Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Os cavaleiros do entreguismo

Por Tadeu Porto

22 de fevereiro de 2017 : 18h21

Por Tadeu Porto*, colunista do Cafezinho

 

No programa cafeína de hoje, eu, Leonardo Stoppa e Welligton Calasans, debatemos um tema de extrema importância para o futuro da soberania nacional: a entrega do controle das terras brasileiros ao capital estrangeiro.

Primeiramente, entrega é a palavra correta para esse contexto, sem dúvida, pois qualquer tipo de processo de venda no ambiente de crise que estamos vivendo é péssimo negócio no longo prazo (leia-se projeto de Estado) e, assim, soa como um doação.

Em segundo lugar, nosso futuro está ameaçado pois o controle de terras, desde antes de Cristo, são cruciais para soberania e desenvolvimento de uma região. Tanto é que a questão agrária sempre foi considerada – e ainda é – como uma das mais reformas básicas que o país deveria realizar para trazer, de maneira mais rápida e efetiva, a justiça social que a população tanto anseia.

Portanto, o descaramento de se entregar nossas terras para conglomerados econômicos que não tem a menor preocupação com o Brasil é um escárnio que somente um governo sem preocupação alguma com a população seria capaz de realizar.

Dá para imaginar, por exemplo, o nível de exploração que seriam impostas nas nossas terras se nós a entregássemos a empresas que só visam o lucro? Companhias que acreditam que a sustentabilidade é, na verdade, aumentar a publicidade para disfarçar suas mazelas? Num passado recente, tivemos o maior desastre natural da história brasileira causado por uma empresa que, atualmente, anda sendo esquecida pelos poderes nacionais. Pelo contrário, a Samarco conseguiu, em cima do “super judiciário”, adiar o pagamento da multa bilionária que ela deve ao Estado pelos seus erros grotescos na tragédia de Marina-MG (e a multa não é nada perto do desastre que ela causou).

O projeto neoliberal que foi escorraçado das urnas quatro vezes seguidas, depois da péssima experiência que os brasileiras e brasileiros tiveram no período FHC, resolveu voltar a pauta da única maneira que era possível: mediante um Golpe de Estado que destruiu a constituição brasileira e trouxe para o âmbito político uma instabilidade institucional de consequências inimagináveis.

E tudo isso para, justamente, favorecer a elite política-econômica do país que cansou de dividir espaço com o resto do povo brasileiro que pôde ter acesso mais justo as bens e serviços que lhes são de direito legal, pela constituição, e moral, por ser o povo que gera e trabalha as riquezas do país.

Serra, o entreguista dos nossos oceanos; Moreira Franco, o mensageiro do deus mercado; Padilha, que quer vender nossas terras a preço de Banana e, por fim, o usurpador Michel Temer, que comanda essa trupe de antinacionalistas nunca antes vista na história do Brasil, são agentes escolhidos a dedo para manter e perpetuar os privilégios da aristocracia nacional mais vira-lata dos últimos tempos.

Não obstante a essas figuras escrotas e nefastas que nosso presidencialismo de coalizão pariu, eles ainda contam com os cavalos da mídia golpista que os carregam para os quatro cantos do país levando suas demagogias e mentiras com uma distorção palatável a população.

Aliás, o papel da imprensa é o cerne dessa colapso que vivemos: uma baita crise de identidade. Tanto alardearam o discurso vira-lata de que brasileiros e brasileiras são corruptos, incopetentes e preguisos que nossa nação tem dificuldade de se enxergar como protagonista de sua própria vida, aceitando políticas claramente danosas para o país como essa entrega absurda das nossas terras.

O Brasil pós Golpe é antinacionalista e é bom que todos e todas – inclusive quem bateu panela – acordem para essa realidade: os cavaleiros do entreguismo vieram para destruir nosso país.

*Tadeu Porto é Diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense. Sigam-o no Facebook!

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

C.Poivre

27 de fevereiro de 2017 às 20h53

Delações ainda não vieram a público porquê primeiro foram vazadas para os delatados prepararem suas defesas:

http://www.tijolaco.com.br/blo

Responder

Nelson

23 de fevereiro de 2017 às 18h15

O Sistema de Poder que domina os Estados Unidos tinha pressa. Não podia esperar mais. É certo que o PT vinha cedendo: privatizações disfarçadas de concessões, o Banco Central já trilhava um caminho independente, de fato, reforma da Previdência para cortar direitos, etc.

Mas, era pouco, pois o PT ainda mantinha um caminho de alguma soberania para o país. Tímido, no meu entender, mas, nem este o Sistema podia admitir.

Recuperação das forças armadas, BRICS, compra de bombardeiros da Suécia com tecnologia transferida, construção do submarino nuclear com tecnologia francesa também transferida.

Imagine. O Brasil com, provavelmente, a terceira reserva de petróleo do planeta, uma montanha de água potável, biodiversidade monumental, enorme riqueza mineral e agricultura cada vez mais produtiva e com forças armadas reforçadas para defender todas essas riquezas.

Não, o Sistema não podia mais esperar. Era preciso apear do poder o partido que estava levando o país a este estágio.

Se o Brasil seguisse mais ou menos livre, investindo em seu povo, em 25 ou 30 anos, nosso país estaria rivalizando com os países ricos em tecnologia, disputando mercados e o que é pior, para eles, prescindindo da tecnologia deles.

