Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Haddad ou Ciro? Leia o artigo de Tiago Moraes

Por Miguel do Rosário

23 de setembro de 2018 : 01h21

O Meu Voto em Fernando Haddad para Presidente da República

Por Tiago Moraes

A democracia é o melhor regime político.

Embora pareça uma conclusão óbvia, nos dias de hoje defendê-la, com suas virtudes e vícios se tornou tarefa importantíssima (e árdua), principalmente para aqueles que querem uma nação soberana, com estado de direito, distribuição de renda, educação de qualidade, saúde e segurança.

A pergunta a se fazer, no meu ponto de vista é sobre quem ‘’encarna’’ melhor esse projeto, e onde podemos encontrar no melhor candidato esses predicados.

Como num ‘’jogo’’ de múltipla escolha, teríamos a conclusão de que tanto Haddad quanto Ciro representam o ‘’sim’’ das opções supracitadas.

Mas o que falta em Ciro para ‘’encarnar’’ esse projeto, sobra em Fernando Haddad.

Minha opção é política, e passar por ‘’isentão’’ ou alegar que não há interferência ideológica na análise seria mentira. Mas isso não invalida o argumento de que a questão é que o projeto que a população quer e que continua vivo nas mentes do povo brasileiro é o projeto Lula.

Lula foi e é um dos grandes líderes políticos do Brasil e do mundo, e na minha compreensão ao se recusar a defender a candidatura de LULA a presidência da República, Ciro Gomes cometeu não um erro eleitoral, mas um erro político enorme.

Primeiro, por que não estamos em condições democráticas normais. Segundo pelo fato de Lula ter 40% das intenções de voto e até ser eleito em primeiro turno.

São trunfos que o PT e o próprio Lula não poderiam desprezar, tendo que servir a candidatura como estratégia de defesa política, forçando o judiciário a mostrar que persegue o ex-presidente e demostrar ao povo de forma didática que sua condenação não passou de um golpe para que Lula não vencesse mais uma eleição.

Então o que deveria fazer Ciro Gomes bajular Lula? Aceitar tudo calado? Negativo, mas poderia ser solidário ao ex-presidente e dizer mesmo que nas entrelinhas, Ciro é Lula.

Fernando Haddad entendeu que o governo do próximo eleito já não será mais seu queira o eleito ou não, porque independente de qual seja o resultado a opção que o povo queria é e sempre foi Lula.

Por isso para que brigar com fatos? Então reproduzamos a nossa maneira a mística ‘Cámpora no Governo Perón no Poder’. Bingo, esse foi o pulo de gato de Fernando Haddad.

Haddad ajudou não apenas no plano de governo de Lula, mas também na estratégia política do PT, já que umas de suas ‘’faces’’ ou de seus ‘’50 tons de vermelho’’ o fazem um cientista político importante, que explicou como poucos o cenário das ‘’jornadas de junho’’, conjuntura difícil mas desenhada de forma cirúrgica num artigo para a revista ‘’Piauí’’.

Em suma, se Ciro Gomes tivesse defendido o direito de Lula ser candidato, colocando sua candidatura como ‘’natural’’, mas reversível em caso de Lula concorrer, hoje teríamos a tão sonhada ‘’unidade das esquerdas’’, possivelmente com Ciro na cabeça de chapa e Haddad na vice. Lembrando que em 1998, Brizola aceitou ser vice de Lula.

Por isso, criticar Fernando Haddad, como ‘’marionete’’, ‘’poste’’ ou ‘’estepe’’ de Lula, como tem feito Ciro Gomes é no mínimo curioso.

Não esqueçamos que Ciro teve uma grande derrota política nessa eleição ao namorar o ‘’Centrão’’ e ser passado para trás pelas velhas raposas que ele corretamente critica.

Já Haddad tem sido leal e comedido nas críticas a Ciro, enxergando como ele deve ser, um aliado importante e que conhece o Brasil.

Haddad conseguiu personificar as qualidades de Lula, sendo merecedor do espólio eleitoral de seu mentor, aumentando assim sua dimensão política.

Foi ministro, prefeito e tomou um banho de povo ao participar ativamente das caravanas da cidadania.

A verdade é que até hoje o povo grita mesmo que em silêncio, ‘’É Lula ou nada’’, sendo Lula o ‘’tudo’’ para essas pessoas e o ‘’nada’’ (para as mesmas), o projeto representado por Michel Temer que tira dos pobres e dá aos ricos, numa lógica bizarra de ‘’Robin Hood as avessas’’.

Lula estava certo quando dizia, ‘’podem matar uma duas ou três rosas, mas não podem impedir a chegada da primavera’’ e ela se chama Fernando Haddad.

P.S

Sobre o plano de governo de Haddad https://www.lula.com.br/plano-de-governo-haddad-e-lula-baixe-aqui-as-propostas-para-trazer-o-pais-de-volta-para-o-futuro/) não há nenhuma área em que o candidato não estudasse os problemas profundamente e apresentasse propostas importantes para resolver os problemas do Brasil.

* Tiago Moraes é de São Paulo e tem uma empresa de cálculos judiciais.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EDMUNDO

02 de outubro de 2018 às 18h29

Ok. Eu tenho várias críticas ao seu argumento, colocando o Lula em um pedestal. Mas não vou entrar nesse mérito, prefiro ser prático e racional.

Ciro x Bolsonaro: vitória com folga
Haddad x Bolsonaro: alto risco de derrota devido ao antipetismo

Simples assim. Para quem acredita mais no projeto do Ciro como eu é fácil entender. Já para quem acredita mais no PT vai um aviso: melhor um passarinho na mão do que muitos voando!

Responder

Adam Smith Comuna

01 de outubro de 2018 às 22h28

Seu argumento pelo voto no Haddad é Lula, mas se incomoda do Ciro chamá-lo de poste? Cadê o projeto melhor que o do Ciro? Cadê as qualidades do Haddad? Cadê a trajetória política?

Responder

Alvaro

23 de setembro de 2018 às 15h34

Projeto Lula: ele e os comparsas ricos, manipulação da classe pobre, desemprego, nação sem perspectiva, empresas fechando, violência e por aí vai. Grande líder para se espelhar. E ainda indica um camarada que nem governar uma prefeitura sabe.

Responder

Icaro

23 de setembro de 2018 às 11h07

O PT já teve a sua chance e fez um excelente governo com o Lula. Agora é a vez da mudança. Sem extremismos e juntos iremos equilibrar esse país e fazê-lo crescer com Ciro Gomes.

Apenas vai votar no Haddad quem é muito orgulhoso e quer deixar o Brasil afundado em crise. Daqui a 4 anos o PT concorre de novo quando a poeira abaixar. Agora simplesmente não vai conseguir governar, mesmo se ganhar. Votei no PT sempre. Agora estou indo de Ciro Gomes para presidente e de PSOL para os restantes dos cargos.

Responder

Elisa

23 de setembro de 2018 às 07h22

No comentário anterior postado por mim, Elisa, ficou parecendo que a OBS final era de autoria de
Adriano Machado – Reuters. Mas não é. O comentário é de minha autoria, Elisa.

Portanto, o trecho “Conselho ao desequilibrado que feriu Bolsonaro: não tente fugir da prisão nos próximos dias, mesmo que você encontre a porta da cela aberta. Existe uma grande possibilidade de você ser alvejado pelas costas” é de minha autoria.

Minhas desculpas a Adriano Machado

Responder

    Paulo Vicente Ferreira

    23 de setembro de 2018 às 21h56

    Qual a sua tese sobre o Adélio, Elisa?

    Responder

Tarcísio Mauro Vago

23 de setembro de 2018 às 07h21

Sobre essa opção, sugiro também que façamos o exercício de pensamento de ampliar os argumentos para a totalidade das chapas. Ciro está com Kátia Abreu. Haddad está com Manuela. Kátia e Manuela tem suas biografias, suas presenças na defesa de políticas públicas, e penso ser interessante considerá-las. Então, perguntar: que essas composições indicam? Que critérios e princípios as sustentam ? Que estratégias eleitorais indiciam? Que alianças de governo prenunciam? Boas reflexões a vocês.

Responder

Elisa

23 de setembro de 2018 às 07h11

HÁ ALGO DE ESTRANHO NO AR

“É preciso observar com atenção alguns movimentos estranhos: um deles é a prorrogação, pela Polícia (às vezes política) Federal do inquérito que apura a facada no candidato que flerta com o fascismo. O resultado da apuração sairá às vésperas do primeiro turno. Alguém duvida que nesse angu pode haver caroço do grosso?”, questiona o cientista político Robson Sávio Reis Souza; “Outro sinal vem de institutos de pesquisa: divulgação de dados à meia noite e notas explicativas de metodologias de sondagem deixam transparecer o velho e malfadado ditado: ‘os números, se torturados, tudo confessam'”

Conselho ao desequilibrado que feriu Bolsonaro: não tente fugir da prisão nos próximos dias, mesmo que você encontre a porta da cela aberta. Existe uma grande possibilidade de você ser alvejado pelas costas.Esq.: Adriano Machado – Reuters

Responder

João Paulo Vieira

23 de setembro de 2018 às 06h28

Bela reflexão, mas Ciro tentou demonstrar que existe alternativa para a social-democracia. Parte do eleitorado entendeu isso.
O Brasil tem alternativas viáveis dos dois lados, direita e esquerda, essa polarização é muito ruim e atrapalha o nosso sistema eleitoral, porque nós já entendemos que o projeto de poder do PT não é só para o povo.
É Ciro na cabeça.

Responder

Nascimento

23 de setembro de 2018 às 04h19

Somos todos Lula(Haddad)

Responder

Deixe uma resposta