Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Desta vez estava no script

Por Denise Assis

13 de fevereiro de 2018 : 17h39

Denise Assis*

A despeito da insistência da mídia tradicional no bordão “alegria, alegria”, quando forem rever a história do carnaval de 2018 serão as imagens do desfile/protesto da escola Paraíso do Tuiuti, e a dos arrastões na Vieira Souto, a avenida banhada pelo mar de Ipanema, que darão o resumo do que foi a festa.

Desta vez estava no script. O enredo avisava que questionaria o fim da escravidão no Brasil. O que não estava previsto, foi o impacto que a concretude do conjunto de negros acorrentados, seguidos dos escravos de agora, – os trabalhadores garfados em seus direitos com suas carteiras profissionais semi queimadas -, desfilando para uma massa trabalhadora que aplaudia a evolução de seu próprio drama, das arquibancadas.

Perplexos, os comentaristas na TV mal davam conta de descrever o espetáculo de realidade e originalidade que passava diante dos seus olhos. E, o que é pior. Como falar dos “paneleiros” manipulados, se eles eram frutos da orquestração do patrão? Melhor minimizar.

Atrás, em um dos carros alegóricos mais vistosos, (e, portanto, impossível de ser ignorado ou minorado nas falas dos comentaristas), vinha o resultado pronto e acabado da orquestração. Um presidente mal ajambrado, representado por um vampiro (não só pela semelhança física com o que está lá, aboletado na cadeira presidencial), sugador do sangue dos que ralam para colocar este país em funcionamento todos os dias. Caricato como deveria ser. Horripilante como nos parece. Está aí o seu índice de rejeição que não nos deixa mentir.

Nos dias de ofegante epidemia, de alegria fugaz, (o carnaval), a platéia delirante viu desfilar diante de si, na mesma avenida por onde passaram sambas imortais, um samba popular de arrepiar, num dos momentos mais infelizes das páginas de nossa história. A pátria, que até então parecia distraída, bateu palmas para a ala de barões famintos.

Enquanto todos viam de perto uma cidade a cantar, os pigmeus do bulevar agiam freneticamente em Ipanema. Houvesse trilha sonora e estariam cantando outro enredo, ao som do qual sambaram os seus ancestrais: “me dá me dá, me dá o que é meu…”

Pela avenida chique, grupos de jovens negros erravam cegos à cata de vítimas a serem derrubadas a socos e chutes. Difícil distinguir onde estavam as vítimas. Os que tombavam defendendo suas correntes de ouro, ou os que, na falta da educação que lhes foi subtraída, tentavam levar algum, para preencher o futuro que não terão? São os nossos guris, olha aí. Eles disseram que chegavam lá.

*Jornalista e colunista de O Cafezinho

 

 

 

 

 

 

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EDUARDO

14 de fevereiro de 2018 às 17h48

campeã dos juízes: Beija-flor
campeã do povo: Tuiti

Responder

Decio Adams

13 de fevereiro de 2018 às 20h01

Não é o que diz o dito popular: “A voz do povo é a voz de Deus” e os sambistas, diretores e passistas, destaques e comissão de frente das escolas de samba, nada mais são do que povo. Se o dito é verdadeiro, a mensagem da escola de samba também é verdadeira.

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro