Hangout com Miguel do Rosário: Bolsonaro nos EUA

Assassinato no Extra, que mãos estamos segurando?

Por Redação

16 de fevereiro de 2019 : 15h38

Assassinato no Extra: Afinal, que mãos estamos segurando?
Por Guto Alves

Há quase ano eu me debruçava sobre este teclado para perguntar: Quem és tu, Marielle Franco? Questionava-me quem era Marielle diante de seu brutal assassinato, uma execução sumária que até hoje não foi esclarecida. Me doía não saber Marielle de verdade. Me doía no peito pensar nos tetos que nos protegem e nos desalentos que matam Marielles. Por isso, perguntei: quem és tu, Marielle, que morre e me mata um pouco? Quem és tu, que me protegia e eu nunca protegi?

A nefasta morte de Marielle Franco abriu um caminho de dor e de sangue no Brasil. Este sangue, de inocência pisada, corre pelas nossas veias, estas veias abertas de um país que sucumbe em uma nova era que desafia os limites da liberdade. Num país em que Marielle morre, tudo é possível. E cabe nesta impossibilidade toda a gigante inércia de quem se encontra em um profundo estado de depressão cívica.

Esta inércia, que reage perplexa, com lágrimas nos olhos e fraqueza nos braços, permite, se assim posso dizer sem ferir nossos egos de luta, que a morte de Marielle seja apenas um fato que emociona e nos faz bradar gritos de guerra.

Ninguém solta a mão de ninguém, e eu pergunto: mas nas mãos de quem estamos segurando? Desde Marielle lanço sempre a mesma questão: quem és tu, Moa do Katendê? Quem és tu, Dandara? Quem és tu, Quelly da Silva? Por que te mataram e te arrancaram o coração? Quem são vocês treze que foram fuzilados no morro? Quem és tu, “um jovem negro”, que morre a cada 23 minutos no Brasil? Quem és tu, Pedro Henrique Gonzaga, de 25 anos, que foi estrangulado até a morte, diante de sua mãe, por um segurança do supermercado Extra?

Casos como o de Pedro, chocam tanto pela brutalidade do ato como pela consciência que leva um segurança a fazer isso. A consciência do desejo de morte, de destruir algo que talvez não se destrua com a morte.

Ao estrangular um garoto em estado de surto, completamente imobilizado e rendido, a pulsão de morte deste segurança ultrapassa o que entendemos por dar fim a algo. No caso, na agressão que parte deste sujeito num ato impetuoso, o desejo de morte o leva a usar a morte como arma, pois é sabido por ele que certas coisas não se matam, não se aniquilam.

Era esse o desejo de matar: o de matar o que não morre. É por isso que, mesmo aos apelos para que soltasse o rapaz, mesmo estando diante de uma mãe desesperada por ver seu filho morrer e ser incapaz de salvá-lo para além dos gritos de desespero e desamparo, mesmo sabendo que a morte ali seria apenas uma questão de decisão, que ele tinha poder sobre a vida daquele jovem, decidiu seguir, estrangulando-o até que lhe faltasse ar por completo. Estava morto o rapaz, mas está mais morto este segurança, assim como estamos mais mortos todos nós.

O Brasil de Bolsonaro e o assassinato de Pedro Henrique

Quando Pedro é assassinado de forma tão brutal e o que se segue é a sequência lógica de desamparo do estado – o segurança responderá em liberdade após pagar fiança e foi acusado de homicídio culposo, quando não há intenção de matar -, quando observa-se que casos como este acontecem a todo o tempo no Brasil, seguindo pela mesma lógica de desamparo do Estado, é preciso repensar como estamos reagindo ao que nos impõem no que chamam de Nova Era.

É preciso abrir os olhos e enxergar além dos números das estatísticas. É preciso segurar nas mãos dessas pessoas de verdade, pois é verdade também que há um genocídio em curso. A probabilidade de que Pedro, caso não tivesse morrido ali, morresse abatido de outra forma é grande. É disso que estamos falando: de destinos selados, de futuros roubados, de vidas eutanasiadas.

O Estado, quando não protege a vida das pessoas, não educa seus cidadãos, não prepara sua polícia e não regula as relações opressoras de trabalho, faz todos viverem numa esteira rumo a uma eutanásia social. O desejo de morte é grande porque atende a uma cadeia alimentar capitalista que só gira se os velhos morrerem sem dar despesa e se os indesejáveis desaparecerem de cena. Por praticidade ou por pura crueldade. Foi assim a história da humanidade e é assim a história que se constrói no Brasil de Bolsonaro.

É impossível ouvir os relatos da morte de Pedro nesta quinta-feira no Rio de Janeiro, cientes de como se deu o estrangulamento de um jovem por um segurança de supermercado, e não pensarmos no período político, como recorte histórico e social, pelo qual o Brasil atravessa seus dias.
Com as instituições ruídas, totalmente sem credibilidade, com governos que possuem projetos claros de extermínio e arrocho da classe trabalhadora, com um estado que estimula a violência e, como produto dela, o escárnio, cenas como a que narrei acima, com Pedro e sua mãe, serão cada vez mais comuns.

Muito já se discutiu sobre o Brasil que elegeu Jair Bolsonaro. Afinal de contas, que Brasil é esse? Não se pode avaliar as variáveis que surgem a esta questão sem levar em conta o que se tinha conhecimento da figura em questão. Jair Bolsonaro, um homem médio, político medíocre e figura apagada no Congresso, ficou conhecido nos anos 2000 quando vieram a público suas declarações criminosas.

Em suas falas, defende a tortura, o assassinato, a posse irrestrita de armas, disse que sua filha foi uma “fraquejada”, ameaçou de morte os ativistas sociais do país, disse que a Ditadura Militar devia ter matado em vez de torturar uma “meia dúzia” que sofreu mutilações, choques, estupros e outros tipos de torturas. Exaltou o Coronel Brilhante Ustra na votação de impeachment de uma mulher que havia sido torturada por ele, um homem que enfiava baratas nas vaginas de mulheres presas.

Este homem, que hoje está a frente de uma das maiores nações do mundo, é o mesmo que se diz abertamente homofóbico no país que mais mata LGBTs. Em seu modelo de gestão, o ódio é propagado através de suas mensagens ao público, o jornalismo é perseguido covardemente e toda e qualquer notícia relacionada ao clã da família Bolsonaro é taxada como Fake News, numa campanha de descrédito da imprensa e supervalorização da comunicação direta do Planalto.

O Brasil que elegeu Bolsonaro sabia de tudo isso. Precisamos entender que Brasil é este: é um Brasil amplamente fascista? É um Brasil altamente manipulado e controlado? É um Brasil que abriu uma válvula de escape para todo o ódio de sua população ?

Entender que Brasil é este é fundamental para reagirmos ao que surge e para que seguremos de fato nas mãos uns dos outros. Quando se constrói um estado que tem como frente ampla o ataque aos Direitos Humanos, um projeto de emburecimento da população e endurecimento do controle sobre a vida privada, tudo isso somado a ascensão das igrejas evangélicas ao poder (com controle de mídia), é lógica a conclusão de que não basta fazer oposição, é preciso um plano de retomada de poder e muita luta para proteger a população.

Não se faz oposição a um governo que passa por cima de todos os princípios de legalidade democrática, que se elegeu por meio de uma campanha mentirosa e cruel, que não respeita a história do país, e que brinca de governar no Planalto. O que se faz frente a isso é lutar. O Brasil se tornou o picadeiro de um circo sem graça, onde tragédias dizimam vidas, morros são fuzilados,

Pedros são assassinados e nós nada fazemos.

Este Brasil de Bolsonaro sombrio se ampara no ódio e tira do armário o que há de pior naqueles que desejam a morte dos indesejáveis. Este Brasil de Bolsonaro é o Brasil da Vale que mata centenas e não é punida. É o Brasil do ministro do meio ambiente que ignora Chico Mendes. É o Brasil da ministra Damares que quer impor sua conduta religiosa a todos. É o Brasil do ministro da educação que diz que educação não é para todos. É o Brasil que despreza a cultura e odeia seus artistas. É o Brasil que faz arminha com as mãos e mata Marielles de mãos dadas com a milícia.

Às mãos
Quando pergunto sobre as mãos que seguramos é justamente porque me questiono se temos de fato estendido nossas mãos enquanto as pessoas morrem. Todos os dias nos comovemos com o genocídio a céu aberto que virou o Rio de Janeiro e outros lugares do Brasil. A cada dia, mais uma perseguição em universidade, uma declaração violenta de algum membro do governo. Ninguém solta a mão de ninguém segue como slogan, a resistência segue como palavra de ordem e o facebook e o twitter seguem como palanques recheados de discursos de como tudo está errado.

Na mesma semana em que ainda choramos as mortes de Brumadinho, a morte dos treze assassinados pela Polícia Militar do Rio de Janeiro, na mesma semana em que se discute se a Homofobia (que mata) deve ser crime, na mesma semana em que a placa que homenageava Marielle foi emoldurada, Pedro foi estrangulado por tudo isso pelas mãos de um segurança de supermercado.

Ao morrer Pedro estrangulado, penso se alguém lhe segurava as mãos. Ao morrerem tantas pessoas em Brumadinho, penso se alguém lhes seguravam as mãos. Ao ter o coração arrancado, penso se alguém segurava as mãos da travesti Quelly. Ao me ver aqui escrevendo sobre toda esta barbárie, penso nas mãos de quem tenho segurado. De quem? A verdade é que não tenho conseguido segurar nem as minhas próprias. Falta força, falta crença, sobra medo e desamparo. Mas quando vejo as imagens do segurança estrangulando o garoto, faltam palavras, aperta o peito e a mão empunha: é nas mãos dele que eu deveria estar segurando.

TeXto de Guto Alves

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

33 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alice

18 de fevereiro de 2019 às 10h00

Segurança do Extra não podia trabalhar na função. Se o desgoverno fizer uma pequena fiscalização encontrará muitas irregularidades neste negócio chamado “segurança privada”.

Responder

    Justiceiro

    18 de fevereiro de 2019 às 17h45

    O cara que morreu era usuário de drogas, não trabalhava, um fardo para a mãe.

    Mas pela idade, era uma criancinha quando lula chegou ao poder, então esse sujeito, como milhões de tantos outros, não teve oportunidade de uma boa escola, e atenção do governo.
    Poderia estar se formando nas milhares de Universidades que o presidiário se gaba de ter construído. Não é mesmo dona Alice?

    Responder

      Justiceiro

      18 de fevereiro de 2019 às 17h47

      Poderia estar se formando NUMA das milhares de Universidades que o presidiário se gaba de ter construído.

      Responder

      Alan Cepile

      18 de fevereiro de 2019 às 19h34

      “O cara que morreu era usuário de drogas, não trabalhava, um fardo para a mãe.”

      Logo pode ser executado…… Viva a era bozo!

      Responder

Guimarães Roberto

17 de fevereiro de 2019 às 14h07

Será que o país tem mesmo 57 milhões de assassinos em potencial? Os eleitores(as) do Bozo que conheço e mantenho algum contato só falam nisso: matar. Qualquer assunto, para eles, deve ser solucionado com a morte e, lógico, dos opositores. Aliás, eles não possuem opositores, mas sim inimigos. Tá feia a coisa.

Responder

    Justiceiro

    17 de fevereiro de 2019 às 15h24

    Sabe quando isso começou? Lembra quem disse a frase: “agora é nós COTRA eles”?

    Isso é o efeito bumerangue.

    Responder

      ari couto

      17 de fevereiro de 2019 às 18h05

      Não, imbecil, a história sempre foi “nós contra eles”, a menos que Temer ou Bolsonaro tenham cancelado a luta de classes.

      Responder

    Alan Cepile

    18 de fevereiro de 2019 às 11h10

    Não faz muito sentido dizer que o Brasil tem 57 milhões de fascistas assassinos, simpatizo mais com a versão de que o eleitorado estava farto das cagadas do PT e só não soube escolher bem. Grande parte da culpa é do partido que dá a vida pela tal hegemonia.

    Responder

Renata

17 de fevereiro de 2019 às 11h06

Parabéns pelo texto Guto Alves!
Temos de nos indignar e mudar esta situação.

Responder

Gabriel

17 de fevereiro de 2019 às 10h51

Esperar o que de um segurança que só sabe usar O muque e não o cérebro. Mas vergonhosa ainda e a conduta da justiça que deixa esse parvo souto. Só queria saber qual foi o debio mental que deu uma arma de fogo para esse jeguranca. Das 2 uma ou e burro mesmo ou tava drogado trabalhando. Matou na frente das câmeras e o juiz deixou ele solto. Juiz ou delegado. Enfim, quem foi o jegue que deu uma arma para esse segurança limitadissimo intelectualmente andar no meio dos cliente pq os cúmplices seguranças não fizeram nada.
Para que arma de fogo para vigiar a coxa de frango, a cerveja.

Responder

    Renato

    17 de fevereiro de 2019 às 22h39

    Uè, mas cadê a presunção de inocência tão cantada em prosa e verso pelos petistas ? Onde está o tal “ninguém será considerado culpado até o trânsito de sentença condenatória transitada em julgado”? O rapaz nem condenado em primeira instância foi. Pra que a pressa ? OU a prisão após o trânsito em julgado só serve para o Lula e os corruptos de Petê ?

    Responder

      Luiz

      18 de fevereiro de 2019 às 02h18

      Falando em presunção, você tem certeza que o guri morreu? Não é melhor esperar o cartório?

      Responder

        Renato

        18 de fevereiro de 2019 às 22h10

        E desde quando é o cartória que atesta a morte de alguém ?

        Responder

Paulo

16 de fevereiro de 2019 às 22h38

Um candidato à presidência da República foi esfaqueado, vítima de tentativa de assassinato clara, insofismável, em plena campanha política (coisa que não acontecia desde o assassinato de João Pessoa, em 1930, por razões passionais, mas explorado, politicamente, pelo varguismo), e você pergunta de Marielle, Môa do Katendê, etc? Não que tenham menos importância pessoal, mas tem bem menos importância política. Não regateio com números, como diria Theodor Adorno, mas é preciso não perder a coerência…

Responder

    Paulo

    16 de fevereiro de 2019 às 22h42

    Só esclarecendo que João Pessoa era candidato à vice-presidência na chapa de Getúlio Vargas…

    Responder

    Alan Cepile

    17 de fevereiro de 2019 às 02h01

    Menos importância pq??? Uma vereadora assassinada, outros dois deputados recebendo ameaça constantemente, um candidato a presidente tb ameaçado, todos do mesmo partido e NENHUM desses casos foi elucidado, contra uma suposta facada que as investigações já disseram ser um caso isolado de um cara com transtornos comportamentais.

    Responder

      Justiceiro

      17 de fevereiro de 2019 às 10h23

      Pois é.

      Na mesma semana em que Marielle Franco e seu motorista(não se esqueçam) foram assassinados, uma mulher negra, moradora da periferia e lésbica, também foi assassinada em São Paulo.

      Mas essa ninguém deu atenção. Por quê? Porque era policial militar.

      Outra coisa. Essas ameaças a jean Wyllys acho que era só pra sacanear, que importância tinha Wyllys no parlamento com seus 24 mil votos?

      Quando ao candidato a presidente sofrendo ameaça, quem iria se importar com um cara que foi surrado pelo cabo Daciollo?

      Responder

        Alan Cepile

        17 de fevereiro de 2019 às 21h37

        O caso Marielle teve notoriedade pq é uma pessoa pública eleita pelo povo, ou seja, representa uma parcela da sociedade, ou talvez a sociedade inteira, já a negra da periferia não tem esses atributos. Será que é mesmo necessário dizer isso????

        Jean pode não ter grande importância pra mim e pra vc, mas teve pro segmento que ele representou. Não é pq ele teoricamente não fez nada por mim que eu vou ser contra ele ou criticar o trabalho dele como parlamentar, afinal, com certeza, eu como hetero necessito de menos atenção do que os homossexuais que apanham e são mortos devido a orientação sexual. Sério mesmo que isso precisa ser dito tb????

        A relação de importância tb se aplica ao candidato, só pq não foi o que eu votei não significa que eu o acho um lixo ou seja contra ele, e sinceramente? Dá pena quem pensa assim.

        Responder

      Paulo

      17 de fevereiro de 2019 às 10h25

      Suposto? Sério? E as investigações ainda não terminaram. Embora eu não acredite em razão política – como também não acredito no Caso Marielle…

      Responder

    a

    17 de fevereiro de 2019 às 11h17

    Puxa, alguém que acredita na tal facada

    Responder

Valdete Lima

16 de fevereiro de 2019 às 22h11

Infelizmente ninguém foi enganado. Essa turma que está aí disse tudo o que iria fazer; Desde o presidente que elogia torturador e quer por arma na mão de todo mundo, o governador do Rio de Janeiro dá ordem pra matar e o ministro da justiça avaliza tudo isso; Então, os instintos assassinos de quem os têm, aparecem sem medo de cometer assassinato.

Responder

Justiceiro

16 de fevereiro de 2019 às 19h24

Muito bem, queremos saber:

– quem matou Marielle Franco e também de seu motorista, Anderson;
– quem matou CelsoDaniel;
– quem mandou matar Jair Bolsonaro;
– quem paga os advogados de Adélio Bispo

Responder

    ari couto

    17 de fevereiro de 2019 às 11h20

    Alguém mandou matar Bolsonaro? Quando? Vc não está falando da farsa da facada, certo?

    Responder

      Renato

      17 de fevereiro de 2019 às 22h26

      Farsa da facada e farsa do assassinato de Marielle !

      Responder

        cabra retado

        18 de fevereiro de 2019 às 19h38

        a marieli ta escundidinha no caxão, mas fala baxo sinão os milicia/witzel vaum la e mata ela na vera kkkkk

        Responder

Everton

16 de fevereiro de 2019 às 17h42

Quem criou este monstro neofascista e todas as facções neofacistas que o seguem for a grande mídia que por sinal faz de conta que não tem nada haver com o que esta acontecendo com o pais. CANALHAS, CANALHAS CANALHAS.

Responder

    Alan Cepile

    16 de fevereiro de 2019 às 19h17

    Não podemos esquecer que quem elegeu esses caras foi o povo.

    Responder

José Ruiz

16 de fevereiro de 2019 às 17h01

nós sofremos uma trombose social, as veias de um movimento popular estão entupidas por lideranças como haddad, tarso genro, a patota toda do pc do b, ciro gomes.. são nódulos gordurosos que entopem as veias do país.. por isso não há luta.. enquanto não cair a falsa esquerda, vamos continuar contando pedros, jenifers, da silva e tais.. a má notícia é que o crime organizado já fez upgrade, ninguém está à salvo, só quem anda de helicóptero.. bem, talvez nem esses..

Responder

    Carlos Eduardo

    16 de fevereiro de 2019 às 20h07

    Pelo seu comentário a trombose social é culpa da esquerda né?

    Surreal…..

    Responder

Zé Maconha

16 de fevereiro de 2019 às 16h48

Mais um bolsonarista assassino?
Alguém se espanta?
Bolsonaro lidera as milícias do Rio.
Bolsonaro é um assassino , ele mesmo falou em matar pessoas.
Mas Ciro quer oposição moderada a ele.
Todo bolsonarista é um assassino em potencial.
Eles mesmos admitem isso abertamente.

Responder

Irenilda Lopes

16 de fevereiro de 2019 às 15h57

Excelente texto. Pena não fazer qualquer referência ao decreto de armamento e ao pacote anti-crime de Moro, que coloca expressamente a possibilidade de escusa da culpabilidade em função de “surpresa”, “medo” e “violenta emoção”, o que coloca fatalmente na linha de frente nossos jovens pobres “sob suspeira”, muitos brancos, mas a grande maioria de afro-descendentes.

Responder

    Guto Alves

    17 de fevereiro de 2019 às 12h13

    Verdade, airenilda. Vou escrever um texto só sobre isso.

    Responder

    Renato

    17 de fevereiro de 2019 às 22h29

    É só você pedir para os afros-descendentes pararem de roubar e matar que eles não serão mortos. Por falar nisso, o segurança que matou o drogado é afro-descendente. É negro matando negro !

    Responder

Deixe uma resposta