Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Rodrigo Maia se articula para ser reeleito presidente da Câmara dos Deputados. Foto: Beto Barata / PR (03/10/2016)

Rodrigo Maia é a peça chave do metagolpe

Por Tadeu Porto

27 de novembro de 2016 : 11h47

Foto: Beto Barata / PR (03/10/2016)

Por Tadeu Porto*, colunista do Cafezinho

Hoje eu acordei meio Luis Nassif, doido para montar um Xadrez sobre o “Iphangate” e suas consequências.

Assim que Calero saiu escrevi um texto argumentando, basicamente, que o ex-Ministro da Cultura saiu por algum tipo de racha no PMDB. Pois bem, o desenrolar da crise “La vue” culminou em diversas consequências, todavia, destaco duas declarações altamente reveladoras que corroboram com a mini teoria da conspiração que criei há seis dias.

Primeiramente, [fora] Temer disse a colunista do Estadão, Eliane Cantanhêde, que Calero pode ter agido por influência de “amigos do Rio de Janeiro” (quem são eles e quais seus objetivos?). Em segundo lugar, Geddel declarou ao porta voz extraoficial do governo, o jornalista Jorge Moreno, que caiu numa armadilha do Moreira Franco, a “cama de gato do gato angorá”.

Ficou mais evidente, assim, que os “amigos do Rio” decidiram enfrentar o núcleo duro governista, contando com uma a traição interna corporis de Franco. Justamente essa jogada traz à tona um novo capítulo no xadrez: Rodrigo Maia, genro de Moreira, tentará ser Presidente da República. Com isso, o PMDB carioca se aproxima de DEM e PSDB pelas mãos do estado do Rio de Janeiro para derrubar Temer.

Vamos aos motivos:

1) Moreira Franco foi o primeiro político ameaçado, abertamente, por Eduardo Cunha quando este foi cassado. Sendo assim, o ex-governador do Rio precisava de contra atacar para se salvar e resolveu partir pra cima do irmão siamês do ex-presidente da câmara, Michel Temer (afinal, Temer é Cunha e Cunha é Temer);

2) A jogada de Moreira é incrível (o gato angorá é danado): derruba Geddel com duas hipóteses: na primeira, Temer resiste e Franco pega a vaga do baiano e o Foro Privilegiado. Na segunda, Temer cai junto com Geddel e ninguém mais, ninguém menos que seu próprio genro, Rodrigo Maia, assume a presidência interinamente;

3) Maia é uma figura mais jovem e muito menos saturada que Michel Temer e faz parte do DEM partido bem mais próximo do PSDB, que parece estar muitíssimo interessado no golpe além do golpe, o “metagolpe”;

4) O filho do César Maia certamente deve contar tanto com o poder do PMDB-RJ para derrubar Temer (a influência de Picciani é inegável) quanto com Mendes (simpático ao PSDB) para cassar a chapa completa Dima/Temer no TSE;

5) Rodrigo foi o candidato escolhido pelo establishment da câmara contra o poderoso Centrão de Eduardo Cunha (representado por Rogério Rosso). Sendo assim, a disputa “Maia x Cunha/Temer” já está aberta desde a sucessão para presidente da câmara;

6) Maia está comprando o desgaste – imenso – de salvar a pele de mais de 300 deputados com a emenda de anistia ao caixa 2. Se conseguir sair dessa disputa ileso, ganha muita moral para vencer uma eleição indireta, facilitada pelo fato dele já estar no cargo e poder montar uma equipe de ministros (e ministras, pois ele não vai ser burro como o Michel) no sentido de negociar os cargos em busca dos votos. Curiosamente, logo após a queda de Geddel, Temer mudou de posição e sinalizou que vai vetar a anistia, ou seja, estava do lado do deputado do DEM e não está mais;

7) A cartada de Temer – que de traição entende bem – foi convocar Maia numa coletiva onde tenta tirar do atual presidente da câmara o poder de “comprar” centenas de deputados com a anistia. Vamos acompanhar essa entrevista conjunta de perto, dependendo do resultado volto a escrever ainda hoje sobre o assunto.

E assim o Paraná vai fazendo escola e a República do Rio de Janeiro vai se articulando para derrubar um presidente. Temer perdeu muito tempo brincando de House of Cards e seus amiguinhos da cidade maravilhosa migraram logo para o Game of Thrones. Bom, pra mim, cinco livros batem quatro temporadas!

Façam suas apostas!

 

*Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Anônimo

08 de julho de 2017 às 13h18

Certeiro.

Responder

Itaguary Poranga

27 de novembro de 2016 às 23h24

O PSD Paulista é a pior coisa que apareceu no cenário nacional. Primeiro foi disseminando pré-conceitos, depois ganhou (pagando) a mídia Golpista com grana de corrupção e agora está controlando o Golpe para voltar ao poder federal e entregar por completo o Brasil para os americanos..
Alguém escuta falarem do Serra dentro de toda essa muvuca?
Então…!

Responder

17Abril2016

27 de novembro de 2016 às 22h11

Cobra-comendo-cobra.

Responder

Marcvs Antonivs

27 de novembro de 2016 às 21h09

PSDB não dá ponto sem nó. É uma facção demoníaca em forma de partido.

Responder

disqus_jqHc9puxo9

27 de novembro de 2016 às 13h23

E se Temer renunciar ainda esse ani?

Responder

    Vinzenz Stein Ferrari Freitas

    27 de novembro de 2016 às 14h11

    Que eu saiba terá eleições diretas, mas não tenho certeza

    Responder

      Neto Carvalho

      27 de novembro de 2016 às 23h09

      Até o dia 31/12/2016, fim dos primeiros dois anos do mandato presidencial, a renúncia de Temer acarreta eleições diretas, em 90 dias; a partir de primeiro de janeiro, novo período de dois anos do mandato, haveria eleições indiretas, no prazo de 30 dias.
      Nos dois casos, o presidente da Câmara assume a presidência da República e comanda a convocação das novas eleições. É o que dispõe a Constituição Federal sobre o assunto.

      Responder

    Des

    27 de novembro de 2016 às 14h20

    Maia assume, mas teria novas eleições, até a adequação do processo, suponho que ficaria no cargo até o meio de 2017.

    Se depois do dia 31, Maia também assume, até a eleição indireta pelo congresso, certamente mais rápida.

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?