Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

(Xinhua/Ding Haitao)

China e Rússia se unem contra imperialismo americano

Por Redação

06 de junho de 2019 : 13h34

As notícias sobre o encontro entre os líderes máximos de China e Rússia não deixam dúvidas quanto a seu significado geopolítico: as duas potências nucleares estão se aproximando para formar um bloco de resistência ao imperialismo americano.

Trecho:

(…) o lado chinês está disposto a se unir à Rússia na ampliação do efeito positivo da relação política de alto nível dos dois países, a trazer mais benefícios da cooperação bilateral para os dois povos, e a apresentar mais opções China-Rússia para os assuntos globais.

Observando que o mundo de hoje está se tornando cada dia mais incerto e instável, Xi disse que a promoção das relações China-Rússia é o pedido da história, e uma escolha estratégica firme por ambos os lados.

***

No Xinhua (imprensa oficial chinesa)

China e Rússia concordam em elevar relações para nova era
2019-06-06 07:06:42丨portuguese.xinhuanet.com

Moscou, 5 jun (Xinhua) — A China e a Rússia concordaram na quarta-feira em elevar suas relações para uma parceria de coordenação estratégica abrangente para uma nova era.

A decisão foi tomada durante uma reunião entre o presidente chinês Xi Jinping e seu homólogo russo, Vladimir Putin.

Durante a reunião, os dois chefes de Estado avaliaram altamente o desenvolvimento dos laços bilaterais nos últimos 70 anos, concordaram em defender a noção de boa vizinhança e cooperação de benefício mútuo e desenvolver uma parceria de coordenação estratégica abrangente para uma nova era, a fim de elevar os laços bilaterais para um nível mais alto e beneficiar melhor os povos dos dois países e do mundo também.

Xi disse que esta é sua primeira visita de Estado à Rússia depois de sua reeleição como o presidente chinês no ano passado, e é a oitava vez que ele viajou ao país desde 2013, dizendo que a relação China-Rússia está registrando um desenvolvimento contínuo, estável e sólido em um alto nível, e se encontra em seu melhor nível na história.

Ambos os lados apoiaram-se firmemente em seus esforços para defender os respectivos interesses essenciais e fomentar a forte confiança política e estratégica mútua, disse Xi, acrescentando que os dois países impulsionaram ativamente a cooperação abrangente pois as forças motrizes internas dos laços bilaterais estão surgindo, e a convergência dos interesses dos dois países está sendo aprofundada.

A China e a Rússia desempenharam papéis ativos em assuntos internacionais e governança global, e fizeram contribuições importantes e construtivas para manter a paz e a estabilidade mundiais assim como a imparcialidade e a justiça internacionais, disse.

O líder chinês observou que este ano marca o 70º aniversário da relação diplomática China-Rússia, o classificando como um marco e um novo ponto de partida.

Reconhecendo que o mundo está passando por mudanças profundas sem precedentes em um século, Xi disse que a China e a Rússia estão assumindo uma expectativa muito maior dos povos dos dois países e da comunidade internacional.

Ele acrescentou que o lado chinês está disposto a se unir à Rússia na ampliação do efeito positivo da relação política de alto nível dos dois países, a trazer mais benefícios da cooperação bilateral para os dois povos, e a apresentar mais opções China-Rússia para os assuntos globais.

Observando que o mundo de hoje está se tornando cada dia mais incerto e instável, Xi disse que a promoção das relações China-Rússia é o pedido da história, e uma escolha estratégica firme por ambos os lados.

Ele pediu que os dois lados fortaleçam a comunicação e a coordenação estratégicas, e aumentem seu apoio mútuo em assuntos relativos a seus respectivos interesses essenciais.

Xi também pediu que os dois países promovam ainda mais sua cooperação econômica e comercial, impulsionem a cooperação em importantes projetos estratégicos assim como em áreas emergentes ao mesmo tempo, e fortaleçam a cooperação em níveis locais e em setores econômico e comercial, de investimento, energia, tecnologia, aeroespaço, interconectividade, agricultura e finanças.

De acordo com Xi, os dois países devem impulsionar ativamente sua cooperação para acoplar a Iniciativa do Cinturão e Rota e a União Econômica Eurasiática para promover a integração econômica regional.

Para aumentar os intercâmbios entre pessoas, Xi disse que o plano para o ano de inovação científica e tecnológica China-Rússia de 2020 a 2021 deve ser bem projetado.

Ele disse que a China e a Rússia, ambos os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, continuarão trabalhando com a comunidade internacional para salvaguardar a ordem internacional que se baseia no direito internacional com a ONU no núcleo, manter o sistema de comércio multilateral, trazer energia positiva para a situação internacional complicada, e fazer novas contribuições para a construção de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade.

Putin deu as calorosas boas-vindas a seu velho amigo Xi pela visita, dizendo que com os esforços conjuntos de ambos os lados desde o estabelecimento dos laços diplomáticos há 70 anos, as relações Rússia-China atingiram um alto nível sem precedentes, e os intercâmbios e a cooperação bilaterais em todos os sentidos têm sido frutíferos.

A parceria de coordenação estratégica abrangente Rússia-China não só beneficiou os dois povos, mas também se tornou uma importante força para a segurança e a estabilidade estratégica do mundo, disse Putin.

Putin pediu que os dois países não sejam complacentes com o que alcançaram, mas se dediquem à melhora das relações bilaterais.

A visita de Xi é de grande significado na situação internacional complicada e volátil, e injetará um forte ímpeto no desenvolvimento dos laços Rússia-China na nova era, disse Putin.

A Rússia e a China devem continuar a fortalecer a coordenação nos importantes assuntos internacionais e regionais, lidar juntas com os desafios do unilateralismo e protecionismo, e manter a paz e a estabilidade globais, disse.

