Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Deputado do PT denuncia manipulação de agenda de Temer e superfaturamento de remédios na FioCruz

Por Luis Edmundo

08 de junho de 2017 : 16h25

Foto: Agência Câmara

Da página de Jorge Solla, deputado federal (PT-BA)

Petista denuncia Temer à PGR por manipulação na agenda oficial

O deputado federal Jorge Solla (PT-BA) apresentou nesta segunda-feira (5) denúncia à Procuradoria-Geral da República para que o presidente Michel Temer (PMDB) seja investigado pelo crime de obstrução de Justiça por suposta manipulação de sua agenda oficial.

A denúncia se baseia em matéria publicada na Revista Época desta semana, que publicou resultado de perícias digitais no website da Presidência da República com a constatação de alterações no conteúdo da agenda do presidente em dias aleatórios dos últimos quatro anos.

“É escandaloso que o presidente que está sendo investigado pela PGR por crimes de corrupção, organização criminosa e obstrução de justiça esteja usando o cargo para apagar provas contra si. É necessária uma rápida perícia oficial e, se comprovada essa adulteração, Temer precisa ser afastado imediatamente, é um caso flagrante do uso do cargo para queimar provas”, destaca o petista.

A denúncia, cujo número para acompanhamento no sistema Único é PGR-00174974/2017, destaca trecho da perícia de policiais federais que atestaram que “o servidor do Planalto foi acessado e as agendas antigas manipuladas naquela mesma manhã em que a PF cumpria mandados de prisão e buscas autorizados pelo ministro Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF)”.

Convocação – Com o objetivo de esclarecer a hierarquia de responsabilidades e os procedimentos internos adotados para apurar a manipulação da agenda oficial de Michel Temer, o deputado Jorge Solla apresentou também requerimento à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara (CFFC) convocando para prestar esclarecimentos o ministro Moreira Franco, da Secretaria Geral da Presidência da República.

Superfaturamento de remédios da FioCruz

Jorge Solla já havia encaminhado, na quarta-feira passada (31), denúncia à Procuradoria Geral da República contra o ministro da Saúde, Ricardo Barros, pela compra ilegal de medicamentos junto ao laboratório Blau Farmacêutica. Duas compras são questionadas porque o próprio ministério fabrica estes medicamentos – a Alfaepoetina e a Ribavirina – através da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz). A denúncia também foi entregue em mãos ao presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro.

No caso da Ribavirina, medicamento utilizado para o tratamento da Hepatite C, a Fiocruz-Farmaguinhos fornece ao SUS o medicamento desde 2008 com preço unitário de R$ 0,17. Apesar do contrato de aquisição do medicamento junto à Fiocruz ainda estar em vigor, o ministério decidiu não realizar novas compras no segundo semestre de 2016. Em dezembro, já com estoque reduzido, realizou pregão e contratou a empresa Blau no valor total R$ 109.598.164,20 com o custo unitário de R$ 5,19, 3.000% mais caro. O primeiro empenho no valor de R$ 50,9 milhões foi liberado pelo Ministério ao laboratório Blau em 21 de fevereiro.

As irregularidades envolvendo a aquisição do Alfaepoetina, medicamento para pacientes com doença renal e tecidos transplantados, foram atestadas presencialmente por Jorge Solla nesta segunda-feira (29). O deputado visitou o complexo Biomanguinhos, no Rio de Janeiro, e fez registros do estoque de cerca de 3,9 milhões de doses do alfaepoetina, a mesma quantidade que foi adquirida por dispensa de licitação pelo Ministério da Saúde junto à Blau Farmacêutica. A compra, publicada no Diário Oficial do dia 27 de abril no valor de R$63,5 milhões, foi a primeira desde que a Fiocruz estabeleceu parceria com fundação cubana Cimab, em 2005, que previu a transferência de tecnologia da fabricação do medicamento para o Brasil.

A justificativa do governo para esta mudança na política de aquisição de medicamentos seria, conforme nota à imprensa divulgada pelo Ministério no dia 15 de maio, os preços praticados pelo mercado, que teriam ocasionado na dispensa de licitação uma economia de R$ 128 milhões ao ano. Segundo comunicado assinado pelo diretor da Biomanguinhos, Artur Couto, e distribuindo internamente na Fiocruz no dia 19 de maio, a suposta diferença de preço é de aproximadamente R$ 30 milhões. Ele destaca, porém, que por ser a Fiocruz uma fundação estatal subordinada ao Ministério da Saúde e sem fins lucrativos, os preços são definidos em reunião entre o ministério e a entidade.

“O preço praticado no ‘processo de aquisição anterior’ por Bio-Manguinhos considerava os valores pactuados em contrato e discutido com o MS anualmente, conforme consta no oficio 5555/2015/DAF/SCTIE/MS. Em momento algum, durante o processo de discussão dos preços no MS, ocorrido em novembro/16, foi discutido a necessidade de avaliação e redução do preço da Alfaepoetina, diferentemente do que ocorreu com outros produtos”, destacou o diretor, na nota. Segundo ele, o preço médio cobrado pela Fiocruz nos últimos dez anos gerou uma economia de R$ 6 bilhões, se utilizado como base o preço praticado anteriormente.

Na nota, o diretor ainda destaca que a parceria para transferência de tecnologia está em fase final, já que a Fiocruz começará a produzir neste ano o ingrediente farmacêutico ativo (IFA), matéria-prima do medicamento, na nova planta industrial, que recebeu investimento de R$ 478 milhões – durante os últimos dez anos, a Biomanguinhos produziu o medicamento com matéria-prima importada de Cuba. A Blau Farmacêutica utiliza IFA importada da China.

“Temos uma fábrica de meio bilhão de reais, que em poucos meses estará pronta para operar, construída para fabricarmos aqui e barateamos em mais de 40% o custo do medicamento, mas que pode virar um elefante branco porque o governo agora não quer mais comprar da Fiocruz, cancelou o contrato com a Fiocruz, que é do governo”, salientou o deputado Jorge Solla.

O petista também chamou atenção para a dispensa emergencial de licitação para a aquisição de um quantitativo de doses que existe em estoque na Biomanguinhos. “É nosso aquele medicamento, pagamos para produzir ele, e corre o sério risco de perder a validade porque será distribuído outro, da Blau, enquanto a produção em estoque da Fiocruz não tem perspectiva de saída e há lotes com vencimento de julho de 2018”, alertou o petista.

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Henrique Vitalino

09 de junho de 2017 às 16h48

Luis Edmundo, a chamada da matéria leva a entender , equivocadamente, q existe superfaturamento por parte da Fiocruz.

Responder

Gilmar Preto Cruz

08 de junho de 2017 às 21h54

A ESPERANÇA EMPREGADA EM UM FICHA LIMPA https://www.facebook.com/PortalNoArBR/videos/1161364330676910/

Responder

Marlene Rosa Barboza

08 de junho de 2017 às 20h24

Faz algum tempo, vi uma reportagem em um canal Frances, denunciando a corrupçâo entre os politicos e as industrias de medicamento, as industrias dos agrotoxicos. Na verdade, estes canalhas ganham milhoês para destruir a vida do povo, e com o dinheiro do povo. Nâo é por azar, que esta coisa que somos obrigada a chamar de presidente proibiu a ANVISA de se manifestar sobre os agrotoxicos existentes e os novos que estâo chegando, produtos quais faz mais de anos esta proibido em muitos Paises, em especial nos Paises Europeus.

Responder

Nando Gaia

08 de junho de 2017 às 19h48

Não tem credibilidade,denúncia o pt também.

Responder

Deixe um comentário