Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Brasil e a distopia horrível da desigualdade

Por Miguel do Rosário

21 de janeiro de 2018 : 14h45

[Este é o segundo e último artigo de uma série sobre a desigualdade de renda no Brasil. Leia o primeiro aqui].

No artigo anterior, eu cometi um erro estratégico.

Comparar os níveis de desigualdade entre Brasil e EUA não é uma boa ideia, por várias razões.

Piketty, em seu clássico Capitalismo no Século XXI, estuda em profundidade a questão da desigualdade nos Estados Unidos, que é particularmente chocante, sobretudo se comparada àquela verificada na Europa, no Japão e no mundo desenvolvido em geral.

Enquanto os 10% mais ricos da França, por exemplo, amealham 30%, nos EUA, os mesmos 10% controlam 47% da riqueza nacional.

Entretanto, mesmo dentro dos 10% mais ricos, há níveis de desigualdade que são muito diferentes entre as nações.

Na França, por exemplo, os 1% mais ricos detêm 8,8% da riqueza nacional, enquanto nos EUA, os mesmos 1% desfrutam de 20,20%.

A desigualdade no Brasil figura num outro patamar, distante da verificada em qualquer outro lugar do mundo, incluindo o super desigual Estados Unidos: nossos 1% mais ricos detêm quase 30% da riqueza nacional.

Na Coreia do Sul, os 1% mais ricos controlam 12% da riqueza do país. No Japão, os 1% mais ricos ficam com 10% da renda somada da população.

Outro erro  que cometi, ao comparar Brasil e EUA, é que os EUA são uma exceção: por razões históricas, tornaram-se o maior império econômico de todos os tempos. A desigualdade nos EUA, apesar de seus efeitos dramáticos na vida de muitos americanos, não atinge os mais pobres, nem de longe, com a mesma força que o faz no Brasil.

Os 50% mais pobres no EUA, que controlam 19% da riqueza nacional, tem uma renda média, depois dos impostos, de 25 mil dólares por ano. Já o mesmo segmento no Brasil (os 50% mais pobres), que detêm 12% da renda nacional, recebem apenas 3.400 dólares por ano, ou seja, uma renda mais de sete vezes menor do que seus primos norte-americanos.

A questão tributária é outro fator que se deve considerar, sempre que se compara o Brasil e outros países.  O gráfico abaixo (fonte: World Wid) mostra as alíquotas máximas de imposto de renda em alguns países desenvolvidos, ao longo dos últimos cem anos.

Observe que o processo de desenvolvimento das nações ricas foi marcado por uma tributação profundamente progressiva. O Reino Unido, por exemplo, nas décadas que antecederam a gestão de Margareth Tatcher, aplicava alíquotas de imposto de renda que atingiam 90% da renda em alguns casos. É evidente que isso foi fundamental para equalizar a distribuição de renda, oferecer educação e saúde de qualidade à população e desenvolver a economia.  A partir da década de 80, há queda acentuada nas cargas tributárias de vários países, de que resulta, aponta o estudo de Piketty, baixo crescimento econômico e elevação das desigualdades sociais.

Outros números para os quais os economistas do grupo de Piketty chamam muito atenção são os impostos sobre herança (inheritance tax). O século XX é marcado, nos países ricos, por impostos sobre herança extremamente pesados, que ajudavam a capitalizar o Estado e a reduzir as iniquidades sociais. Japão, EUA, Reino Unido, em particular, registram, desde a década de 30, impostos que oscilam de 70% a 80% sobre a herança legada a um cidadão. Até hoje esses impostos são muito relevantes, em geral acima de 40%.

No Brasil, segundo o mesmo estudo, o imposto sobre herança é de 4%.

Nos EUA, o imposto sobre herança, após decisão de Franklin Roosevelt, manteve-se em 77% de 1941 a 1976! O imposto sobre herança nos EUA irá cair somente após a era Reagan, quando terminam em 55%. A era Bush promoverá novo abatimento do imposto sobre a herança.

O governo Trump vem falando em cortar ainda mais esse imposto, o que faria com que a desigualdade nos EUA desse um novo grande salto.