O líder russo indicou que seu país está comprometido a aprofundar a cooperação com a China nas áreas de economia e comércio, agricultura, finanças, ciência e tecnologia, proteção do ambiente, telecomunicações e construção da infraestrutura.

A Rússia está disposta a impulsionar as interações em níveis locais, e promover os intercâmbios em educação, cultura e turismo, segundo Putin.

Putin também disse que a Rússia está disposta a fornecer à China com petróleo e gás suficientes, e a exportar mais sojas e outros produtos agrícolas para a China, e que espera um alinhamento mais rápido entre a União Econômica Eurasiática e a Iniciativa do Cinturão e Rota.

Também na reunião, Xi e Putin foram informados pelos funcionários de ambos os países da cooperação bilateral em áreas de prioridade, e os dois líderes trocaram opiniões sobre a situação na Península Coreana, a questão nuclear iraniana e a questão venezuelana, entre outros.

Os dois chefes de Estado concordaram em aumentar a comunicação e a coordenação nos marcos da ONU, Organização de Cooperação de Shanghai, BRICS, APEC, G20, para salvaguardar conjuntamente o multilateralismo e as normas de relações internacionais.

Depois da reunião, Xi e Putin assinaram a declaração sobre a elevação dos laços bilaterais para a parceria de coordenação estratégica abrangente para uma nova era, e sobre o fortalecimento da estabilidade estratégica global contemporânea.

Segundo a declaração conjunta sobre a parceria estratégica, a relação sino-russa entrou em uma nova era, e está enfrentando novas oportunidades para o maior desenvolvimento.

O documento indica que a meta deste novo tipo de parceria é que ambos os lados deem mais apoio um ao outro quando eles buscam adotar suas próprias vias de desenvolvimento, preservar os respectivos interesses essenciais, e proteger a soberania e a integridade territorial.

Então, os dois lados coordenarão estreitamente um com o outro no alinhamento de suas estratégias de desenvolvimento, expandirão a cooperação mutuamente benéfica em economia e comércio, assim como investimento, e explorarão ainda mais o potencial dos laços bilaterais, diz a declaração.

A declaração também indica que os dois lados aproveitarão ao máximo o papel dirigente dos dois chefes de Estado no desenvolvimento dos laços bilaterais, e considerarão a cooperação política, em segurança e prática, os intercâmbios entre pessoas, assim como a coordenação internacional como prioridades da parceria China-Rússia.

Os dois líderes também testemunharam a assinatura de vários documentos de cooperação, reuniram-se com a imprensa, visitaram uma exibição de carros produzidos pela fábrica da Great Wall Motors na região de Tula da Rússia, e participaram da cerimônia de inauguração da casa de panda no Jardim Zoológico de Moscou.

Antes de sua reunião, Putin realizou uma grande cerimônia de recepção para Xi no Kremlin.

***

China e Rússia concordam em fortalecer estabilidade estratégica global contemporânea

2019-06-06 06:26:40丨portuguese.xinhuanet.com

Moscou, 5 jun (Xinhua) — A China e a Rússia prometeram fortalecer a estabilidade estratégica global contemporânea em uma declaração conjunta assinada pelo presidente chinês Xi Jinping e seu homólogo russo, Vladimir Putin.

Reconhecendo que a segurança internacional atual está enfrentando desafios sérios, a China e a Rússia pretendem aprofundar a confiança mútua estratégica e fortalecer a coordenação estratégica para salvaguardar firmemente a estabilidade estratégica global e regional, segundo a declaração conjunta.

A China e a Rússia apontam com alarme as ações extremamente perigosas de certos estados, que, devido a seus próprios benefícios geopolíticos e até comerciais, destroem ou ajustam o existente sistema de controle de armamentos e não proliferação de armas de destruição em massa para suas necessidades, disse a declaração.

Ambos os lados pediram a promoção ativa dos três pilares — desarmamento nuclear, não proliferação de armas nucleares e uso pacífico de energia nuclear.

Os dois lados reafirmaram seu compromisso inabalável com a implementação incondicional do Plano de Ação Abrangente Conjunto sobre a questão nuclear iraniana e declararam sua rejeição às sanções unilaterais dos Estados Unidos contra o Irã, segundo o documento.

A China e a Rússia também prometeram promover o multilateralismo e expressaram o compromisso para trabalhar conjuntamente para preservar o sistema de mecanismos internacionais sobre não proliferação e controle de armamentos.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

angelo rosa

07 de junho de 2019 às 13h34

O inimigo comum deles é os EUA então são amigos enquanto durar os interesses. Eles jamais brincam em serviço. Cada milímetro de influência no mundo é milimetricamente calculado. A china invade mares internacionais e constrói ilhas artificiais pra expandir a sua área de dominação. Usa de hakers pra roubar segredos industriais, desestabilizar as empresas americanas e a economia além de concorrência desleal. A rússia mata inimigos envenenados em pleno exterior e à luz do dia, expande os seus tentáculos pelo mundo tentando se fortalecer na política mundial associando-se a grupos mafiosos do mundo todo, sem contar que invadiu a Criméia, a Geórgia, Donetski, Abkházia e a Ossétia do Sul. Nessa brincadeirinha aí, não existe nenhum bobinho. Eles é que são imperialistas, invasores e déspotas. Matam pessoas sem pestanejar.

Responder

Paulo

06 de junho de 2019 às 18h00

Esse é o pacto Ribbentrop/Molotov da atualidade. Funcionará, por algum tempo. Mas, quando a população chinesa começar a demandar novos territórios, o Governo de Pequim passará a enxergar a vastidão despovoada da Sibéria como seu novo “lebensraum”…

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?