Economistas discutem a desindustrialização no Brasil

Foto: Divulgação / Brasilcap

Márcio Lobão, filho do ex-ministro Edison Lobão, é preso na 65ª fase da Lava Jato

Por Redação

10 de setembro de 2019 : 16h27

No site do MPF

Buscas objetivam aprofundar investigações de crimes de lavagem de dinheiro e corrupção em obras da Transpetro e Belo Monte
Arte retangular, com fundo marrom e a expressão ‘Lava Jato’ em destaque, escrita com letras vazadas dentro de retângulo menor laranja

Nesta terça-feira, 10 de setembro, estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão para aprofundar investigações sobre esquemas de corrupção e de lavagem de dinheiro relacionados à Transpetro, subsidiária da Petrobras, e à Usina Hidroelétrica de Belo Monte. As investigações apontam que, ao menos entre 2008 e 2014, Edison Lobão e Márcio Lobão solicitaram e receberam propinas dos grupos Estre e Odebrecht da ordem de R$ 50 milhões. Evidências indicam que os atos de lavagem se estendem até 2019.

Além dos crimes de corrupção relativos à participação da Odebrecht no contrato de construção da Usina de Belo Monte, objeto de acusação anterior pela força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (ação penal nº 5036513-15.2019.404.7000), a operação investiga benefícios em mais de 40 contratos, cujo valor chega a cerca de R$ 1 bilhão, celebrados pelas empresas Estre Ambiental, Pollydutos Montagem e Construção, Consórcio NM Dutos e Estaleiro Rio Tietê.

Nos esquemas criminosos, as provas indicam que as propinas foram entregues em espécie em escritório advocatício ligado à família Lobão, localizado no Rio de Janeiro. Nesse sentido, foram obtidos depoimentos de colaboradores, registros de ligações e reuniões entre os investigados, e registros em sistemas de controle de propinas.

As medidas cautelares cumpridas hoje também objetivam aprofundar possíveis operações de lavagem de dinheiro capitaneadas por Márcio Lobão. O esquema investigado inclui aquisição e posterior venda de obras de arte com valores sobrevalorizados, simulação de operações de venda de imóvel, simulação de empréstimo com familiar, interposição de terceiros em operações de compra e venda de obras de arte, e movimentação de valores milionários em contas abertas em nome de empresas offshore no exterior. No período das transações, foi possível verificar um incremento em seu patrimônio de mais de R$ 30 milhões. Por isso, também são alvo dos mandados de busca e apreensão endereços de galeria de arte e de agentes financeiros que atuavam junto a bancos, como o Julius Bär, gerindo contas de Márcio Lobão no exterior.

As fortes evidências do envolvimento de Márcio Lobão, por longo período, em diversas operações de lavagem de capitais e em crimes de corrupção relacionados a diferentes obras públicas e grupos empresariais, bem como os indicativos de que permanece, ainda em 2019, praticando atos de lavagem de dinheiro, motivaram a decretação da prisão preventiva. A medida revela-se imprescindível para garantir a ordem pública e econômica, evitando-se a continuidade e a reiteração criminosa, bem como para garantir a aplicação da lei penal.

Segundo o procurador da República Deltan Dallagnol, “a Lava Jato continua rompendo a aura de intocabilidade de poderosos. A equipe segue unida e, enquanto for possível, prosseguirá seu trabalho”.

Ação penal nº 5041434-17.2019.404-7000

Chave de acesso 373885940619

Notícia relacionada: Justiça recebe denúncia da Lava Jato contra Edison Lobão por corrupção e lavagem de R$ 2,8 milhões em propinas

Confira aqui a decisão da juíza Gabriela Hardt que mandou prender Márcio Lobão.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Renato

10 de setembro de 2019 às 23h18

Isso roubou muito durante os governos do PT….!

Responder

    Gilberto Martin

    11 de setembro de 2019 às 14h45

    Mais uma espetaculização dos quadrilheiros lavajatistas pra jogar cortina de fumaça para esconder seus crimes. Alguém acredita na afirmação desse bandido chamado Daladinheirol que “Evidências indicam que os atos de lavagem se estendem até 2019.” Ora, sejamos razoáveis, quem seria idiota sabendo do curso da investigação da farsa-jato continuaria praticando ilícitos!? Que absurdo!

    Responder

    Gilberto Martin

    11 de setembro de 2019 às 14h48

    Cadê o Queiroz?

    Responder

Renato

10 de setembro de 2019 às 21h51

Como Lula ;mais um inocente injustiçado !

Responder

Paulo

10 de setembro de 2019 às 19h53

E o pai, quando o acompanhará?

Responder

    Carlos Marighella

    11 de setembro de 2019 às 13h42

    O pai é do PMDB que apoiou o golpeachment, jamais irá em cana.

    Responder

Deixe uma resposta