Segundo o grupo de Piketty, o imposto sobre herança em países como o Brasil poderia fazer diferença:

“De fato, impostos adicionais cobrados através de taxas aplicadas sobre a herança poderiam ser usados para financiar programas de educação e saúde, e dar alívio à classe média no Brasil e em outros países emergentes”, diz o estudo, em sua conclusão.

 

 

No gráfico abaixo, os economistas fazem algumas projeções para o nível de renda dos 50% mais pobres do mundo, até 2050, usando três cenários: 1) se seguirem o padrão europeu, a renda média dos 50% mais pobres do mundo chegará a 9,1 mil euros/ano em 2050; 2) se seguirem seus próprios padrões, essa renda ficará em 6,3 mil euros;  3) se copiarem o padrão dos EUA, a renda média dos 50% mais pobres ficará em apenas 4.500 euros.

Como se vê, o mundo deve procurar se afastar ao máximo do padrão norte-americano de distribuição de renda, o pior, o mais cruel do mundo desenvolvido.

Quanto ao Brasil, é um caso monstruoso. A desigualdade no Brasil é absolutamente infame, vergonhosa, humilhante, superando o nível de países que vivem, há décadas, guerras civis, golpes e revoluções, como os países do oriente médio.

Considerando a magnitude do nosso país, que tem uma população de quase 210 milhões, temos uma desigualdade de renda não apenas monstruosa em termos de qualidade. Em quantidade também: um percentual importante da raça humana sofre as consequências do atraso mental de nossas elites.

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcelo Montenegro

22 de janeiro de 2018 às 18h17

Poha Miguel. Que artigo da porra. Muito bom,

Responder

Jorge

22 de janeiro de 2018 às 07h57

A desigualdade é ruim, mas a igualdade, dependendo de como for é pior. Leia a matéria da Carta capital sobre a Venezuela. Estou falando da Carta Capital, e não da Veja.
http://www.cartacapital.com.br/internacional/venezuela-a-vida-num-pais-em-colapso/@@amp

Responder

    Antonio Carlos

    22 de janeiro de 2018 às 14h40

    Conteúdo do Deutsche Welle não da Carta Capital.

    Responder

    Antonio Carlos

    22 de janeiro de 2018 às 14h44

    O problema de lá não é igualdade, é dependência de uma única commoditie de preços instáveis e falta de diversificação da economia que vem de muito antes do chavismo.
    A direita de lá propõe ficar com o dinheiro do petróleo para si e não diversificar a economia.

    Responder

Yorkshire Tea

21 de janeiro de 2018 às 23h45

saiu…

Responder

francisco amaral

21 de janeiro de 2018 às 17h10

Obrigado por essa síntese do trabalho de Piketty, Miguel do Rosário. E aqui no Brasil, os desinformados pela Folha de São Paulo et caterva vivem a reclamar dos “impostos excessivos”, do estado “interventor” e “gastador”, a pregar ajustes fiscais que são o puro aniquilamento das políticas de bem-estar social. Precisamos é aprofundar as políticas que os governos petistas apenas iniciaram.

Responder

Yor

21 de janeiro de 2018 às 17h09

Boa tarde, Miguel!

Essa sua matéria vai diretamente ao encontro daquele livro que mencionei no seu programa (The Great Leveler: Violence and the History of Inequality, de Walter Scheidel). Mandei a tradução de um trecho dele, você recebeu? Nele, Scheidel descreve como a desigualdade foi combatida no Japão do pós-Guerra por meio de medidas que hoje seriam consideradas altamente revolucionárias (reforma agrária radical, congelamento de preços e aluguéis – frente a uma inflação relativamente elevada, aumento violento dos impostos sobre propriedade – a partir da segunda propriedade, etc.). Detalhe: quem implementou essas medidas foi o Gal. Douglas MacArthur seguindo instruções do presidente Truman. Foi graças a adoção de medidas radicalmente indutoras da distribuição de renda que o Japão se tornou uma das sociedades com menor desigualdade social no mundo.

Responder

    Yorkshire Tea

    21 de janeiro de 2018 às 20h39

    Por algum motivo, o meu nome sai cortado.

    Responder

Deixe uma resposta