver quais premios ele ganhou
          quanto a educação NÃO EXISTE NENHUMA UNIVERSIDADE DE CUBA ENTRE AS 500 MELHORES DO MUNDO

          fausto

          02 de dezembro de 2016 às 18h43

          Não entendi a relação entre mortalidade infantil e aborto…
          Por essa lógica os dados dos EUA, Escandinávia, Inglaterra, França – países nos quais é permitido fazer aborto – são todos subestimados.
          Você também odeia esses países?
          Não existe nenhum médico cubano entre os melhores do mundo? rsrs
          Existe ranking de médico? quem faz? a Unimed? a Ultrafarma?
          Cuba não tem nenhuma universidade entre as 500 do mundo…
          E daí? e isso significa que são todas ruins?
          O nível educacional no Brasil é muito inferior ao de lá.
          Digo com conhecimento de causa pois estudei com cubanos no mestrado, e eles se saiam melhor do que boa parte dos brasileiros – todos com muito mais recursos que os cubanos.
          Pare de aceitar ser feita de boba por interesses do dinheiro grande; não estou dizendo que Cuba é o paraíso na Terra; mas também não é o inferno.

          lara

          04 de dezembro de 2016 às 04h28

          Cuba não tem nenhuma universidade entre as 500 do mundo…
          E daí? e isso significa que são todas ruins?
          sim significa que são todas ruins pois se alguma fosse boa estaria bem rankiada
          EUA, Escandinávia, Inglaterra, França – países nos quais é permitido fazer aborto
          nesses paises o aborto é permitido porem leve em conta que a qualidade de vida deles é muito melhor do que em cuba
          e pra piorar em cuba se a criança for nascer com qualquer defeito é certo o aborto-afinal se os cubanos não tem dinheiro nem para se sustentar como poderão sustentar pessoas com problemas??
          duvido que o nivel do brasil seja inferior ao de cuba pois como ja disse antes a educação em cuba é um mito
          e por fim cuba não é o inferno porem esta perto de ser so olhar a realidade dos cubanos-são miseraveis, não tem liberdade pra nada e vivem em pais com uma estrutura muito precaria-comparado a 1950 cuba regrediu no tempo

          fausto

          04 de dezembro de 2016 às 12h20

          1 – Esse ranking é montado pelo número de publicações (o que significa que quem comanda o sistema econômico mundial terá mais capacidade de produzir, o que não significa necessariamente, melhor produção científica);

          2 – A se considerar o que aparece lá, e seguindo a sua lógica de raciocínio, o ensino do México e da Argentina, só para ficar em 2 exemplos, é melhor do que o da Finlândia (esse, sim, considerado o melhor sistema), Dinamarca e Noruega;

          3 – A Islândia, maior IDH do mundo, não tem nenhuma universidade entre as 500;

          4 – Me desculpe, mas o processo educacional não começa na universidade; e se somente o número de pessoas com grau universitário contasse, o melhor sistema de ensino do mundo seira o russo;

          5 – Engraçado você dizer que as crianças “com defeito” são abortadas em Cuba, pois havia delegação cubana nas paralimpíadas; aliás, procure por Yunidis Castillo, 5 ouros em paralimpíadas;

          6 – Se tudo era tão bom em Cuba, na década de 1950, por que a população apoiou/apóia Fidel e Raúl Castro? (o mesmo argumento é usado com a relação à Rússia pré-soviética, não mencionando, obviamente, que até o exército se virou contra o Czar);

          lara

          06 de dezembro de 2016 às 07h22

          A Islândia, maior IDH do mundo, não tem nenhuma universidade entre as 500
          não existe comparação entre a qualidade de vida da islandia com a de cuba

          Engraçado você dizer que as crianças “com defeito” são abortadas em Cuba, pois havia delegação cubana nas paralimpíadas; aliás, procure por Yunidis Castillo, 5 ouros em paralimpíadas
          talvez tenha falhado ao dizer que é certo que as crianças com defeito serão abortadas em cuba o correto era dizer que quase todas serão abortadas-algumas poucas vão ter a sorte de nascerem
          essa atleta citada por fazer ai não tem sentido algum pois ela nasceu a muito tempo-por incrivel que pareça cuba regrediu no tempo

          Se tudo era tão bom em Cuba, na década de 1950, por que a população apoiou/apóia Fidel e Raúl Castro?
          quem falou que a população apoia fidel castro?? se apoiasse não existiram tantos cubanos se arriscando no mar pra sair da ilha
          e no passado tenho minhas duvidas se a população apoiou fidel

          fausto

          06 de dezembro de 2016 às 15h47

          Sugiro a você que leia um pouco mais a respeito.
          Está se perdendo nos próprios argumentos ( não fui eu quem escreveu que é necessário ter uma universidade entre “as 500 melhores” para se ter uma qualidade de vida ou ensino bons: foi você).
          A população apoiou e lutou junto dos Castro – ou você acha que 85 combatentes poderiam vencer o exército cubano?

