Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Brasília - A ministra Cármen Lúcia comanda a primeira reunião do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) depois que assumiu a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) para o julgamento de diversos processos administrativos e disciplinares.( Elza Fiuza/ Agência Brasil)

Guerra do lobby pelos supersalários

Por Redação

20 de dezembro de 2016 : 12h27

“Tem sido mistificador o atuante lobby de juízes e procuradores no Congresso. O argumento absurdo é o seguinte: dizer que o corte dos supersalários é retaliação da classe política ao combate à corrupção”.

No Blog do Kennedy

Cármen Lúcia e Janot não podem se omitir sobre supersalários

Magistrados e procuradores fazem lobby por ilegalidade vergonhosa

Por Kennedy Alencar

É fundamental que o debate para limitar supersalários não perca fôlego em 2017. O Senado aprovou três projetos nesse sentido. A Câmara deveria referendá-los.

Mas há obstáculos. Os maiores defensores dos supersalários são os presidentes de organizações de representação da magistratura e do Ministério Público. O argumento que utilizam para justificar vencimentos acima do teto é tratar esses valores adicionais como verbas indenizatórias.

Por exemplo, como se fosse um almoço de trabalho no qual se apresenta a conta para empresa. Em Brasília, é comum juiz ter casa e receber auxíliio-moradia. Há também um festival de diárias de viagem. Em resumo, o que seria expecional, uma exceção, virou regra e farra salarial.

São inúmeros os auxílios e vales de ajuda para moradia, educação, saúde, creche. A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), que tem feito um bom trabalho ao debater regras a fim de que haja respeito ao teto constitucional, leu no Senado um lista enorme desses chamados penduricalhos. Ora, eles são salários indiretos.

Também é preciso pôr fim ao efeito cascata quando há aumento do vencimento de um ministro do Supremo Tribunal Federal e isso tem impacto sobre o salário de desembargadores e juízes estaduais. No Judiciário e no Ministério Público, é bastante comum ultrapassar o teto constitucional.

Tem sido mistificador o atuante lobby de juízes e procuradores no Congresso. O argumento absurdo é o seguinte: dizer que o corte dos supersalários é retaliação da classe política ao combate à corrupção.

É inacreditável que quem acusa em nome da lei, como procuradores e promotores, e quem aplica a lei, como os magistrados, invoquem um argumento dessa natureza. A apropriação indevida de recursos públicos, por meio de penduricalhos que foram sendo criados ao longo de décadas, é uma forma de corrupção.

Não dá para propor combate à corrupção dos outros e preservar a própria corrupção. A Constituição Federal é clara. Tem havido um desrespeito à lei. É ilegal. Ponto.

A nova regra orçamentária que será aplicada com a PEC do Teto vai demandar muita discussão sobre onde colocar o dinheiro público. Esse dinheiro dever priorizar as políticas sociais para os mais pobres e os investimentos em infraestrutura. Não deve ser usado para aumentar salários de uma elite do funcionalismo que ganha bem para o padrão mundial e de forma acintosa para o padrão brasileiro.

O Poder Judiciário e o Ministério Público deveriam dar o exemplo numa hora de grave crise econômica e política. Nesse debate, falta maior ação da presidente do Supremo, Cármen Lúcia, e do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Seria importante que tivessem uma atuação pública mais clara a respeito desse assunto. Os dois tratam do tema lateralmente.

Como chefes de suas instituições, eles deveriam se posicionar sobre os projetos aprovados no Senado e que serão votados pela Câmara. Deveriam dizer publicamente o que pensam desses presidentes de organizações de representação da magistratura e do Ministério Público que passaram os últimos dias a defender de forma mais agressiva um privilégio vergonhoso.

Fingir que não estão vendo essa discussão é omissão pura e simples. Vira e mexe, juízes procuradores dizem que o Brasil está mudando. É preciso que eles também mudem.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pedro Pedro

20 de dezembro de 2016 às 14h55

Ora, ora e ora, não falam diretamente porque são beneficiados pelos penduricalhos eou associados nas aprovações “legais” dos mesmos. Farinhas aventadas. Envergonham as lesmas.

Responder

Julio Candido Costa Gomes

20 de dezembro de 2016 às 13h41

Farinha de um mesmo saco

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina