Paulo Gala e Fausto Oliveira comentam riscos de “livre comércio” com a China

O poder descomunal da mídia

Por Pedro Breier

08 de maio de 2019 : 14h01

Os meios de comunicação de massa, ao selecionarem os assuntos aos quais dão maior importância em sua programação noticiosa, influenciam na escolha dos temas que serão debatidos pelas pessoas em suas vidas cotidianas. Esse poder de pautar as discussões que permeiam o dia a dia da população é chamado, no campo dos estudos da comunicação, de agenda setting.

A cobertura da imprensa sobre a operação Lava Jato é um exemplo paradigmático do alcance – e da capacidade destrutiva – do agenda setting. Uma simples operação policial foi transformada em um verdadeiro reality show, inclusive com seus heróis e vilões bem delimitados em cada matéria, reportagem ou opinião emitida.

Essa cobertura exaustiva sobre a Lava Jato contribuiu decisivamente para resultados políticos nada modestos, como a derrubada do governo Dilma e a eleição de Jair Bolsonaro. Percebe-se que o agendamento às vezes ocasiona os resultados esperados pelos principais veículos de comunicação, como no caso do golpe de 2016, e em outras não, como nas eleições de 2018, quando Bolsonaro não era o candidato preferido de veículos como Globo e Folha.
O sucesso do punitivismo primitivo da Lava Jato é, de certa forma, uma continuação da popularidade alcançada pelos programas policialescos que integram as programações televisivas há décadas. O incentivo à violência policial/judicial sempre grassou livre nos meios de comunicação, sendo que sua regulamentação jamais foi sequer cogitada no Brasil.

A violência é prioridade absoluta na agenda da mídia.

A eleição de Bolsonaro, um armamentista despreparado para administrar sequer uma pequena venda, é a consequência mais trágica da cultura punitiva inoculada na população por anos à fio pela serpente midiática. Na esteira da vitória do ex-capitão, uma série de políticos truculentos foi eleita nas últimas eleições.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, é um destes. No último sábado (04), Witzel participou de uma operação policial a bordo de um helicóptero. Antes de embarcar no veículo, Witzel gravou um vídeo e divulgou no seu Twitter. No vídeo, o governador diz, em estado de exaltada excitação, que a operação iria “acabar de vez com essa bandidagem”. Anunciou, triunfante, que “acabou a bagunça, vamos colocar ordem na casa”.
Tiros disparados do helicóptero atingiram um ponto de apoio para peregrinação de evangélicos, o qual foi confundido com uma casamata do tráfico. “Aos sábados, cerca de 30 pessoas sobem o morro para orar. Algumas passam a noite acampadas ali. Poderia ter sido uma tragédia”, disse o diácono da Assembleia de Deus Shirton Leone.

Das duas, uma.

Talvez tenhamos descoberto o tipo perfeito de governante para o combate à criminalidade. Neste caso, nas próximas eleições quem sabe devamos eleger o Rambo. Mesmo sendo um personagem fictício, sua habilidade com a metralhadora certamente será mais útil que os vídeos de Witzel para “colocar ordem na casa” e magicamente acabar com a “bandidagem”.

A outra hipótese é que o debate público foi de tal maneira envenenado pelo discurso punitivo que governantes sentem-se impelidos a agirem desta forma estúpida, grotesca, irracional, inútil – insira aqui seu adjetivo.
Se a grande mídia escolhe os assuntos que pretende transformar em pauta, por consequência define também, em boa medida, quais serão escamoteados do debate público.

Um bom exemplo é o recorde de liberação de agrotóxicos levado à cabo pelo governo Bolsonaro. São 166 novos produtos liberados nos primeiros 4 meses de governo. Uma das substâncias liberadas foi uma variante do glifosato, que é associado por diversos estudos à incidência de câncer. Outro pesticida dos mais consumidos no país, a atrazina, é associado à malformação fetal e é proibida na União Europeia.

A liberação sem precedentes de agrotóxicos atinge praticamente toda a população, excetuando-se apenas aqueles que alimentam-se exclusivamente de produtos orgânicos. Mesmo diante de tamanho potencial danoso, a questão é abordada apenas lateralmente pela imprensa tradicional.

Imagine uma cobertura sobre o tema nos moldes da realizada sobre a Lava Jato. Uma avalanche diária de matérias, entrevistas com pesquisadores e médicos, reportagens sobre os trâmites governamentais para liberação dos produtos ou sobre a maior incidência de casos de leucemia e linfoma em Mato Grosso, estado que mais consome agrotóxicos no país.

Possivelmente, o fato de estarmos consumindo alimentos com tamanho potencial nocivo seria assunto nacional e permearia as conversas cotidianas da população. O provável resultado seria uma maior intensidade da pressão sobre o governo para que agisse em defesa da população.

A mídia é muitas vezes chamada de quarto poder, o que é uma imprecisão: sua força, especialmente levando em conta a asfixiante concentração de mídia brasileira, a coloca, atualmente, acima do Executivo, do Legislativo e do Judiciário na capacidade de influenciar o país. A consequência de tamanho poder nas mãos de um punhado de cidadãos ricos e reacionários é a catástrofe política e social na qual estamos mergulhando com exasperante rapidez.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »