Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

O dia em que Lula refundou o PT

Por Denise Assis

08 de abril de 2018 : 19h35

Denise Assis*

No dia 19 de abril de 1979, eu e o meu ex-marido acordamos cedo e fomos para a cozinha preparar o café da manhã. Lá, costumávamos deixar pendurado um radinho de pilha de capinha de couro preto (os mais jovens têm que pesquisar que coisa é esta). Ao ligá-lo na Rádio Jornal do Brasil, nosso primeiro gesto todos os dias, escutamos a notícia da prisão do líder sindical Luiz Inácio Lula da Silva. Nos olhamos, nos abraçamos e choramos assim, por alguns minutos. Tempo suficiente para extravasar o impacto da notícia devastadora naquele momento.

Cada um ao seu modo seguiu a rotina daquele dia pesado, para nos dias posteriores nos dedicarmos às atividades de resistência. Eu, no meu sindicato (o dos jornalistas), vendendo estrelinhas para comprar alimentos a serem depositados numa Kombi, que o presidente, Carlos Alberto de Oliveira (Caó), disponibilizou para que fossem enviados à matriz, em de São Bernardo, onde se refugiaram os companheiros da liderança dos metalúrgicos em greve. Ele, à frente do DCE da UFF, onde cursava medicina, articulava reuniões e atos por Lula.

Ontem, ao assistir à cena do ato ecumênico para D. Marisa, tendo Lula à frente dos padres e demais membros de outros credos, foi como ligar o projetor e deixar rolar o filme que remontava a esta época. A da fundação, das greves e da resistência.

Sim, as cenas em preto e branco ganharam cores, e o que se deu ali foi o milagre da “refundação”. Lula refundou o PT. E, além disso, fortaleceu e abriu espaço para outras legendas, num momento em que as atenções convergiam para ele.

Antes de sair de cena, arrastado por decisões que atropelaram a Constituição e o Direito, foi apaziguar os ânimos, apagar ressentimentos, unir emoções e, tal como uma mãe que aparta a briga de irmãos, fazendo-os dar as mãos depois da troca de sopapos, colocá-los no mesmo plano, para que sigam em frente aceitando as diferenças.

Lula fez questão de, em praça pública, diante da militância, dar a cada um uma missão, um papel, de acordo com suas estaturas. À Dilma, reservou a condição de parceira, arquiteta do mesmo projeto. Aos antigos companheiros de luta fez referências respeitosas e saudosistas. Para o escritor Fernando Morais, mandou um puxão de orelhas, como se a dizer: “apresse-se com este livro sobre o meu governo, ele é fundamental agora”. Para os demais, foi passando incumbências.

Tratem de ganhar o governo de tal estado, se esforcem para preencher na Câmara a nossa bancada. Lula falou como se escrevesse um “para casa”, e, ao mesmo tempo, fizesse um testamento. Falou às mulheres, em tom de pilhéria, dando-lhes valor ao mostrar o revide à traição como um crescimento e uma conquista. Agradeceu o apoio da classe artística, na pessoa de Osmar Prado, e saudou os mais jovens, chamando ao palco o conjunto do Pará que se apresentava no ato. Falou de gratidão, ao lembrar com carinho do aprendizado naquele sindicato e carinhosamente citar os pratos divididos nos arredores, com os antigos companheiros.

Para os que vêm daquele 19 de abril de 1979, não foi difícil entender que Lula estendeu a todos nós o dedo mindinho e, tal como nas brincadeiras da infância, trocou de bem com a militância, ainda melindrada com os solavancos e, – por mais que vacinada – influenciada pelo bombardeio midiático que, de tão pesado, chegou a minar a confiança de alguns.

E, ainda, enviou mensagens de reconstrução, e instruções para que tudo funcionasse quando “saísse de cena”. Houve quem entendesse apressadamente o gesto de erguer as mãos de Boulos e Manoela como uma sugestão para outubro. Os acostumados a ouvir Lula ao longo dos anos, prestaram atenção ao que veio depois do gesto: “Eu quero dizer a você, Guilherme e à Manoela que, para mim, é motivo de orgulho pertencer a uma geração que está no final dela vendo nascer dois jovens disputando o direito de ser presidente da república desse país.” (…) “Você tem futuro, meu irmão, é só não desistir nunca”. E, voltando-se para Monoela:

“Quero cumprimentar essa garota, essa garota bonita, garota militante do PC do B, que também está fazendo a sua primeira experiência como candidata a presidenta da República pelo PC do B –e que eu acho um motivo de orgulho e uma perspectiva de esperança para esse país ter gente nova se dispondo os  enfrentar a negação da política, assumindo a política e dizendo: ‘nós queremos ser presidente da República para mudar a história do país’.” Lula falou de futuro, sem afirmações categóricas.

Uniu forças, refundou o partido, deu diretrizes. E foi fazer o que achou que devia. A todos, porém, deixou tarefas. A principal, a de destrinchar as mensagens contidas em seu discurso. Simples, claro, mas com algum subtexto. E, por fim, a mais significativa: “Eu vou cumprir o mandato e vocês vão ter que se transformar. Cada um de vocês.Vocês não vão mais chamar Chiquinha, Joãozinho, Zezinho, Robertinho. Todos vocês, daqui pra frente, vão virar Lula e vão andar por esse país.”

*Jornalista e colunista de O Cafezinho

 

 

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Leandro

10 de abril de 2018 às 16h59

Um pouco de alívio é saber que ele delegou funções específicas.
Mesmo um guerreiro que sou, meus olhos insistem em verter lágrima.

Responder

Mari

10 de abril de 2018 às 00h14

Que texto!
Me desarmou… estava segurando o choro, desde o último Sábado.

Responder

Mauricio

09 de abril de 2018 às 09h06

O discurso do Lula deverá ser obrigatório em todos os livros de História.

Responder

Mirko Kraguljac

09 de abril de 2018 às 06h26

É isso aí! Lula em 50 minutos fez tudo isso e muito mais – só destrincar as mensagens que ele deixou em seu discurso histórico! E claro, cumprir , cada um de nós, as obrigações ante da história, história que juntos vamos fazer – lutando para valores inestimáveis de um Lula livre e candidato, bem como volta de democracia golpeada.

Responder

Marcelo Timotheo

09 de abril de 2018 às 01h44

Textaço. Tinha 14 anos em abril de 1979 e, com família politizada, liberais progressistas (no sentido que a palavra “liberal” tem nos EUA), já acompanhava algo das greves e da luta contra a ditadura. Graduei-me, depois, em História.e, desde 1989, voto em Lula. Obrigado por me levar, e com tanta emoção, para aquele passado de luta. E por mostrar, com beleza e altivez, que é possível crer num futuro bem melhor.

Responder

Rita Candeu

08 de abril de 2018 às 20h01

caramba! que texto
eu só faço que choro, é muita emoção!

Responder

    Rosângela Maria Pires

    08 de abril de 2018 às 22h53

    Eu também, Rita Candeu! Estive na sexta-feira em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos por quase 6h, em pé, emocionada o tempo todo com a energia que ali reinava! Vi nosso Lula aparecer nas janelas do 2° andar, ao lado do Lindberg e outros e, nós, a multidão parecia que tínhamos entrado em transe! Estou, assim como vc, cheia de sensibilidade, chorosa, emocionadíssima. Choro a todo momento, como agora ao ler esse texto-artigo maravilhoso de Denise Assis, que me parece ser o discurso de Lula exatamente como ela disse: uma distribuição zelosa de atribuições de um pai que vai partir, sem saber se vai voltar, a todos os seus filhos queridos e filhas queridas! Ah, Rita, que aperto no coração, que estrangulamento sinto na garganta e tento não deixar as lágrima escorrerem, mas impossível! Lula está nas mãos dos algozes do Povo e eles querem acabar com o Lula, porque acham que assim vão aniquilar nossa vontade! Mas … #EuSouLula #NósSomosMilhõesDeLulas

    Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina