Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Ministro Luiz Fux durante sessão da 1ª turma do STF. Foto: Nelson Jr./SCO/STF (21/06/2016)

Luiz Fux intervém no legislativo e interminável guerra entre os poderes ganha novo episódio

Por Redação

15 de dezembro de 2016 : 14h01

Crise que o governo Temer enfrenta, perpassa, também, pela guerra não declarada entre judiciário e legislativo. Nesta quinta-feira, 15, o  embate ganhou novo capítulo: o ministro do STF Luiz Fux determinou que a Câmara dos Deputados vote novamente o pacote anticorrupção. A decisão é mais uma intervenção de um poder sobre outro.

No Congresso em Foco

Decisão de Fux sobre pacote anticorrupção abre novo flanco na briga entre Legislativo e Judiciário

Determinação para que Câmara analise novamente projetos de lei irrita presidentes do Senado e da Câmara. Estratégia agora será buscar uma solução para que a decisão não tenha que ser cumprida. Gilmar Mendes também critica decisão

Por Joelma Pereira

A determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux para que a Câmara dos Deputados vote novamente o pacote anticorrupção sugerido pelo Ministério Público e com amplo apoio popular, fez crescer ainda mais o acirramento entre o Legislativo e o Judiciário, às vésperas do recesso dos dois poderes. A crise atinge não só as relações entre o Congresso Nacional e o STF, mas também as relações entre os próprios ministros da Suprema Corte do país.

Incomodados com a decisão, os presidentes da Câmara e do Senado se mobilizam agora para encontrar uma solução que possa reverter a sentença do ministro.

Chefe do senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta quinta (15) que irá mobilizar a advocacia da Casa para “desfazer” a determinação. Maia, por sua vez, afirmou nesta manhã que pretende convencer o ministro de que suspender a votação do projeto é um “equívoco”. Os dois devem se encontrar ainda nesta semana para discutir a questão.

“Vamos conseguir convencer o ministro para que a liminar possa ser superada de forma rápida, para que a gente não crie um ambiente de insegurança na relação entre Legislativo e Judiciário”, disse Maia.
Para Renan, a decisão de Fux é “indefensável” e a classificou como “uma invasão na competência do Congresso

Nacional”. “Há uma decisão do próprio STF no sentido de que não pode haver interferência no processo legislativo. Vou procurar a presidente do STF [ministra Cármen Lúcia], e com o ministro Fux, que como todos sabem, tenho com ele bom relacionamento”, disse.

Colega de Fux, o ministro Gilmar Mendes entrou na polêmica ao fazer fortes críticas às decisões tomadas por outros magistrados na Corte. Ele afirmou que o Supremo vive um “surto decisório” e ironizou: “Não sei se é a água que estamos bebendo no tribunal”. Nesta quarta (14), Mendes chegou a dizer ao jornal Estado de S.Paulo que seria melhor “entregar a chave do Congresso ao (Deltan) Dallagnol”, atual coordenador da força-tarefa da Lava Jato.

Além disso, ele classificou a decisão do ministro como o AI-5 do Judiciário. “Isso aí é o AI-5 do Judiciário. Nós estamos fazendo o que os militares não tiveram condições de fazer. Eles foram mais reticentes em fechar o Congresso do que nós”, afirmou ontem (14) logo após a decisão. O ministro também é crítico quando o assunto são as 10 Medidas de Combate à Corrupção (Projeto de Lei 4.850/16) apresentadas pelo MP.

O pacote, aprovado pela Câmara em 30 de novembro, já foi enviado ao Senado. Se cumprir a decisão, o peemedebista terá que devolver os projetos à Câmara.

Em seu parecer, Fux entendeu que houve um erro de tramitação na Câmara porque os deputados fizeram alterações que, para ele, acabaram desfigurando o pacote. Uma delas foi a inclusão dos crimes de responsabilidade para punir juízes e membros do Ministério Público que eventualmente cometam um ato de abuso de autoridade.

No dia seguinte, a aprovação foi criticada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia.

De acordo com despacho do ministro, o projeto deveria seguir uma tramitação especial por tratar-se de uma iniciativa popular, embora reconheça que, desde 1988, nenhum projeto foi autuado formalmente como de iniciativa popular na Câmara.

“As comissões não podem discutir e votar projetos de lei de iniciativa popular, que segue o rito previsto no Artigo 252 do referido diploma [Regimento Interno]. Deve a sessão plenária da Câmara ser transformada em Comissão Geral, sob a direção de seu presidente”, disse Fux.

Em defesa da Câmara, Maia rebateu o ministro e afirmou que medidas provisórias e projetos de lei possuem distintos ritos de tramitação, que não poderiam ser confundidos.

“São coisas completamente distintas, porque medida provisória é um ato que tem efeito imediato e trata de questões relevantes e urgentes. É por isso que não se pode colocar os famosos ‘jabutis’, com matérias estranhas. Não tem nada a ver com projeto de lei”, disse.

“Imagine um projeto de lei que os deputados não possam emendar. Isso é uma supressão do direito do parlamentar. Vamos convencer o ministro de que existem equívocos, que precisam ser reparados”, completou.

No início do mês, em 5 de dezembro, o ministro Marco Aurélio de Mello, do STF, também em decisão monocrática, determinou o afastamento imediato do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado. A decisão atendia a um pedido movido pela Rede Sustentabilidade. Na ocasião, Gilmar Mendes também criticou duramente a decisão do colega e chegou a sugerir o Impeachment de Marco Aurélio, instalando uma crise interna na Casa.

O caso foi pautado para decisão plenária da Corte no dia seguinte, que não referendou a determinação de Marco Aurélio. O presidente do Senado também não obedeceu a decisão do ministro e sequer chegou a receber o oficial de Justiça, que o procurou diversas vezes para realizar a notificação.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

lara

15 de dezembro de 2016 às 17h36

o fato é o projeto deveria ser votado como o ministerio publico mandou pois como todos sabem este projeto tem amplo apoio popular

Responder

Charles

15 de dezembro de 2016 às 14h20

Espero que esses vermes acabem se matando uns aos outros depois do golpe que aplicaram. É bom que o caos institucional se agrave, assim vai forçar uma revolta. Quem sabe uma nova constituinte. Nossa atual constituição morreu e esse país virou a casa da mãe joana. Não tem mais como remendar, tem que tocar fogo e criar uma nova.

Responder

Jorge mendes

15 de dezembro de 2016 às 14h13

Estranho que não intervieram no Golpe e nem na PEC 55

Responder

    lara

    15 de dezembro de 2016 às 17h35

    kkkkkkkkkk que golpe animal??? esses esquerdistas são hilarios mesmo

    Responder

      Jorge mendes

      04 de janeiro de 2017 às 11h37

      Animal é você, papagaio que repete tudo que a Globo fala

      Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina