Cafezinho 5 minutos – comentários diários de Miguel do Rosário

“Um passinho atrás, por favor!”

Por Denise Assis

17 de julho de 2018 : 17h59

Volta e meia alguém escreve sobre o momento econômico, debitando na conta da greve dos caminhoneiros a queda vertiginosa dos índices disto e daquilo. Atribuem à greve, o “verdadeiro tsunami” que se abateu sobre o país. Como diria o nosso velho amigo trocador de ônibus: “um passinho atrás, por favor”.

Voltando ao ano de 2016, por exemplo, constata-se que o tsunami que se abateu sobre o Brasil tem nome, sobrenome e CPF. Chama-se Michel, o ilegítimo, que de posse de um poder que não era seu, e para o qual não tinha e não tem o menor talento – sua verdadeira vocação são atividades à beira mar – jogou, ele sim, o país ladeira abaixo.

Não seria crível, por exemplo, atribuir aos companheiros da boleia a volta do Brasil ao mapa da fome. Esta notícia foi divulgada antes que os caminhoneiros cruzassem os braços. O motivo, nós sabemos. O corte radical de verbas, feito pelo governo, para os programas sociais.

Também não é justo dizer que os da estrada são culpados pelo aumento da mortalidade infantil, depois de 26 anos. Não me consta que os caminhoneiros saíram por aí atropelando criancinhas às levas, a ponto de fazer subir este índice.

Quando os convido, tal qual o trocador do ônibus lotado, a dar um passinho atrás, é para verificar, por exemplo, a política para o reajuste de combustíveis adotada pelo Michel. Segundo nos lembra a nota técnica do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), foco de matéria da jornalista Grasielle Castro, publicada no do site “Huffpost”, no dia 30 de maio deste ano, “em 30 dias, entre 22 de abril e 22 de maio, o preço da gasolina e do diesel foi reajustado 16 vezes. Para o consumidor, o preço variou entre 38,4%, no caso do diesel, e 47%, da gasolina.”

E, ainda de acordo com o comentário da jornalista, “o que explica esse aumento constante é a alta na cotação do barril de petróleo no mercado internacional, uma diretriz de recomposição dos preços adotada pela Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), além da desvalorização do real. Todos esses fatores passaram a ter impacto imediato no valor final do combustível depois que a Petrobras passou a adotar a política de preços que leva em conta a paridade internacional.”

Isto posto, nunca é demais lembrar que os caminhoneiros, que têm como principal atividade rodar por aí abastecendo todos os setores da economia, sentiram no bolso e na pele os desmandos da política entreguista e desvairada de preços, adotada por Michel e Pedro Parente, e usaram da arma que o trabalhador costuma usar: cruzar os braços. E, claro que isto teria consequências. A greve afetou, de acordo com números da FGV, 90% do comércio e 89,5% da indústria, alargando ainda mais, se é que isto é possível, a margem de rejeição ao (des)governo de Michel, que talvez tenha apoio, no momento, “talvez”, é bom frisar, apenas em casa.

 

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pedro Vieira

18 de julho de 2018 às 08h47

O grande arquiteto da grave dos caminhoneiros foi o atual golpista presidente em comum com a globo, a quem interessa o desgaste da greve?
Lógico que tinha mais gente atrás de tudo isso!
Agora ele pode dizer que a culpa de tudo isso foi a grave, por favor pessoal não se esqueçam que isso tudo faz parte do golpe!

Responder

Dieu

17 de julho de 2018 às 18h35

Ora bolas, os analistas de direita colocam na conta do PT e da Dilma a queda no PIB em 2015 e 2016 qdo o governo Dilma ja era operado pelas pautas bombas do Eduardo Cunha, por que eles nao jogariam a culpa de sua incompetencia nas costas dos caminhoneiros ?
É de extrema desfaçatez creditar somente ao PT os numeros ruins do PIB em 2015 e 2016 sendo que o Aécio Neves fez o possivel e o impossivel para sabotar a economia e derrubar a Dilma, alias, em 2014 ja estava bem dificil governar.

Responder

    Curiosinho

    18 de julho de 2018 às 08h19

    Tudo porque esse garoto cheirosinho mimado neto botou na cabeça ser presidente e não aceitou perder para a Dilma que foi para o segundo mandato infernal! Agora temos o FHC governando com o Temer de laranja e a Globo bota a culpa nos caminhoneiros! É por isso que as equipes de reportagens são escorraçadas ou todas destruídas quando aparecem nas quebradas!
    Lula livre presidente ou nada cambada de facínoras!
    Não subestimem o povo brasileiro!

    Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com