          lara

          14 de dezembro de 2016 às 08h43

          não fui eu quem escreveu que é necessário ter uma universidade entre “as 500 melhores” para se ter uma qualidade de vida ou ensino bons: foi você)
          se eu de fato disse ratifico aqui que estava errado-a islandia esta ai para mostrar

          A população apoiou e lutou junto dos Castro – ou você acha que 85 combatentes poderiam vencer o exército cubano?
          das duas uma ou a população foi enganada por fidel castro ou então não apoiou coisa alguma

          lara

          06 de dezembro de 2016 às 07h27

          3 – A Islândia, maior IDH do mundo, não tem nenhuma universidade entre as 500
          a islandia não é aclamada pela sua educação-diferentemente de cuba que muitos esquerdistas dizem ter uma educação de qualidade
          o fato mais importante é não tem comparação a qualidade de vida na islandia e a de cuba

          fausto

          06 de dezembro de 2016 às 20h05

          Não é aclamada pela educação?
          Por quem? por você?
          Você escreve com diversos erros e está querendo dizer que “os esquerdistas dizem que Cuba tem uma boa educação”…
          Me poupe.

          lara

          14 de dezembro de 2016 às 08h41

          voce mesmo disse que a islandia não é aclamada pela sua educação e de fato não é porem o fato a qualidade de vida na islandia não se compara a de cuba

          fausto

          14 de dezembro de 2016 às 12h19

          Acho que não estamos falando o mesmo idioma…
          Eu disse que o fato de a Islândia não ter nenhuma universidade na lista das “500 melhores” NÃO é indício de que o sistema educacional seja ruim.
          Disse também que o sistema de ensino não é só curso superior – se for assim, o país que mais tem adultos com diploma universitário é a Rússia.

          lara

          15 de dezembro de 2016 às 17h31

          sim concordo com voce nos pontos acima mas o fato principal aqui é cuba e sobre cuba so tenho uma coisa a dizer: A EDUCAÇÃO CUBANA-E A SAUDE TAMBEM-SÃO DOIS GRANDES MITOS CRIADOS PELA ESQUERDA

          fausto

          16 de dezembro de 2016 às 01h00

          Não, não são.
          E eu já apresentei dados, referências e fatos.
          Você só conseguiu dizer que é “coisa da esquerda”.
          Se não quer dar o braço a torcer, o problema é seu.
          Isso não vai mudar o fato de Cuba ter uma expectativa de vida maior que a dos EUA e educação de qualidade.
          Fim.

          lara

          17 de dezembro de 2016 às 09h27

          os dados são falsos passe uma semana em cuba e depois passe uma semana nos EUA e veja voce mesmo se a expectativa de vida em cuba e melhor que a dos EUA

          fausto

          17 de dezembro de 2016 às 12h18

          Já fui aos EUA diversas vezes e já presencie três furtos no Texas, por exemplo.
          Ainda não fui à Cuba, mas irei em breve.
          Acho que você está confundindo “expectativa de vida” com “qualidade de vida”.
          Voce não “vê” expectativa de vida, você mede.
          Sinto muito Iara, não adianta querer ganhar no grito.
          Você não sabe do que está falando.

          lara

          17 de dezembro de 2016 às 19h39

          nao quero ganhar no grito não os fatos são fatos paises ricos são os melhores pra se morar paises pobres-como cuba são os piores

          fausto

          18 de dezembro de 2016 às 14h07

          Isso, isso…

    17Abril2016

    27 de novembro de 2016 às 11h00

    A ditadura do proletariado eh a democracia da classe trabalhadora. Quer que desenhe?

    Responder

    Igor Gonçalves De Macedo

    27 de novembro de 2016 às 15h30

    Pela mesma razão que vcs lavadores de privada e lambedores da genitália alheia querem ir para lá: o sonho consumista enlatado, de ter o iPhone da modo mesmo que precise dar a bunda, que nos foi metido na cabeça por décadas de propaganda. A diferença é que, se houvesse uma lei Platts, que desse cidadania a cada latino que por lá pisasse, como há com cuba (outro ato de violencia contra ilha), não sobraria um midiotrouxinha como vc por aqui. Especialmente dos paraísos de direita (ditaduras de direita é pleonasmo) Honduras, Paraguai, Guatemala… Estadunidense é esperto.

    Ah, e os milhares de cubanos que não gostaram muito do “sonho de lavar privadas” e querem voltar? Esses a mídia propagandística não mostra… muito menos a “nata” que veio fugindo da revolução nos anos 60 e hoje domina o crime organizado em Miami e Flórida

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?