STF discute prisão em 2ª instância

Democracia em vertigem

Por Rogerio Dultra

20 de junho de 2019 : 13h03

Por Rogerio Dultra dos Santos

Assisti Democracia em Vertigem, filme de Petra Costa que estreou ontem  no Netflix. Seguem abaixo algumas observações críticas:

Em termos estéticos, o filme me remete diretamente para o realismo documental de alguns diretores brasileiros, especialmente Leon Hirszman, não por acaso usado nas cenas das greves do ABC paulista entre 1978-1980.

Essa estratégia fílmica, aplicada aos fatos políticos recentes, nos devolve uma dimensão de luta política e de historicidade que nos foi roubada pela estética kitsch e pasteurizada a que estamos submetidos em geral. O país tem uma história com começo, meio, fins, motivos e origem.

O enquadramento de Brasília e do Palácio do Alvorada é um presente. Ele meio que nos devolve a dimensão do projeto de país idealizado na sua modernização, com os paradoxos e as violências inerentes. Mas, na origem, claramente um projeto a ser disputado.

Somos lembrados dos arranjos entre a política e o capitalismo através da construção daquela cidade, seus políticos e suas empreiteiras, seus artesãos e a exploração do trabalho. Todos os temas entrelaçados por uma narrativa pessoal, sensível e em certa medida naïve que não somente dá um tom confessional, como permite que se produza identidade e, ao mesmo tempo, afastamento crítico. Afinal, é a história recente que vivemos, nas não é a da minha família. É uma perspectiva semelhante, um ponto de vista compartilhável, mas não é o mesmo, embora todos tenhamos os nossos parentes bolsominions no armário.

Uma das mensagens (o filme é positivamente complexo nesse sentido) é a da ampliação de nossa impotência à medida que avançamos no recuo da luta histórica, nos permitindo conduzir pela política institucionalizada. Abdicamos como povo ao protagonismo e isso nos custou caro.

Existe, dessa forma, uma critica ao encastelamento do PT no poder, crítica produzida pelos próprios protagonistas do partido. Mas há, é claro, uma crítica muito mais radical aos representantes dos sucessivos golpes à democracia. Todos amparados pelos interesses do capital.

Há, assim, e ao mesmo tempo, uma personalização das responsabilidades – Lula, Dilma, Aécio, Cunha, Moro – mas persiste o grande quadro histórico da disputa de interesses em conflito.

Anoto o que talvez seja um ponto fraco do filme, que é a tentativa de compreensão desse cenário complexo através da ótica proto-moralista da corrupção. Mas esse ponto não é tão simples como colocado na filmografia de um cineasta de direita como o Padilha, por exemplo. Existe também aqui complexidade.

A cineasta não recorre à demonização da política e dos políticos, apesar da lembrança demorada das cenas bizzarras do impeachment. A fala do ex ministro Gilberto Carvalho dá o tom: “Nos não fizemos a reforma política”. Fica expressa a colonização da política pelo capital.

Assim, ao invés da construção de uma explicação simplista segundo a qual os políticos são corruptos e esse é o mal, somos apresentados a um cenário mais complexo, que envolve mídia, corporações, empreiteiras, interesse geopolítico internacional no petróleo.

Apesar dessa complexidade, é até possível encaixar essa narrativa na perspectiva oficial da Lava-Jato, a justificar a criminalização da política. Mas também aqui a diretora não perde a mão. A caçada política ao Lula é explicitada no que tem de parcial e corrupta, de um projeto político disfarçado.

A relação entre Moro, mídia e política se completa quando surge o último personagem, o personagem incidental da trama: Jair Bolsonaro. Aqui, o sentido histórico dos últimos trinta anos se completa. E a narradora, da mesma idade dos fatos, compreende o país e o que ele enfrenta.

Este é um filme importante. Em especial pelo que consegue resgatar de nossa imagem, pelo que repõe de lembrança sobre a nossa força, pelo que recupera da história de nossa luta e pelo que conclama, apesar do cenário de desespero. É um chamado para que voltemos às raízes, para recomeçar.

Rogerio Dultra

Professor do Departamento de Direito Público da Universidade Federal Fluminense (UFF), do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Justiça Administrativa (PPGJA-UFF), pesquisador Vinculado ao INCT/INEAC da UFF e Avaliador ad hoc da CAPES na Área do Direito.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »


Deixe uma resposta