Não, nessa crise descomunal do capitalismo, crise já de superprodução, o Sistema não poderia deixar o Brasil seguir este caminho. Era preciso derrubar o partido que ousava desta maneira.

E o Sistema, tal qual em outros golpes – suicídio de Getúlio, derrubada de Goulart – contava a ajuda valiosa dos eternos vende-pátrias. Pronto. O Sistema já tinha parceiros para aplicar seu plano de retomar o país por completo.

É por aí, creio, que podemos entender o golpe brutal que está sendo aplicado no povo brasileiro. Sem a mão do Tio Sam, outra vez, não haveria golpe.

Responder

Robercil R. Parreira

23 de fevereiro de 2017 às 05h38

Mas, Não Era Só Tirar o PT?!

Responder

Jorge França

23 de fevereiro de 2017 às 02h43

Os quatro do Apocalipse

Responder

Roger Nascente Silveira

23 de fevereiro de 2017 às 00h57

Responder

Roger Nascente Silveira

23 de fevereiro de 2017 às 00h56

Responder

Roger Nascente Silveira

23 de fevereiro de 2017 às 00h56

Responder

Antenor Nicolau

23 de fevereiro de 2017 às 00h19

Tudo com respaldo dos militares.

Responder

    Sérgio Pestana

    27 de fevereiro de 2017 às 19h34

    Esse acrescimo é necessário para se esclarecer melhor o momento tormentoso ora vivenciado, Antenor. Perfeita a sua colocação.

    Responder

Renato Bloisi

22 de fevereiro de 2017 às 23h56

“O ministro Herman Benjamin, relator da ação que investiga a chapa presidencial de 2014 formada pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e pelo presidente Michel Temer (PMDB) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), decidiu incluir a delação da Odebrecht no processo e ouvir executivos da empreiteira que firmaram o acordo de colaboração com o Ministério Público Federal (MPF).

Os delatores serão ouvidos a partir do início de março. Entre eles, o primeiro que deve ser ouvido é Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa. A oitiva deve ser realizada no dia 1º de março na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde Marcelo está preso em função das investigações.” http://www.plantaobrasil.net/news.asp?nID=96860

Responder

Laercio Ferreira

22 de fevereiro de 2017 às 22h31

CAVALEIROS É UMA PALAVRA DERIVADAS DE CAVALOS, COMBINAM MUITO BEM COM ESSA TRUPE , CABRAL QUANDO APORTOU EM TERRAS, ESCREVEU AO REI , CAVALEIRO DE PORTUGAL, NESTA TERRA TUDO QUE PLANTA DÁ? O COCO, O OURO, O DIAMANTE ATÉ CORRUPÇÃO , SÃO TERRAS FERTIS, ,QUE ATUALMENTE, ESTÃO PARA TORNAREM NEO COLÔNIAS , DAS EMPRESAS TRANSNACIONAIS E DOS PAÍSES IMPERIALISTAS A HISTÓRIA SE REPETEM?? VAI SER AMIOR DOAÇÃO?

Responder

Tininha Lara

22 de fevereiro de 2017 às 22h22

Nunca vista?! Ah… Só andavam nas sombras, já q não ganham mais nas urnas, só isso.

Responder

    Maria Barth

    22 de fevereiro de 2017 às 23h14

    “Marcamos de noite um jantar com TASSO, na casa do TASSO. Fui eu, RENAN, EUNÍCIO, o TASSO, o AÉCIO, o SERRA, o ALOYSIO, o CÁSSIO, o RICARDO FERRAÇO, que agora virou psdbista histórico, aí conversamos lá. O quê que a gente combinou? Nós vamos, nós temos que tá juntos pra dar uma saída pro Brasil. Se a gente não tiver unido aí, com um foco na saída pra essa porra [paralisação da Lava Jato], não vai ter. E se não tiver, eu disse lá, todos os políticos tradicionais estão fudidos. Porque os caras [tucanos] disse: ‘não no TSE, se cassar [a chapa Dilma e Temer]’. ‘Ô AÉCIO, deixa eu te falar uma coisa, se cassar [a Dilma] e tiver eleição, nem tu, nem SERRA nisso aí, nenhum político tradicional ganha essa eleição, não”.

    Somente após narrar esse encontro, é que Sérgio Machado questionou a Jucá se realmente “tinha caído a ficha” do PSDB. E o senador peemedebista então respondeu: “Caiu a ficha! Ontem eles disseram isso” – trecho então vazado pelo jornal Folha de S. Paulo.

    Responder

    Natalie Coelho

    23 de fevereiro de 2017 às 01h32

    Sombril

    Responder

    Tininha Lara

    23 de fevereiro de 2017 às 02h13

    Não tinha visto esse trecho ainda, Maria Barth, mas já tinha intuído… Obrigada.

    Responder

    Maria Barth

    23 de fevereiro de 2017 às 07h14

    Tininha Lara GGN Luís Nassif

    Responder

    Tininha Lara

    23 de fevereiro de 2017 às 08h14

    Muito obrigada!

    Responder

Amanda

22 de fevereiro de 2017 às 18h25

A preocupação com o futuro da humanidade é um escárnio.

Responder

Deixe um comentário