Manuel Castells na FGV

Gráfico: @gilbertoborca (twitter)

Projeção do PIB no 1º ano de Bolsonaro continua em queda

Por Redação

24 de junho de 2019 : 13h07

Estimativa do mercado para expansão da economia cai para 0,87%

Publicado em 24/06/2019 – 08:57

Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Brasília

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia segue em queda. É o que mostra o boletim Focus, resultado de pesquisa semanal a instituições financeiras, feita pelo Banco Central(BC) e divulgada às segundas-feiras, em Brasília.

A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – desta vez foi reduzida de 0,93% para 0,87%. Essa foi a 17ª redução consecutiva.

A expectativa das instituições financeiras é que a economia tenha crescimento maior em 2020. A estimativa é de 2,20%, a mesma da semana passada. A previsão para 2021 e 2022 permanece em 2,50%.
Inflação

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), caiu de 3,84% para 3,82% este ano, na quarta redução seguida.

A meta de inflação de 2019, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

A projeção para 2020 caiu de 4% para 3,95%. A meta para o próximo ano é de 4%, com intervalo de tolerância 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022. A previsão do mercado financeiro para a inflação em 2021 e 2022 permanece em 3,75%.

Taxa básica de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, mantida em 6,5% ao ano, na última semana pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Ao final de 2019, as instituições financeiras esperam que a Selic esteja em 5,75% ao ano, a mesma perspectiva da semana passada.

Para o fim de 2020, a expectativa para a taxa básica volte para 6,5% ao ano, e, no fim de 2021, chegue a 7,5% ao ano.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.


Edição: Kleber Sampaio

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

24 de junho de 2019 às 15h00

Esse governo é ridículo, e essas instituições que o apoiaram são mais ridículos ainda, ficam cheio de dedos pra falar a verdade, aí ficam soltando aos poucos pra não ficar muito na cara que estão enrolando ou que foram enrolados. Mentir faz parte do jogo político da direita.

Dez dias atrás a projeção era de 1%, cinco dias atrás era de 0,9%, hoje passou pra 0,8%… Querem enganar a quem??? Pode enganar pobre de direita imbecilizado, mas não a quem está atendo a esses números. Esse governo é tão inexistente que nem pra enganar com números presta…

Outra, a meta de inflação é 4,75% com intervalo entre 2,75% e 5,75%, ou seja, o intervalo de 3 pontos corresponde a “apenas” 63% de variação… QUEREM ENGANAR A QUEM?????

Bozolândia ridícula!

Responder

Deixe uma resposta

x