Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Foto: Francisco Proner

A coluna petroleira

Por Tadeu Porto

08 de abril de 2018 : 12h20

 

Machado de Assis acreditava que o destino, como todos os dramaturgos, não anuncia as peripécias nem o desfecho. O Bruxo de Cosme Velho argumentava, ainda, que o próprio acaso conseguiu a proeza de ser Deus e o diabo ao mesmo tempo.

Foi no ínicio do ano de 2015, no auge dos ataques da Lava-Jato que, numa reunião de colegiada que tinha tudo para ser uma qualquer, um petroleiro levantou a mão, pediu a palavra enquanto fitava a todos e todas presentes e disse: “se eles querem nos fazer ter vergonha da Petrobrás, mostraremos orgulho. A partir de hoje, esse jaleco laranja, uniforme do nosso trabalho, será nossa segunda pele”.

E não havia outra saída para aquela ocasião. Àquela altura do jogo, já estava mais do que desenhado que a operação mais badalada do momento precisava destruir a maior empresa do país para ter sucesso na sua agenda entreguista e vira-latas. A defesa da empresa e de seus empregados e empregadas se tornou primordial para resistir ao desmonte do Estado e da agenda social que engrandeceu o Brasil do Século XXI.

Os petroleiros sabiam onde encontrar esse orgulho: da descoberta do Pré-Sal, do salto na participação do PIB, dos estaleiros lotados de trabalhadores e trabalhadoras mostrando ao mundo que poderíamos construir aqui as plataformas de referência na exploração e produção de águas profundas e das novas refinarias, que não coincidentemente rima com soberania.

Os petroleiros encontraram na Petrobrás de Lula – dos números aos fatos – o escudo ideológico para se protegerem dos ataques baixos que lavajateiros de plantão aplicavam dia após dia contra, até então, a maior empresa da américa latina.

Três anos depois, quis o destino, misterioso mas habilmente casmurro, que esses jalecos laranjas marchassem lado a lado com o presidente que lhes deu vida e significado, reeditando a história do operário que, mais uma vez, encontra a opressão que deseja destruir sua luta.

Na foto épica do presidente Lula, rodeado pelo carinho e a admiração do povo, existem milhares de sonhos e histórias de brasileiros e brasileiras que estão ali para agradecer a maior liderança que esse país já viu.

Quem observa esse retrato da vida atentamente, registrada por um garoto de apenas 18 anos, consegue perceber, nas entrelinhas da vida que o diabo adora fazer residência, um rastro cor de laranja vivo que pavimenta o caminho do presidente mais bem avaliado da nossa história.

Uma escolha, em forma de bala, tirou Getúlio da vida para história. Quis o destino que várias escolhas, do Bolsa Família ao Pré-Sal, levassem os trabalhadores e trabalhadoras a carregar, literalmente, Lula em vida para a história.

E dentre as categorias ali presentes estava, destacado como um marca texto em um livro de poesia, a coluna petroleira: aqueles que encontraram o equilíbrio entre a gratidão ao presidente e a força da luta de classes, para construir o melhor momento da empresa criada por Vargas.

O destino, decerto, esconde as cartas do jogo da vida. Contudo, em sua longa trajetória, não deixa de morar em alguns detalhes. Assim, ver a mancha laranja, como a alvorada de uma nova era, encontrar o presidente que a fez nascer, não nos deixa acreditar que o Golpe triunfará.

P.s. O autor da foto e questão é Francisco Proner Ramos, filho da jurista Carol Proner. O avô de Francisco, Rogério Proner, é petroleiro e trabalhou na Bacia de Campos.

 

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marilu Gomes Parreiras

09 de abril de 2018 às 07h56

Não sou petroleira, mas para mim honrar esse uniforme laranja é algo soberbo, majestoso. É honrar a soberania da nação, o emprego, o reconhecimento no mundo. Um orgulho que não cabe no peito. Quando vejo o desmonte da PETROBRÁS eu culpo a cada um de vocês por não terem detido, mesmo que houvesse derramamento de sangue.
A Petrobrás é a intimidade da nação, e vocês deixaram que ela fosse desvirtuada. Por favor peço que repensem com qual tipo de orgulho, envergam esse uniforme.

Responder

TEZEU FREITAS BEZERRA

08 de abril de 2018 às 22h16

Nós petroleiros estaremos no fronte de luta em defesa da Petrobrás, da retomada da democracia e de Lula.

Responder

Alexandre

08 de abril de 2018 às 19h05

Representou a todos nesse texto

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina